Carros e Motos

Testamos a cera para plásticos que hidrata peças com bom acabamento

Publicados

em


source


A cera é capaz de renovar peças plásticas do carro tanto na parte externa quanta na interna, segundo a fabricante
Divulgação

A cera é capaz de renovar peças plásticas do carro tanto na parte externa quanta na interna, segundo a fabricante

De nada adianta aquela aparência externa do seu carro tinindo de nova e por dentro os acabamentos de plásticos totalmente ressecados e sem vida. O problema aí é que muitos apelam para o popular silicone que pode até hidratar, mas deixa com aspecto gorduroso.

Assim a Prolitec desenvolveu uma Cera Carnaúba Revitalizadora de Plásticos específica para este tipo de material que além de promover uma hidratação completa, consegue remover aquele aspecto esbranquiçado.

Mas se você gosta de brilho nos acabamentos internos , esqueça-o. Ele deixa bem mais próximo ao natural, o que é ideal para a sua segurança, principalmente no tablier do painel, onde o sol em contato com a parte brilhante, pode ofuscar a visão.

Leia Também:  Ducati Streetfighter V4 S chega por R$ 146,9 mil com pré-venda esgotada

A Cera Carnaúba Revitalizadora de Plásticos é vendida em pasta e em duas versões: pote com 120 g e 380 g e já vem com um aplicador de espuma. O seu modo de uso é bem simples: aplique com auxílio de esponja sobre a área limpa e seca com movimento circulares até cobrir totalmente. Espere uns 10 minutos a secagem e depois dê o acabamento com uma toalha de microfibra.

Para testá-lo, resolvemos convocar um Honda Fit  e um Fiat Palio Weekend Adventure cuja parte interna merecia um cuidado especial. Fizemos todo o procedimento e realmente não tem o que falar. O resultado foi satisfatório, principalmente na questão da economia. Com pouca cera na esponja, já é possível obter um bom veredicto do antes e depois.

No caso das partes externas onde, o produto também surpreendeu. Aplicamos na grade que fica sobre o capô, a popular “grade churrasqueira” onde costuma ser mais castigada pelo sol e novamente a aparência de nova voltava a reinar.

Leia Também

Segundo a fabricante, é aconselhável fazer a aplicação a cada 20 dias para preservar o aspecto do plástico e não passar em cima de sujeiras como pó. Outra dica é não molhar a área tratada no período de 24 horas sob o risco de remover o produto.

Leia Também:  Carro elétrico não custará mais barato, apesar da redução do ICMS

Para certificar disso, obedecemos ao tempo e após isso, jogamos água com uma mangueira nas grades externas e o produto não saiu. Comparamos com um silicone em gel e este sim saiu, mesmo depois de ter deixado por algumas horas agindo.

Vendido por R$ 27 a versão de 120 g rende até 46 carros e a de 380 g comercializada por R$ 43,71 , oferece um rendimento para até 150 veículos.

CERA CARNAÚBA REVITALIZADORA DE PLÁSTICOS

PREÇO MÉDIO: R$ 27 (120 g) e 43,71 (380 g)

ONDE COMPRAR:  prolitec.net.br

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

Conheça a história da Rural Willys

Publicados

em


source


A Rural Willys foi um dos primeiros SUVs que apareceram no mercado, primeiro nos EUA, em meados da década de 40
Divulgação

A Rural Willys foi um dos primeiros SUVs que apareceram no mercado, primeiro nos EUA, em meados da década de 40

Nascida logo depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a Willys Overland lançava nos EUA um novo automóvel para uso familiar, denominado de Station Wagon . Feita na mesma plataforma de 104 polegadas do Americar de antes da guerra e com generosas modificações de chassi, ela absolutamente tinha as pretensões de leveza e suavidade de linhas que o Victory Car ou Carro da Vitória.

O clássico da Willys tem estrutura e mecânica do Jeep , porém com uma carroceria não tão robusta quanto os tradicionais Jeep Willys bélicos. O novo carro de grandes dimensões, sendo 4,59 m de comprimento, 1,88 m de altura e 1,84 m de largura, garantia uma característica robusta, mas a sua estabilidade não era das melhores.

Linhas robustas da Rural foram inspiradas no Jeep Willys Militar

Rural Willys era valente e topava qualquer parada. Um SUV raiz, com tração integral e boa distância livre do solo
Divulgação

Rural Willys era valente e topava qualquer parada. Um SUV raiz, com tração integral e boa distância livre do solo

As linhas tradicionais de formas quadrangulares da Rural Willys começaram em 1945, quando foi projetada, graças ao trabalho do projetista de automóveis Brooks Stevens, o mesmo que desenhou o Aero Willys , produzido pela mesma companhia. Fabricado então pela Willys Overland na cidade de Toledo – Ohio, as Rurais foram baseadas no Jeep Willys militar de 1941.

A Willys propôs ao engenheiro Delmar G. Roos, que ficasse com o cargo de principal projetista do Jeep militar, ficando responsável por cuidar do motor e mecânica do novo veículo, e também convidou o jovem designer industrial Brooks Stevens – nascido em 1911 na cidade de Milwaukee no estado de Wisconsin, próximo da indústria automobilística de Detroit – para cuidar da parte estética e funcional.

Leia Também:  Hyundai Creta 2022 quer voltar a ser líder na versão 1.0 Platinum

Com a equipe estruturada, era o início de uma nova etapa no mundo dos utilitários com o lançamento em 1946 da caminhonete Willys Overland Station Wagon , um utilitário de uso misto que era fabricado com carroceria totalmente em aço, algo inovador para a época. Antes da década de 40, por causa do alto preço do aço, as caminhonetes eram montadas com carrocerias de madeira sobre chassi de carros de passeio, sendo conhecidas como ” as Woods ” (madeira, em inglês).

Para baratear o orçamento, a Willys resolveu comprar uma fábrica de geladeira, aproveitando as prensas de estamparia para a lataria do novo projeto da Station Wagon . Um detalhe curioso, segundo fontes de sites especializados, é que as prensas tinham capacidade de repuxo máximo de seis polegadas (15cm) sendo que impossibilitaria o aplique de linhas mais arredondadas na carroceria.

Seu motor era um 6 cilindros em linha movido a gasolina de 2,6 litros , cuja potência máxima era de 90 cv a 4.400 rpm , desempenho modesto, levando em consideração o seu peso de 1.500 Kg na versão 4×2.

Leia Também

Rural Willys fabricado no Brasil

interior da Rural Willys é bem simples, apenas com o essencial, mas bem espaçoso para os ocupantes
Reprodução/Pinterest

interior da Rural Willys é bem simples, apenas com o essencial, mas bem espaçoso para os ocupantes

Em 1952, é fundada a Willys Overland do Brasil. A Willys continuava importando veículos fabricados nos Estados Unidos. Neste mesmo ano, vinham as versões da Rural Willys , com motor de quatro e seis cilindros derivados do motor do Jeep.

Dois anos mais tarde, a fábrica dava início a linha de montagem do veículo na cidade de São Bernardo do Campo – em São Paulo – e em 1956 saíam da linha de montagem os primeiros exemplares da Rural , ainda com motor importado.

Leia Também

Um dos charmes da Rural Willys de 1956, já modelo brasileiro, eram as opções de cores entre a linha de cintura, denominado pelo nome de saia e blusa. Podia-se escolher entre a vermelha e branca, a verde e branca e por último a azul e brana.

Leia Também:  Ducati Streetfighter V4 S chega por R$ 146,9 mil com pré-venda esgotada

Para 1969, a Willys Overland do Brasi l colocou a versão básica e luxo e já no ano seguinte era introduzido o motor do Itamaraty, de 3,0 litros – seis cilindros em linha , como no motor antigo – de 132 cv a 4.400 rpm.

A inauguração da nova fábrica de motores da Willys Overland do Brasil, em 1958, contou com a presença do então presidente Juscelino Kubitschek. Um ano depois, a  Rural Willys ainda possuía a frente da versão americana.

Em 1959, era adotado um motor nacional, fabricado na cidade paulista de Taubaté e logo depois a Rural tinha o índice de nacionalização de 100% de seus componentes, ganhando até uma nova frente que seria mantida até o final da produção, com o estilo do Aero Willys brasileiro.

Além disso, a nova versão tupiniquim vinha com a introdução de novos para-lamas dianteiros, vidros inteiriços na frente e na traseira, substituindo os vidros bi-partidos, além de exclusivas sinaleiras traseiras. Fora o modelo Station Wagon , ainda era lançada a picape Jeep e a Rural com tração 4×2.

Série Luxo

Rural Willys também linha versão de luxo, com calotas cromadas, pintura de dois tons, entre outros itens
Reprodução

Rural Willys também linha versão de luxo, com calotas cromadas, pintura de dois tons, entre outros itens

Em 1970, foi colocada no mercado nacional uma série especial da Rural, chamada de série Luxo , que era diferenciada das outras versões convencionais como o motor Willys 3000 (o mesmo do Ford Maverick ), pneus mais largos, diferenciais com relação mais longa de 4,09:1, espelhos retrovisores nas duas portas

Entre as diferenças também estavam incluídos outros itens, como extremidade dos para-lamas dianteiros com pequenas proteções metálicas, sistema de direção com amortecedor, detalhe das r odas especiais cromadas de maior largura e montados com pneus largos na medida 8.25-15 entre outros itens.

Cinco anos depois vinha um novo motor Ford 2.3, de quatro cilindros,  acoplado a uma caixa de câmbio de quatro marchas com relações mais reduzidas.

Em 1975, ainda foram fabricadas as Rural com o velho motor Willys 6 cilindros BF-161 e também o novo motor Ford OHC 2.300 . Com o novo motor quatro cilindros, a Rural passa a ser montada exclusivamente com o novo câmbio de quatro marchas. Em 1977, era o fim da fabricação da Ford Rural Station Wagon . A versão picape com o nome de F-75 continuava a ser fabricada.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA