Segurança

Suspeito investigado na Operação Pianjú é detido em operação conjunta realizada em Pinheiros

Publicados

em


Um homem de 66 anos foi detido, nessa terça-feira (12), por organização criminosa e lavagem de dinheiro, no bairro Jundiá, em Pinheiros, na região norte do Estado. A prisão foi realizada pela equipe da Delegacia de Polícia de Pinheiros, em conjunto com policiais do serviço de inteligência da Polícia Militar, sob coordenação da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o chefe da DFRV, delegado João Paulo Pinto, após levantamentos foi possível identificar que o detido possui 10 carteiras de identidade falsas. “Esses RGs possuíam falsidade ideológica apenas em relação aos dados, pois os documentos eram materialmente verdadeiros, tendo sido emitidos pela Polícia”, disse.

Ainda de acordo com o delegado-chefe da DFRV, o suspeito por meio de uma empresa fictícia, que era registrada em seu nome, teria movimentado mais de R$ 7 milhões.

Segundo o titular da DP de Pinheiros, delegado Leonardo Ávila, o suspeito foi detido em sua residência e não resistiu à prisão. “O detido é integrante de uma organização criminosa especializada na lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e diversos outros crimes”, afirmou.

“O suspeito utilizou quatro nomes diferentes, dos quais foram expedidos os mandados de prisão cumpridos nessa terça-feira. No momento da prisão, ao apresentar os mandados, o detido afirmou ter utilizado tais nomes para cometer diversos crimes, dentre eles, o de lavagem de dinheiro e falsificação de documentos oficias”, relatou Ávila.

A prisão faz parte da Operação Pianjú, realizada pela Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), do Departamento Especializado de Investigações Criminais (Deic) e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES).

Leia Também:  Suspeito de descumprir medida protetiva e de ameaça é detido em Vila Velha

O suspeito foi encaminhado para a sede da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) e, após os procedimentos de praxe, foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana.

Operação Pianjú

 

Em dezembro do ano passado, a megaoperação denominada “Operação Pianjú” desarticulou uma organização criminosa, com atuação interestadual e internacional. Ao todo, no dia da operação, dez empresários foram detidos, sendo quatro no Espírito Santo, cinco em São Paulo e um no Ceará.

A operação ocorreu de forma simultânea em quatro estados. No Espírito Santo, a operação ocorreu nos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica. Em São Paulo, decorreu na Capital, em Santos e em Jaguariúna; no Ceará, aconteceu em Fortaleza; e em Alagoas, a ação foi em Maceió.

Investigações

 

A operação Piànjù é fruto de uma investigação que perdurou dois anos e denotou uma célula de uma organização criminosa que atuava no Espírito Santo. Essa associação era composta por dois grandes empresários capixabas e diversos outros membros, que agiam como “prestadoras de serviços” de lavagem de capitais para outras organizações criminosas.

O grupo criminoso desarticulado atuava de forma estruturada com a finalidade de praticar diversos crimes, entre eles: organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos públicos e particulares, inserção de dados falsos em sistemas informatizados, falsidade ideológica, estelionato e falsa comunicação de crime.

O esquema criminoso foi descoberto a partir de um falso comunicado de roubo de um caminhão. “Descobrimos que ele não existia fisicamente e que só constava no banco de dados do Detran e do Renavan. Esses caminhões ‘fantasmas’ serviam de patrimônio para essas empresas para que elas pudessem fazer o envio de dinheiro para a China e para os Estados Unidos”, apontou o titular da DFRV, delegado João Paulo Pinto.

Leia Também:  Polícia Civil prende dono de ferro-velho que receptava de fios de cobre

“Na primeira fase da investigação identificamos que o dinheiro era enviado por determinadas empresas envolvidas em outros crimes, mas queremos saber se esses recursos pertenciam às companhias do Espírito Santo e de quais atividades eles eram fruto. Sabemos que os empresários daqui ficavam com uma parte do dinheiro e o resto mandavam para fora. Eles pagavam os impostos para fugir das fiscalizações dos órgãos de controle”, explicou o delegado.

Investigados na Operação Lava Jato

 

Durante a investigação, comprovou-se que a organização criminosa tinha ligação com empresas e pessoas investigadas e denunciadas no âmbito de diversas fases da Operação Lava Jato, realizadas pela da Polícia Federal e Ministério Público Federal. Entre elas, a Operação Chorume, a Operação Descarte, bem como empresas que já foram investigadas por atuarem com os doleiros Alberto Youssef e Nelma Kodama, todos no âmbito da força tarefa da Operação Lava Jato.

Uma das empresas é investigada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, por desvios de mais de R$ 98 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tendo esta Organização Criminosa, sediada no Estado do Espírito Santo, movimentado mais de R$ 800 milhões, valor global.

Texto: Olga Samara

Assessoria de Comunicação Polícia Civil
Comunicação Interna – (27) 3137-9024
[email protected]

Atendimento à Imprensa

Olga Samara/ Camila Ferreira

(27) 3636-1536/ (27) 99846-1111/

(27) 3636-9928 / (27) 99297-8693
[email protected]

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Polícia Ambiental prende dois homens e apreende cinco armas em unidade de conservação no Sul do estado

Publicados

em


A ação foi fruto de intenso patrulhamento em toda a extensão da localidade, que possui um acesso bastante difícil, por ser muito íngreme e com estradas não pavimentadas, algumas sendo impossíveis de transitar até mesmo com veículos automotores tracionados, demandando o patrulhamento a pé.

Durante a incursão, os policiais chegaram até um casarão antigo que, segundo levantamento realizado, serve de abrigo aos caçadores que atuam naquela região. Nesse casarão estavam dois homens portando uma espingarda. Ao serem abordados, eles negaram que praticavam caça na região, mas diante dos indícios e do estado flagrancial, por não possuírem porte e nem registro da arma, foi feita uma busca minuciosa no local.

Nessa busca foram encontradas mais quatro espingardas, armamento típico para a prática da caça de animais silvestres, nove munições calibre 32, 12 munições calibre 36, dois dispositivos conhecidos como “canhões” bem como recipientes contendo pólvora e espoletas, além de facões, blusas camufladas, lanternas e outros petrechos comumente utilizados por caçadores.

Em um dos cômodos da casa os policiais encontraram quatro cães da raça Beagle, comumente utilizados por caçadores, que estavam presos e sem alimentação, embora houvesse água disponível. Ao ser aberta a porta, os animais imediatamente buscaram a alimentação disponível no espaço, demonstrando que estavam famintos no momento.

Leia Também:  Adolescente é apreendido entregando drogas em Vila Velha

Os homens presos em flagrante foram conduzidos ao plantão do DPJ de Cachoeiro de Itapemirim onde foram entregues à autoridade policial juntamente com seus pertences em razão dos crimes de porte ilegal de arma, maus tratos a animais silvestres e violação de unidade de conservação. Os animais recolhidos foram encaminhados para o Centro de Controle de Zoonoses para receberem os devidos cuidados veterinários.

De acordo com o comandante da 4ª Companhia, capitão Reinaldo Faria “Embora tenham negado a prática de caça na região e não houvesse animais abatidos, todos os indícios nos levam à conclusão de que se tratam de caçadores que atuam naquela área, que é típica para a ocorrência desse crime, por ser uma região ainda preservada de Mata Atlântica”.

O oficial ressaltou que “embora ainda persista por parte de alguns a ideia de que a caça faz parte da cultura popular no Brasil, essa prática não faz mais sentido nos dias de hoje, diante do acesso muito mais fácil a fontes de proteína e a necessidade que temos de preservar o remanescente da nossa flora e fauna, tão importantes para nós, como todos sabem”.

Leia Também:  Polícia Civil prende dono de ferro-velho que receptava de fios de cobre

Fique sabendo

O Monumento Natural Serra das Torres é a maior unidade de conservação da categoria proteção integral criada pelo Estado do Espírito Santo, abrangendo áreas dos municípios de Atílio Vivácqua, Mimoso do Sul e Muqui. Por ser uma região ainda muito preservada, abriga muitos animais silvestres apreciados e perseguidos por caçadores.

Por esta razão o BPMA através da 4ª Companhia, vem atuando incansavelmente para localizar e prender criminosos atuantes na região, trabalhando preventiva e repressivamente para garantir a proteção do meio ambiente e da vida.

Informações à Imprensa:

Diretoria de Comunicação Social PMES:
CORONEL JOSÉ AUGUSTO PICCOLI DE ALMEIDA
Tels. (27) 3636-8717 / 3636-8718
E-mail: [email protected]

Subseção de Jornalismo PMES:
Tel. (27) 3636-8715
E-mail: [email protected]

Fonte: PM ES

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA