Números capixaba

Produção de abacate dobra no Espírito Santo; Venda Nova do Imigrante e Vargem Alta lideram

Já faz algum tempo que o abacate é o ingrediente queridinho dos pratos saudáveis e o cultivo da cultura no Espírito Santo tem ganhado proporções significativas. O Espírito Santo é o 4° maior produtor de abacate do Brasil. Somente em 2022, o Estado produziu 24.991 toneladas da fruta, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano passado, o valor bruto da produção capixaba do produto ultrapassou a marca de R$63,3 milhões. Um crescimento de 114% em relação ao ano de 2021, quando o valor era de R$ 29,5 milhões.

No Espírito Santo, em 2021, a fruta era cultivada em uma área de 918 hectares, com produção de 11.657 toneladas e produtividade média de 12,7 toneladas por hectare. Já em 2022, a área expandiu para 959 hectares (+4,47%), a produção foi de 24.991 toneladas (+114%) e a produtividade passou a ser de 26,1 toneladas por hectare (+114%).

O secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli, destacou que o abacate cultivado no Estado também é exportado para outras regiões do Brasil e até para o exterior, contribuindo para as economias local e nacional. “No Estado há 572 estabelecimentos rurais com produção de abacate, dos quais 69% são da agricultura familiar. Notamos um crescimento bem acentuado desde o ano passado, em que o Espírito Santo exportou 10 toneladas da fruta. Já no acumulado deste ano, somente de janeiro a agosto, exportamos 89,8 toneladas, que renderam o valor de US$276,3 mil dólares, quase 37 vezes maior que o mesmo período em 2022”, afirmou o secretário Enio Bergoli.

De acordo com a Gerência de Dados e Análises da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (GDN/Seag), segundo o IBGE, em 2022, o Espírito Santo foi o 4º maior produtor de abacate do Brasil, representando 7,38% da produção nacional, atrás apenas de São Paulo (43,27%), Minas Gerais (29,60%) e Paraná (8,92%). Em 2021, fomos o quinto maior produtor. Ainda segundo o censo, há 572 estabelecimentos rurais com produção de abacate no Estado, dos quais 69% são da agricultura familiar.

Cultivo do abacate no Estado

A produção de abacate capixaba no ano passado originou-se de 25 municípios, dos quais Venda Nova do Imigrante lidera a produção, com 13.710 toneladas (54,85% da produção estadual). Em segundo lugar está Vargem Alta, com 3.600 toneladas (14,40%), seguido por Marechal Floriano, com 1.875 toneladas (7,50%), e Castelo, com 1.140 toneladas (4,56%). Outros 21 municípios produziram em menor escala.

No Espírito Santo, o clima tropical/subtropical favorece a ampliação do cultivo do fruto. Segundo Cesar Abel Krohling, engenheiro agrônomo do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), de Marechal Floriano, os produtores têm investido na produção de abacates de qualidade, buscando variedades adequadas ao clima local e adotando práticas de cultivo que visam à maximização da produção e à qualidade dos frutos.

“Atualmente, a região serrana se destaca na produção da cultura e técnicos do Incaper orientam os produtores sobre as novas tecnologias que devem ser adotadas. O abacate consorciado com o café aumenta a diversidade de inimigos naturais das pragas e o plantio deve ser realizado com mudas de boa qualidade. A enxertia também é fundamental para o sucesso da atividade, pois garante rapidez e produtividade nos cultivares”, ressaltou Krohling.

Há um século cultivando café, a propriedade de Estevão Douro, localizada em Marechal Floriano, que conta agora com uma nova alternativa cultivada em meio à lavoura, o abacate.

“O abacate veio como uma alternativa de renda e, há cinco anos, o cultivo do café se dá em consórcio com o abacate aqui na propriedade. De modo geral, a utilização de plantas para o sombreamento ajuda a atenuar as temperaturas dentro do cafezal
e aumenta a diversidade de inimigos naturais das pragas por meio do controle biológico. Enquanto produtores, temos que criar alternativas pois nem sempre as lavouras estão com boa produtividade, e o consumo do abacate tem crescido. Hoje, o mercado remunera bem e cultivar essa cultura é um incremento na nossa renda” contou Douro.

O cultivo do abacate no Estado remonta a várias décadas e a popularidade da fruta tem crescido ao longo do tempo devido ao sabor, valor nutricional e versatilidade culinária. O fruto também tem potencial para ser explorado na produção de óleo.A fruta é originária do México e existem centenas de variedades, que são diferentes na forma, tamanho e cor. Entre os popularmente conhecidos, estão o abacate manteiga (em forma de pera, com polpa macia e sem fibras), o guatemala (com forma de ovo e casca rugosa, maior que o manteiga) e o pescoço (parecido com o abacate manteiga, mas um pouco mais alongado).

Confira mais Notícias

Números do Estado

Espírito Santo tem 9ª população mais alfabetizada do Brasil

Futebol

Turma do STF forma maioria para negar ao Flamengo Taça das Bolinhas

Apolinho, Sílvio Luiz e Antero Greco: adeus aos craques do jornalismo

Morre Washington Rodrigues

Adeus Apolinho

A rodada

Athletico-PR faz 2 a 0 no Palmeiras e retoma liderança do Brasileirão; veja outros jogos

Sorte capixaba

Aposta do Espírito Santo leva R$ 46 milhões na mega sena deste sábado, 11 de maio

Ajuda

Marinha envia nesta terça hospital de campanha ao Rio Grande do Sul

Boa noticia

Brasil se torna livre de febre aftosa sem vacinação, informa governo