DEPUTADO ESTADUAL

Hoffmann: prioridade para emprego e educação

Foto: Bruno Coelho – F/Still Fotografia

Com um trabalho focado na educação, sobretudo na formação profissional e na geração de emprego e renda. É assim que Tyago Hoffmann (PSB), que é mestre em economia, pretende atuar em seu primeiro mandato eletivo, na próxima legislatura da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), que inicia no dia 1º de fevereiro.

Apesar de ser a sua primeira experiência nas urnas, o professor universitário de 42 anos, natural de Guarapari (ES), não é um estreante na vida pública. Homem de confiança do governador reeleito Renato Casagrande (PSB), Hoffmann atuou como secretário de Governo nos dois mandatos do atual chefe do Executivo estadual.

Eleito com 32.123 votos, Hoffmann terminou o primeiro mandato de Casagrande como secretário-chefe da Casa Civil e o último mandato como secretário da Inovação e Desenvolvimento, antes de abrir mão do cargo para disputar as eleições. Na Prefeitura de Vitória foi secretário municipal de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana.

Experiência

“O chefe da Casa Civil e o secretário de Governo lidam diretamente com a Assembleia, na interlocução com os deputados estaduais. Conheço a Casa e os deputados. Tenho certeza que essa bagagem no Executivo me ajuda bastante a trabalhar no Legislativo, para que nós possamos continuar no Estado a implantação de políticas públicas que têm mudado para melhor a vida da população do Espírito Santo”, avalia.

Direcionamento do mandato

Apesar de ainda estar aguardando a definição da nova Mesa Diretora da Ales antes de definir a sua participação nas comissões da Casa, o deputado eleito já definiu o foco de seu mandato. “Lógico que como deputado a gente atua também na saúde, na segurança pública, mas eu vou focar na educação, na formação profissional e na geração de emprego e renda”, comenta.

Sobre o direcionamento de suas proposições como deputado, Hoffman deixa uma pista. “Em linhas gerais, eu estou estudando muito o fortalecimento do nosso sistema de educação profissional, que foi uma área que eu atuei como secretário e eu acho que tem algumas coisas que o Legislativo pode ajudar muito e é isso que eu já estou com a minha equipe trabalhando”, afirma.

Relação com o governo

O ex-secretário de Governo de Casagrande aposta numa boa relação entre Legislativo e Executivo nos próximos quatro anos. “Eu acredito que a Ales como um todo terá uma relação muito boa com o governador. Mesmo os parlamentares novatos, pelo menos a maioria deles, eu acredito na maturidade, de nós termos uma Assembleia que seja independente”, opina.

Independência e harmonia

O deputado eleito acredita no equilíbrio entre independência e harmonia como uma receita de sucesso para o Estado. “É importante a gente dizer isso, o Poder Legislativo é um Poder e precisa ser respeitado como tal e guardar a sua independência. Mas a Constituição prevê também que os Poderes precisam ser harmônicos e é neste sentido que eu vou trabalhar. Para que a gente tenha o máximo de harmonia possível entre o Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público”, pontua.

“Pois esse arranjo, essa concertação dos Poderes, das instituições, fazem com que o Espírito Santo seja um estado muito diferenciado em relação ao Brasil, essa união, resguardada as independências de cada um dos Poderes e instituições, mas essa união pelo bem do Espírito Santo, nos últimos 20 anos, tem proporcionado resultados muito interessantes para nós”, conclui.

Confira mais Notícias

Movimentos políticos

De olho na vaga, deputados repercutem eleição para o Tribunal de Contas do Espírito Santo

Eleições

STF derruba regras de sobras eleitorais

Decisões

TSE restringe uso de Inteligência Artificial nas eleições de outubro; veja outras regras aprovadas

Análise política

Dorlei Fontão trabalha e confia na decisão da Justiça; Paulinho Mineti observa

Sucessão

Internamente não há dúvidas! Leo Português será o candidato de Fabrício Petri em Anchieta

Em discurso

Lula chama guerra em Gaza de genocídio e critica “hipocrisia”

Mudo

Bolsonaro não responde à PF em depoimento sobre golpe de Estado

Obrigado a ir

Moraes nega pedido de Bolsonaro para adiar depoimento à PF