Na região Sul

Imagens de onça-pintada são registradas entre os municípios de Atílio Vivácqua, Muqui e Mimoso do Sul

Pesquisadores registraram em vídeo raras imagens de onça-pintada no sul do Espírito Santo. Os registros obtidos por armadilhas fotográficas confirmam a presença da espécie no Monumento Natural Estadual Serra das Torres (Monast), que engloba os municípios de Atílio Vivácqua, Mimoso do Sul e Muqui. A presença da onça-pintada na região é totalmente inesperada, uma vez que há 27 anos não se tinha notícia dessa espécie fora do Complexo Florestal Linhares-Sooretama, no norte do Estado, o que a torna criticamente ameaçada de extinção no Espírito Santo.

A Unidade de Conservação (UC), sob gestão do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), é apoiada pela Vale, por intermédio da Reserva Natural Vale, em Linhares, e o trabalho de monitoramento envolve diferentes instituições, como Iema, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recurso Naturais Renováveis (Ibama), Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e Universidade Vila Velha (UVV).

A pesquisadora e professora da UVV, Ana Carolina Srbek de Araujo, que é coordenadora do Projeto Felinos, ressaltou que esse registro é muito importante para a conservação da onça-pintada. “Temos uma população vivendo em uma condição limitada atualmente no Espírito Santo, com risco de extinção no médio-longo prazos. Conhecer a origem, o comportamento e as interações ecológicas que esse animal está estabelecendo, na região do Monast, pode nos ajudar a traçar estratégias para a conservação da espécie não apenas no Estado, mas também em outras porções da Mata Atlântica, onde a situação deste grande predador também é crítica”, afirmou.

Para o servidor do Iema e gestor do Monast, Guilherme Carneiro, a presença das onças é uma oportunidade de conservação. “É como se a natureza nos desse uma nova chance para mostrar que melhoramos no convívio com ela e que agora podemos fazer diferente. É motivo de orgulho, mas também de grande responsabilidade termos esses animais nesse território e a conservação deles não depende só dos órgãos ambientais, mas de toda sociedade”, disse.

O Iema e as instituições parceiras estão mobilizando a comunidade e debatendo ações para promover a convivência e permitir a sobrevivência não só da onça-pintada, mas também da onça-parda, também registrada recentemente pelas armadilhas fotográficas. Além de utilizar materiais de educação ambiental e fazer a divulgação de informações por mídias sociais, uma das estratégias tem sido a realização de visitas às propriedades rurais e a promoção de reuniões com as comunidades. Duas reuniões já foram realizadas, sendo uma em Atílio Vivácqua e outra em Mimoso do Sul, com uma próxima prevista para o município de Muqui.

O veterinário e analista ambiental do Ibama, Vinicius Seixas, explicou que como os grandes felinos são predadores de topo de cadeia alimentar eles têm um importante papel de promover o equilíbrio ambiental, controlando a populações de outros mamíferos. O analista explicou ainda que o risco de ataque aos humanos pelas onças é muito baixo, uma vez que não há nenhum registro de ataques em toda Mata Atlântica.

“O risco de outros tipos de acidentes em atividades corriqueiras do dia a dia que são próprias do homem do campo é muito mais preocupante que os ataques por onças. Risco maior existe para animais de criação que podem ser predados por estes felinos. Por isso, é muito importante que as presas naturais da floresta, como pacas, catetos, capivaras, queixadas, veados e tatus, sejam conservadas”, disse.

Os monitores ambientais contratados para atuar na unidade de conservação pela parceria com a Vale desempenham um importante trabalho na conscientização e na orientação da comunidade diariamente, bem como na coleta de informações e vestígios sobre a atividade da onça-pintada na área do Monast.

Proteção de ecossistemas

As armadilhas fotográficas foram instaladas, por meio do Acordo de Cooperação Técnica nº 003/2020, estabelecido entre Iema e a Vale para o apoio nas atividades de proteção ecossistêmica de unidades de conservação no Espírito Santo, em 2020. Além do Monast, que engloba os municípios de Atílio Vivácqua, Mimoso do Sul e Muqui, também foi beneficiada a Reserva Biológica Duas Bocas, em Cariacica.

O acordo tem vigência de cinco anos, período em que os mais de 13 mil hectares, somando-se às áreas das duas unidades, serão beneficiados com investimentos de cerca de R$ 6,2 milhões. O convênio prevê a doação de bens e a prestação de serviços voltados para a proteção dessas unidades, com o objetivo de resguardar a floresta da exploração predatória e de realizar ações de sensibilização ambiental, prevenção e combate à caça e ao incêndio, entre outras.

Confira mais Notícias

Sul do ES

Tribunal de Contas recomenda a rejeição das contas de 2020 de Giló, em Mimoso do Sul

Cultura

VII Festival de Leituras Dramáticas Capixabas agita Cachoeiro

Agenda

Festa de Cachoeiro: Festival levará boa comida e artesanato ao Parque de Exposição

Solidariedade

39º edição da Feira da Bondade de Cachoeiro acontecerá em outubro

Governo

Mimoso do Sul recebe novos investimentos do Estado para reconstrução da cidade

Cidades capixabas

Marataízes vence o Desafio Cadastur e impulsiona turismo no Espírito Santo

Serviços

Novos canais para solicitações de iluminação pública em Cachoeiro

Mês de junho

Van da Boa Energia da EDP oferece serviços para moradores de Mimoso do Sul