Tecnologia

Twitter lança emoji apoiando movimento asiático pró-democracia

Publicados

em


source
Twitter lança emoji apoiando aliança pró-democracia
Unsplash/Yucel Moran

Twitter lança emoji apoiando aliança pró-democracia

O Twitter lançou um emoji em apoio a um movimento que reúne ativistas pró-democracia na Ásia , chamado de “aliança do chá com leite”. Atualmente, o grupo se estendeu a Mianmar , que sofreu um golpe de Estado – o Twitter é uma das redes sociais bloqueadas pelos militares no país .

“Para comemorar o primeiro aniversário da Aliança #MilkTea, criamos um emoji com 3 cores diferentes de chá com leite das regiões onde a Aliança foi formada”, disse o Twitter, em uma publicação.

O emoji vai aparecer em todos os tuítes que tiverem a hashtag “aliança do chá com leite” nas línguas inglesa, tialandesa, coreana e outros idiomas asiáticos.

A aliança leva o nome “chá com leite” devido à popularidade da bebida em Hong Kong, Taiwan e Tailândia, lugares onde o movimento ganhou força contra o autoritarismo. 

De acordo com o Twitter , o termo foi usado mais de 11 milhões de vezes na rede social desde abril de 2020, e ganhou força depois do golpe de Estado em Mianmar . Além de lançar o emoji, a plataforma também apelou para que o acesso à internet seja mantido em lugares que vivem sob governos autoritários.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Golpes de WhatsApp dão até 8 anos de prisão em projeto aprovado na Câmara

Publicados

em


source

Tecnoblog

Golpes de WhatsApp terão pena maior
Unsplash/Allie

Golpes de WhatsApp terão pena maior



A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (15) um projeto que endurece punições para crimes eletrônicos . O PL 4554/2020 já havia sido aprovado no Senado, mas ganhou um substitutivo. Ele pretende principalmente combater golpes realizados via e-mail e WhatsApp . Para isso, prevê a ampliação de penas, que podem chegar a 8 anos de reclusão.

Esta pena é prevista o crime de fraude eletrônica , que envolve fraudes com o uso de informações fornecidas pela vítima ou terceiro induzido a erro via redes sociais , contatos telefônicos, e-mails ou outros meios análogos. A pena para estes casos seria de 4 a 8 anos de reclusão, podendo aumentar de um a dois terços, caso o crime seja cometido com uso de servidor de informática no exterior.

O projeto de lei também amplia a pena para alguns casos de furto qualificado, que levaria à reclusão de 4 a 8 anos, além de multa, “se o furto mediante fraude é cometido por meio de dispositivo eletrônico ou informático, conectado ou não à rede de computadores, com ou sem a violação de mecanismo de segurança ou a utilização de programa malicioso, ou por qualquer outro meio fraudulento análogo”.

Leia Também:  Google é condenado na Austrália por coletar localização; decisão é pioneira

Além da nova pena, a proposta prevê agravantes levando em conta o resultado do crime. Se o crime for praticado com servidor de informática mantido fora do Brasil, a pena seria aumentada de um a dois terços. Caso o crime seja praticado contra idoso ou vulnerável, a pena aumenta de um terço ao dobro do definido pela Justiça.

Você viu?

Invasão de dispositivos

A versão da Câmara também estabelece um aumento da pena para o crime de invasão de dispositivo informático, como celular , tablet e computador. Ele inclui a invasão de aparelhos conectados ou não à internet com o objetivo de obter, adulterar ou destruir dados sem autorização do titular ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita.

Hoje, o crime de invasão de dispositivo informático prevê de 3 meses a 1 ano de reclusão. Com o projeto de lei, o período passaria de 1 a 4 anos. A proposta amplia o agravante para casos em que a invasão resulta em prejuízo econômico. Ele passaria de um sexto a um terço da pena, como ocorre atualmente, para de um terço a dois terços da pena.

Leia Também:  Golpes de WhatsApp dão até 8 anos de prisão em projeto aprovado na Câmara

O texto atualiza ainda o agravante de invasões que levem à obtenção de comunicações eletrônicas privadas, segredos comerciais ou industriais, ou informações sigilosas. A medida também vale para casos em que o dispositivo invadido é controlado remotamente. Nestes casos, a pena passaria de 6 meses a 2 anos para de 2 a 5 anos de reclusão.

Golpes contra idosos

O projeto também muda o trecho do Código Penal que trata de estelionato contra idosos para incluir também a prática do crime contra vulnerável. A pena para estes casos aumenta de um terço ao dobro, levando em conta os danos cometidos à vítima. Hoje, a pena é agravada ao dobro somente nos crimes cometidos contra idosos.

Por conta da mudança do projeto de lei na Câmara , ele será analisado novamente pelo Senado . Caso ele seja aprovado pelos senadores, ele segue para o presidente Jair Bolsonaro . Caso seja aprovada, a lei entra em vigor no dia de sua publicação.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA