Economia

Ucrânia prevê impacto de € 566 bilhões para reconstrução após guerra

Publicados

em

source
Mariupol deverá receber cerca de € 9,4 bilhões para reconstrução da cidade
Ansa

Mariupol deverá receber cerca de € 9,4 bilhões para reconstrução da cidade

O Ministério da Economia da Ucrânia estima impacto de até € 566 bilhões na economia do país com a guerra contra à Rússia. A pesquisa foi divulgada nesta segunda-feira (23) e contou com a participação da Escola de Economia de Kiev.

O valor é três vezes maior que o Produto Interno Bruto (PIB) do país de 2021. Na época, o país arrecadou pouco mais de € 155 bilhões.

A expectativa do governo de Volodymyr Zelensky é que a União Europeia e países alinhados a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) ajudem o país o financeiramente. Os depósitos são esperados para as próximas semanas, mesmo com o conflito ainda em curso.

Os ucranianos ainda estimaram os custos que devem ser arcados pela Rússia após a guerra entre os países. Segundo o movimento Rússia Pagará, o valor atual dos prejuízos gira em torno de € 91 bilhões.

De acordo com o levantamento do movimento, os bombardeiros provocaram a destruição de € 31 bilhões em residências e € 28 bilhões em rodovias. O estudo mostra ainda o impacto de € 10 bilhões em 219 empresas atingidas pelos misseis russos, inclusive a Antonov Airlines, responsável pela operação do maior avião do mundo, o AN-225 Myrya.

Leia Também:  Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 60 milhões no próximo concurso

Em relação aos locais atacados pelo exército russo, o governo ucraniano prevê um gasto maior com a cidade de Mariupol. A previsão do Ministério da Economia é que o município precise de € 9,4 bilhões para a reconstrução.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Guerra contra à Rússia

A invasão russa na Ucrânia começou no dia 24 de fevereiro por determinação do presidente Vladimir Putin. Os ataques começaram na região de Kiev e em cidades do leste ucraniano, como Luhansk e Donetsk.

A guerra começou após o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, solicitar a entrada do país a OTAN. Segundo especialistas, a preocupação de Putin era que os Estados Unidos, histórico inimigo dos russos, distribuísse militares próximo as fronteiras com à Rússia.

Leia Também:  SP libera programa "Tô Legal" para feirantes e trabalhadores

Entretanto, mesmo após Zelensky desistir da entrada na aliança militar, o governo russo manteve os ataques ao país vizinho. As tentativas de ocupar cidades estratégias foram frustradas, com Kiev e Mariupol sendo retomadas pelo exército ucraniano.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília

Publicados

em

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília
Redação 1Bilhão

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília

Por reajuste salarial e reestruturação de carreira, servidores do Banco Central realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (4) em frente à sede da autarquia, em Brasília. Cerca de 300 pessoas estiveram presentes, de acordo com o Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central).

Atos também aconteceram em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O dia 4 de julho foi o escolhido por ser a  data limite para que o governo federal pudesse conceder reajuste salarial a servidores públicos em razão do prazo imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que proíbe a elevação de gasto com pessoal nos últimos 180 dias de mandato.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), no entanto,  já havia descartado reajuste salarial para o funcionalismo público neste ano.

Leia Também:  Edison Chouest inicia em fevereiro operações no Porto do Açu

No último encontro, os servidores do BC decidiram cruzar os braços até esta segunda. Tudo indica que amanhã (5), durante assembleia deliberativa, a categoria decida pelo fim da greve.

A partir do próximo semestre, deve-se começar uma nova fase de mobilização, segundo o presidente do Sinal, Fábio Faiad, que não quis dar detalhes sobre como ela deve acontecer.

“Já que a gente conseguiu que o presidente do Banco Central [Roberto Campos Neto] enviasse um projeto para o Ministério da Economia com a reestruturação da nossa carreira e com a criação da retribuição por produtividade, ou seja, um incremento financeiro, a gente agora quer que esses dois projetos vão para o Congresso Nacional e que o Orçamento de 2023 contemple verba para isso também”, afirmou.

Os servidores do Banco Central estão em greve de forma ininterrupta desde o dia 3 de maio, após paralisação de duas semanas da greve iniciada em 1º de abril.

Leia Também:  Serviços do Itaú voltam a normalidade e banco amplia horários

A paralisação atrapalhou a publicação de diversos indicadores econômicos, como o Boletim Focus, que traz as projeções do mercado financeiro para inflação, PIB (Produto Interno Bruto), entre outros.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA