Agronegócio

Tereza Cristina lança Plano Safra 2020/2021 e destaca o papel fundamental do agro

Publicados

em


.

Ao lançar o Plano Safra 2020/2021, nesta quarta-feira (17), a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, destacou o papel fundamental da agropecuária para o Brasil e para o mundo, especialmente neste momento de pandemia.

“A agropecuária é uma atividade nobre. Acredito que agora, depois de enfrentarmos essa pandemia, nós, brasileiros, saberemos valorizar mais quem está no campo e faz chegar à nossa mesa comida farta e de qualidade”, disse.

A ministra explicou que o Plano Safra é focado nos pequenos e médios produtores, que são os que mais precisam do suporte do Governo Federal. Ela também observou que a agropecuária cresceu 1,9% no primeiro trimestre de 2020, enquanto outros setores sofreram retração. Além de abastecer o mercado interno, o agro exportou 17,5% a mais em relação ao mesmo período de 2019.

“Esse cenário nos dá a convicção de que a agropecuária brasileira será um dos principais motores da retomada econômica após a Covid-19, que impôs uma situação dramática, nunca vista, em esfera global. Precisamos de esperança e otimismo para superarmos tudo isso e é nesse espírito que lançamos hoje o Plano Safra 2020-2021”, avaliou.

Confira o discurso da ministra Tereza Cristina:

 

Presidente Jair Bolsonaro, colegas de governo, do Congresso, do agro, equipe do Mapa, meus queridos amigos e amigas, 

 

Muito boa tarde a todos,

 

Este é sempre um dia muito especial para nós, o dia em que todos os anos nos reunimos para lançar o Plano Safra. Neste momento desafiador, pelo qual ainda passam o Brasil e o mundo, se torna ainda mais importante garantir a nossa próxima colheita, para que continuemos a bater recorde de produção de alimentos. 

Em meio a tantas adversidades, temos de agradecer por conseguir manter a oferta de alimentos, em quantidade e qualidade, nas Ceasas, supermercados e feiras. Graças ao trabalho do agro, setor que sempre contou com o apoio total do presidente Jair Bolsonaro, e das áreas de transporte e logística, ministro Tarcísio, mantivemos o abastecimento em todo o país e honramos os compromissos com nossos parceiros comerciais. 

Eu não me canso de dizer, e vou repetir hoje, que a agropecuária é uma atividade nobre. Acredito que agora, depois de enfrentarmos essa pandemia, nós, brasileiros, saberemos valorizar mais quem está no campo e faz chegar à nossa mesa comida farta e de qualidade. 

Semear, plantar, cuidar, esperar florescer e enfim colher os frutos da terra é e sempre será algo essencial e belo. Uma atividade totalmente ligada à natureza só pode ter como caminho a busca da sustentabilidade. O incentivo à produção sustentável tem destaque neste Plano Safra, que vem com mais recursos e melhores condições de financiamento, a juros mais baixos. 

Mais uma vez focado nos pequenos e médios produtores, que são os que mais precisam do suporte do governo federal, o Plano Safra 2020-2021 contará com R$ 236,3 bilhões, um aumento de R$ 13,5 bilhões em relação a 2019-2020.

Desse total, R$ 179,4 bilhões são para custeio e comercialização. E R$ 57 bilhões para investimentos nas diversas setores produtivos. São valores que foram corrigidos muito acima da inflação do período.

Destaco que 65% do crédito rural serão aplicados a taxas de juros controladas. Os pequenos produtores rurais terão R$ 33 bilhões para financiamento do Pronaf e os médios produtores rurais R$ 33,1 bilhões, por meio do Pronamp.

Para os produtores da agricultura familiar, os juros serão de 2,75% e 4,0% ao ano, os menores do Plano Safra.  Como prometido, graças ao sucesso observado desde o ano passado, ampliamos para R$1,3 bilhão a subvenção ao prêmio do seguro rural, um acréscimo de 30% no valor.

Destacamos ainda que o Plano Safra 2020/21 mantém recursos – R$ 500 milhões – para o também bem-sucedido programa de construção e reforma de casas rurais.

Os investimentos cresceram em média 29% em inovação tecnológica, armazenagem, irrigação, agricultura e pecuária de baixa emissão de carbono.

O Plano Safra fortalece ainda a pesca comercial, financiando aquisição de equipamentos e infraestrutura, o armazenamento e o transporte de pescado.

O esforço do governo Jair Bolsonaro para viabilizar esse Plano Safra é um reconhecimento às conquistas e ao potencial do setor que está pronto para contribuir para a retomada econômica. Destacamos as boas previsões para este ano:  um aumento da área plantada e a colheita de safra recorde de grãos, estimada em 250,5 milhões de toneladas (3,5% superior à safra anterior). É importante frisar ainda que a contratação de crédito rural na safra passada foi a maior já verificada, somando R$ 207 bilhões.

Observamos que, no primeiro trimestre de 2020, enquanto outros setores sofreram retração, a agropecuária cresceu 1,9%. Além de abastecer o mercado interno, o agro exportou 17,5% a mais em relação ao mesmo período de 2019, gerando ganhos para a balança comercial e preservando empregos e renda para os brasileiros.

Esse cenário, presidente, nos dá a convicção de que a agropecuária brasileira será um dos principais motores da retomada econômica após a Covid-19, que impôs uma situação dramática, nunca vista, em esfera global. Precisamos de esperança e otimismo para superarmos tudo isso e é nesse espírito que lançamos hoje o Plano Safra 2020-2021.

Como no ano passado, devo agradecimentos a muita gente! Em especial, ao ministro Paulo Guedes, ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e ao presidente do BNDES, Gustavo Montezano. Gostaria de agradecer muitíssimo ao presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, pelo apoio e parceria. O BB desembolsou na safra que estamos encerrando R$ 90 bilhões em crédito para produtores, cooperativas e empresas do agronegócio.Meu agradecimento se estende a toda equipe econômica, sempre disposta a ouvir o Ministério da Agricultura.

Quero fazer também um agradecimento à equipe do ministério, em especial ao Secretário de Política Agrícola Eduardo Sampaio, pelo esforço na construção deste Plano Safra. E muito obrigada, presidente, por ser, desde a primeira hora, um parceiro do agro. Sem o seu apoio e de todo o governo, não alcançaríamos esses bons resultados.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Mapa suspende comercialização de mais de 2 mil toneladas de sementes ilegais
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Nova feira no Gilberto Machado, em Cachoeiro, terá produtos orgânicos

Publicados

em

Foto: imagem ilustrativa
Cachoeiro terá mais uma feira de produtos do campo. Organizada pela Secretaria Municipal de Agricultura e Interior (Semai), ela será realizada no bairro Gilberto Machado, na avenida Cristiano Dias Lopes, sempre aos sábados, às 7h, com início no próximo dia 5.
Com nove produtores rurais do município, a feira terá como diferencial a comercialização de produtos orgânicos, como: alface, taioba, jiló, goiaba, banana, palmito, couve e outras hortaliças.
Também serão vendidos ovos caipiras e produtos agroindustriais, como queijo, linguiça, pó de café, pães, bolos e biscoitos.
Para o funcionamento durante a pandemia, serão adotadas as mesmas medidas preventivas aplicadas nas feiras livres da agricultura familiar liberadas para funcionar, que são as dos bairros Independência (às quartas-feiras, das 6h às 10h) e Nova Brasília (aos sábados, das 6h às 10h).
Os feirantes e consumidores terão de usar máscara, e álcool em gel deverá ser disponibilizado nas barracas, para higienização das mãos. Além disso, as barracas ficarão a uma distância de 1,5 metro umas das outras e o atendimento aos clientes será feito em fila, com até duas pessoas por barraca.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Registro de pescador amador já pode ser solicitado pela internet
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA