Agronegócio

Workshops virtuais abordam oportunidades e perspectivas para a cadeia do açaí

Publicados

em


.

Dando continuidade à iniciativa de debate com atores das principais cadeias de valor da sociobiodiversidade da Amazônia, foi realizado na última semana o terceiro workshop virtual dos Diálogos Pró-Açaí, uma iniciativa do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, parceria entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF), e a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ). 

Assim como ocorreu com a cadeia da castanha-do-Brasil, os encontros do açaí reuniram diversos atores da cadeia de valor para debater desafios, oportunidades, perspectivas e soluções para agendas consideradas relevantes, como a agenda de sustentabilidade, a agenda de gestão da informação, e, agenda de governança do setor. 

Participaram dos eventos 94 técnicos, de mais de 40 instituições diretamente ligadas à cadeia do açaí, incluindo empreendimentos da agricultura familiar (cooperativas e associações) e 10 empresas compradoras e beneficiadoras de açaí. Estiveram presentes ainda órgãos governamentais, instituições do terceiro setor, universidades e órgãos de pesquisa. 

Cadeia do Açaí

A cadeia do açaí e derivados movimenta mais de US$ 720 milhões por ano no mundo, de acordo com boletim publicado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). E o Brasil, maior produtor do fruto no mundo, produz mais de 1,5 milhão de toneladas por ano, segundo o IBGE. O mercado desse importante produto da economia amazônica tem se mostrado crescente, apresentando uma perspectiva de taxa de crescimento de mais de 12% para os próximos anos. 

Leia Também:  Agricultores familiares têm novo canal para comunicar perdas de alimentos

Além de ser muito valorizado pelo seu caráter nutricional – por possuir elevado potencial antioxidante – pela indústria alimentícia, nutracêutica e cosmética, o açaí possui uma cadeia de produção que traz importantes benefícios sociais, econômicos e ambientais para a Amazônia. 

O Censo Agropecuária IBGE 2017 aponta que a cadeia beneficia aproximadamente 150 mil famílias de extrativistas e agricultores familiares. A maioria deles organizadas em quase 200 empreendimentos comunitários (cooperativas e associações) na Amazônia, como aponta levantamento realizado pelo projeto Mercados Verdes. Com base em estudo realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca do Estado do Pará, estima-se que aproximadamente 300 mil pessoas estejam envolvidas na cadeia do açaí, entre produtores, batedeiras, indústrias, varejos e serviços em geral.

Diálogos Pró-Açaí

Por sua importância para a bioeconomia da Amazônia, o objetivo desta iniciativa é reforçar o diálogo técnico e político entre os atores da cadeia; apoiar parcerias estratégicas e cooperação; fortalecer o intercâmbio e troca de experiências; melhorar o ambiente de negócios e a sustentabilidade da cadeia.

A iniciativa começou a ser realizada em novembro de 2018 e até o momento ocorreram diversos encontros intrasetoriais, como seminários e workshops, além de múltiplas conversas bilaterais entre este grupo.

Leia Também:  Servidores do Mapa e da Conab serão vacinados contra gripe

Os Diálogos Pró-Açaí são uma iniciativa do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, parceria entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ), conduzido pelo Instituto Terroá e consórcio Eco Consult e IPAM Amazônia, com apoio e cooperação do Projeto Private Business Action for Biodiversity (PBAB/GIZ), Projeto Bem Diverso (Embrapa/PNUD/GEF), Projeto Cadeias de Valor Sustentáveis (ICMBio/USFS), Plataforma Brasileira de Normas Voluntárias de Sustentabilidade, por meio do Inmetro, WWF-Brasil, e outros.

Informações à Imprensa
[email protected]

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2020/2021

Publicados

em


.

O Congresso Nacional aprovou nessa quinta-feira (21), em sessão conjunta virtual, a liberação de crédito suplementar de R$ 343,6 bilhões nos orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União. Desses recursos, R$ 3,2 bilhões serão destinados para a equalização de juros do Plano Safra, que o Ministério da Agricultura pretende anunciar no dia 15 de junho.

“Foi muito importante a aprovação desse projeto, porque retirou o último entrave que estava nos segurando para o anúncio do Plano Safra”, disse o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Eduardo Sampaio “Agora vamos concluir as medidas a serem submetidas ao Conselho Monetário Nacional, junto com as equipes do Ministério da Economia e do Banco Central”, completou. 

Outros R$ 741 milhões serão usados para a subvenção ao prêmio do seguro rural em 2020, complementando os recursos previstos para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), já aprovado no Orçamento em R$ 957 milhões. No primeiro quadrimestre do ano, o Mapa já disponibilizou R$ 200 milhões para o PSR. Esse recurso é utilizado para subvencionar parte dos prêmios do seguro pagos pelo produtor. Graças ao PSR, somente nos anos de 2018 e 2019, as companhias seguradoras indenizaram aos agricultores em R$ 3,5 bilhões em função de problemas de perdas de produção por seca, granizo, chuva excessiva e outras adversidades climáticas.

Leia Também:  Agricultores familiares têm novo canal para comunicar perdas de alimentos

No Projeto de Lei aprovado pelo Congresso também estão previstos R$ 400 milhões para o pagamento de indenizações do Proagro, que cresceram neste ano por causa da estiagem no Sul do país.

Também foram previstos R$ 35 milhões para ações de defesa agropecuária, R$ 13,5 milhões para a agricultura familiar, R$ 7,6 milhões para a Embrapa, R$ 6 milhões para aquicultura e pesca, R$ 5 milhões para a área de relações internacionais, R$ 5 milhões para assuntos fundiários, R$ 4,7 milhões para o Serviço Florestal Brasileiro, R$ 2 milhões para a Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação e R$ 1,5 milhão para o Incra.

O texto do Projeto de Lei do Congresso Nacional foi aprovado por 74 votos favoráveis no Senado e na Câmara dos Deputados, com 451 favoráveis e um voto contrário. O PLN 8/2020 segue agora para sanção presidencial.

Informações à Imprensa
[email protected]gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA