Jurídico

TPS 2021: Comissão Avaliadora examinará potencial de planos de ataque com achados

Publicados

em


O quarto e penúltimo dia do Teste Público de Segurança (TPS) 2021 do Sistema Eletrônico de Votação terminou com um ar de despedida entre os participantes do evento. Às 18h desta quinta-feira (25), no encerramento dos trabalhos do dia, vários dos 29 planos de ataque executados contra os sistemas desenvolvidos pelo TSE para as Eleições Gerais de 2022 foram concluídos sem achados. Até o momento, a Comissão Avaliadora examinará o potencial de quatro planos de ataque com achados.

Nesta sexta-feira (26), a partir das 9h, os participantes retornam ao ambiente de testes, na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, para concluir os ataques. O encerramento do TPS 2021 está previsto para as 17h. O edital prevê a realização de mais um dia de evento caso os investigadores solicitem, mas é pouco provável que isso aconteça.

Todos os achados do TPS são importantes e devidamente analisados pela equipe técnica do Tribunal para evitar que sejam feitas especulações indevidas sobre o potencial de ataque à segurança e usabilidade dos sistemas. As falhas que deram origem ao sucesso dos achados serão posteriormente detalhadas em relatório técnico de vulnerabilidades e sugestões de melhorias que será elaborado pela Comissão Avaliadora.

Leia Também:  Clica e Confirma destaca audiências públicas sobre as resoluções das Eleições 2022

Evolução

O Teste Público de Segurança, que este ano chegou à sexta edição, é um dos marcos do processo de desenvolvimento dos sistemas eleitorais e da urna eletrônica. Ao longo dos anos, a cada edição do teste, os sistemas são aprimorados, dando ainda mais segurança e robustez ao processo eleitoral brasileiro.

A primeira edição aconteceu em 2009 e, desde então, foram realizadas outras quatro edições: 2012, 2016, 2017 e 2019. Os cinco eventos anteriores totalizaram 162 horas de investigações e contaram com a colaboração de 109 investigadores, que executaram mais de 60 planos de ataques aos componentes internos e externos da urna eletrônica.

Reunir especialistas em Tecnologia e Segurança da Informação para executar planos de ataque aos softwares e hardwares da urna é o reconhecimento público da importância da participação popular no processo eleitoral do país. Na atual edição, o teste conta com a participação de 26 investigadoras e investigadores.

Avaliação

Após a conclusão do TPS 2021, as vulnerabilidades encontradas serão analisadas pela Comissão Avaliadora, que é responsável por validar a metodologia e os critérios de julgamento, examinar e homologar os resultados.

Leia Também:  TPS 2021: participantes fazem últimas tentativas de planos de ataque

A Comissão é composta por 10 membros de diversas instituições, como Ministério Público Federal (MPF), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Congresso Nacional, Polícia Federal (PF), Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e Sociedade Brasileira de Computação (SBC), além de três especialistas da área acadêmica e/ou científica.

Saiba mais sobre o TPS 2021.

MC/LC, DM

Leia mais:

25.11.2021 – Participantes do TPS 2021 chegam à reta final dos planos de ataque

Fonte: TSE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jurídico

TPS 2021: Investigadores concluem último plano de testes neste sábado (27)

Publicados

em


Neste sábado (27) chegou ao fim a sexta edição do Teste Público de Segurança (TPS) do Sistema Eletrônico de Votação. Durante seis dias, 26 investigadoras e investigadores inscritos ocuparam as bancadas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para colocar em prática ataques aos equipamentos e sistemas desenvolvidos para as Eleições Gerais de 2022.

O objetivo era descobrir possíveis vulnerabilidades na urna eletrônica a tempo de serem corrigidas para o próximo pleito. Dessa forma, dos 29 planos de ataques apresentados pelos grupos, apenas cinco deles foram concluídos com achados relevantes.

Previsto inicialmente para terminar nesta sexta-feira (26), o teste se estendeu a pedido do grupo de investigadores da Polícia Federal. Pela primeira vez, a prorrogação foi prevista no edital, totalizando 6 dias de testes.

“Tínhamos dois planos de ataque. Um deles, abandonamos no segundo ou no terceiro dia e seguimos com o outro, ligado ao JE Connect, até o fim. Ainda tínhamos algumas dúvidas e esse horário no sábado foi importantíssimo para ajustar essas questões finas e montar todas as peças do nosso plano de ataque caso a gente fosse simular isso num ambiente real”, esclareceu Peixinho.

Para o coordenador de Sistemas Eleitorais do TSE, José Melo Cruz, o teste como um todo foi um dos melhores que já participou. “Tivemos planos muito bons, a Polícia Federal como sempre, manteve o altíssimo nível de trabalho deles, um trabalho espetacular que a gente reconhece e sempre aprende muito com eles”, afirmou.

Segundo Melo, não houve nenhuma quebra efetiva do processo eleitoral, mas tiveram barreiras ultrapassadas. “Nós temos que trabalhar e aperfeiçoar os sistemas. E os testes servem para que possamos aprender com esses ataques de pessoas e grupos externos”, revelou.

Comissão avaliadora

Leia Também:  Representantes da USP participam do Teste Público de Segurança

Agora, a comissão avaliadora fechará um relatório para indicar quais foram esses achados e qual a relevância de cada um deles. A Comissão Avaliadora é o colegiado responsável por validar a metodologia e os critérios de julgamento, assim como avalia e homologa os resultados obtidos no TPS.  Compõem o grupo representantes de instituições públicas, de segurança nacional, da área científica e da sociedade civil.

Na avaliação do Secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Júlio Valente, o evento deste ano foi um dos mais produtivos desde que a Justiça Eleitoral iniciou em 2009 a submeter os sistemas eleitorais a testes públicos.

“Tivemos um número recorde de planos de teste e de investigadores que vieram contribuir para o amadurecimento da segurança dos sistemas, aprofundando o caráter colaborativo do evento: Justiça Eleitoral e sociedade de mãos dadas por eleições cada vez mais seguras e auditáveis”, disse. 

Entenda o TPS

O TPS permite que representantes da sociedade executem planos de ataque ao sistema com a finalidade identificar vulnerabilidades relacionadas à violação da integridade ou do anonimato dos votos de uma eleição. Evento permanente do calendário de preparação de cada eleição, o Teste ocorre, preferencialmente, no ano que antecede o pleito, em ambiente preparado na sede do TSE, em Brasília.

Leia Também:  Debate sobre ações afirmativas encerra congresso sobre Direito Eleitoral e Democracia

O Teste, que este ano chegou à sexta edição, é um dos marcos do processo de desenvolvimento dos sistemas eleitorais e da urna eletrônica. Ao longo dos anos, a cada edição do teste, os sistemas são aprimorados, dando ainda mais segurança e robustez ao processo eleitoral brasileiro.

Na próxima segunda-feira (29), às 16h, será realizada entrevista coletiva do presidente do TSE, ministro Luis Roberto Barroso, que apresentará e explicará os achados juntamente com o secretário de TI, Júlio Valente. 

Confira mais informações no site do evento.

IC/LG

Fonte: TSE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA