DEPUTADO ESTADUAL

João Coser admite disputar presidência da Assembleia Legislativa

De volta à Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) após 28 anos, João Coser (PT) inicia em fevereiro o seu terceiro mandato como deputado estadual. Com origem nas comunidades de base da Igreja Católica e do movimento sindical, sua trajetória política conta também com dois mandatos de deputado federal (1995-2003) e outros dois mandatos como prefeito de Vitória (2005-2012).

No seu retorno ao Legislativo capixaba pretende dar ênfase no combate à desigualdade social e não esconde que está na disputa pela presidência da Casa:

“O meu desafio é ver como posso contribuir com o Estado do Espírito Santo, contribuir com o projeto do governador Casagrande (PSB). Eu sou do partido do presidente Lula (PT) e sou amigo do governador Casagrande. Então a ideia é fazer com que o Espírito Santo consiga dar um salto no seu desenvolvimento econômico, mas principalmente no seu desenvolvimento social. Incluir mais as pessoas, acabar com a miséria, reduzir a pobreza”, destaca Coser.

Nascido em Santa Teresa (ES), o advogado de 66 anos foi criado por duas irmãs de caridade da Igreja Católica. Trabalhou na roça até os 17 anos, quando veio para a capital, para continuar seus estudos. Formado em direito pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (Uniceub), Coser é membro fundador do Partido dos Trabalhadores, no Espírito Santo.

Antes de se eleger deputado estadual em 1986, foi presidente do Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo (Sindicomerciários/ES) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT-ES). Entre 2009 e 2013 presidiu também a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). “Já ganhei, já perdi, e agora, estou de novo, depois de 28 anos, voltando para a Assembleia. Nunca atuei neste prédio, ainda era a Assembleia antiga, lá no Centro, em frente ao Palácio Anchieta. Estou motivado, minhas experiências foram muito bacanas e estou voltando com muita energia”, afirma.

Bandeiras

Além da área social, o deputado eleito pretende defender outras bandeiras no Legislativo. “Atuar na perspectiva de aumentar crédito rural, beneficiar o homem do campo. Eu vou atuar muito especificamente na área econômica, por ser uma pessoa que gosta da área econômica, foco muito na questão do desenvolvimento, uma vocação para as regiões Sul e Norte”, pontua. 

“Também um pouco do turismo, acho que é um potencial que o Espírito Santo tem e é pouco explorado. E tem como carreira já a questão do cooperativismo. Fui da Frente Parlamentar do Cooperativismo no Congresso. É bem amplo, mas não vou cuidar de tudo, vou focar o meu mandato”, complementa.

Desafios do Espírito Santo

“Eu sempre acho que o maior desafio é a inclusão das pessoas, colocar todo mundo para trabalhar, reduzir a desigualdade entre o mais rico e o mais pobre. Nosso estado não tem necessidade de ter miserável, porque somos um estado pequeno. Com uma política de emprego, de transferência de renda quando necessário, uma política social arrojada, eu acho que é o nosso grande desafio”, opina.

Coser pontua outros desafios. “Segurança pública é um desafio, população de rua é um desafio, mas isso está combinado com essas outras políticas que citei. Você gera trabalho e você tira as pessoas das ruas. Tem que cuidar dos que já estão lá, mas você evita que isso continue aumentando. Eu estou muito focado no cuidado com as pessoas”, conclui.

Proposições

Político experiente, o advogado não dá muitas pistas sobre os projetos que pretende apresentar durante seu início de mandato, mas deixa claro que está mais preocupado com a qualidade do que com a quantidade de matérias apresentadas à Casa. “Não tem essa coisa de sair por aí apresentando três projetos por semana, nada disso. Vou fazer uma coisa muito qualificada, pontual, mas de fato não posso adiantar”, argumenta.

Relação com o governo

O petista vai ser aliado do governador reeleito aqui na Ales. “Eu posso falar que me esforcei muito pela reeleição do Casagrande. É uma pessoa por quem tenho apreço, admiração e respeito. Vou fazer tudo que eu puder para ajudar. Acho que o governo Casagrande tem uma boa ação na área de obras, na área econômica, ele precisa ainda avançar um pouco na área social”, ressalta. 

Coser também está otimista sobre a relação dos demais parlamentares eleitos com o Executivo. “Eu estou conversando muito com os deputados, nós formamos um bloco grande, todo mundo está com uma boa intenção. Tem um ditado popular que diz que de boa intenção o inferno está cheio, mas tenho um sentimento de que as pessoas querem contribuir com o governador”, comenta com humor o deputado. 

Ele acredita que Casagrande pode aprender com a dura disputa que foi travada pelo Palácio Anchieta. “A disputa passou, não foi uma disputa boa, porque o nível da disputa foi muito ruim. Mas o Casagrande trabalha muito, é um homem trabalhador, ele tem muitas qualidades. O governo pode melhorar, a relação do Legislativo com o Executivo pode avançar “, avalia. 

“Eu acho que ter disputado o segundo turno foi duro pra ele, mas ele aprende. Aprende, inclusive, a dar valor ao outro lado, e o Parlamento é o outro lado. Mas é um outro lado muito próximo ao governo, que tem como meta principal contribuir com o governo, eu estou otimista nessa relação”, aposta o petista.

Comissões

Sobre sua participação nas comissões da Casa, o parlamentar eleito afirma que será flexível, já que se considera polivalente e não pretende entrar em grandes disputas. No entanto, ressalta que não vai abrir mão de participar ativamente. “Tem muitas áreas que eu poderia atuar. No orçamento, educação, cooperativismo. Poderia atuar na agricultura, pois sou pequeno proprietário agrícola, eu poderia atuar em muitas áreas, mas ainda vou definir no debate com eles”, destaca.

Presidência da Casa

Eleito com 58.279 votos, João Coser não esconde que colocou o seu nome para a disputa da Presidência do Legislativo. “Eu acho que os 30 deputados gostariam de ser presidente. Com certeza será uma honra para qualquer um que chegar lá. Mas eu não estou disputando na marra. Eu estou com meu nome colocado, naturalmente mais pela minha história, pela minha relação com os parlamentares”, justifica. 

“Mas não estou atrás de cargo não, eu acho que o cargo que eu precisava para representar o capixaba era o cargo de deputado estadual e eu já tenho o que eu precisava. Agora eu tenho que trabalhar muito para devolver os 58 mil votos, fui o terceiro mais votado e foi uma honra extraordinária para mim isso”, pondera o deputado. 

“Então eu só tenho que agradecer a Deus e às pessoas que confiaram em mim. Eu vou vir aqui com muita vontade de trabalhar, com cargo ou sem o cargo. Do presidente ao mais humilde aqui, todos são deputados, todos são iguais, então eu quero só contribuir”, finaliza Coser.   

Confira mais Notícias

Obrigado a ir

Moraes nega pedido de Bolsonaro para adiar depoimento à PF

Eleições

Lideranças do Podemos se reúnem para debater futuro político de Cachoeiro. É neste sábado

Operação Tempus Veritatis

Bolsonaro tentou apoio da OAB contra sistema eleitoral

Sede de poder

Em vídeo, Bolsonaro orientou ministros a questionar urnas e Judiciário; veja

General Augusto Heleno defendeu rompimento institucional para manter Bolsonaro

Ministro do STF era alvo

Bolsonaro discutiu minuta de golpe que previa prender Moraes, diz PF

Ex-presidente

Bolsonaro pediu e aprovou mudança em minuta que previa golpe, diz PF

Presidente do Partido Liberal

Polícia Federal encontra com Valdemar Costa Neto pepita de ouro extraída ilegalmente