Política Nacional

Suspeita de plágio em dissertação de ministro da Educação será apurada, diz FGV

Publicados

em


source
Carlos Alberto Decotelli falando ao microfone em sua cerimônia de posse no FNDE
Luís Fortes/MEC

Carlos Alberto Decotelli em sua cerimônia de posse no FNDE

A Fundação Getulio Vargas (FGV) informou por meio de nota neste sábado (27) que vai apurar as  suspeitas de plágio em uma dissertação de mestrado do recém-empossado ministro da Educação, o professor Carlos Alberto Decotelli, de 2008. O apontamento da cópia foi feito em publicação no Twitter pelo economista Thomas Conti.

Segundo Conti, o ministro citou trechos na dissertação idênticos a um relatório do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) para a Comissão de Valores Imobiliários (CVM).

“A Fundação Getúlio Vargas vai apurar os fatos referentes à denúncia de plágio na dissertação do Ministro Carlos Alberto Decotelli. A FGV está localizando o professor orientador da dissertação para que ele possa prestar informações acerca do assunto”, informou a instituição de ensino.

Leia Também:  Weintraub deseja sorte a Feder antes dele aceitar cargo de ministro oficialmente

No Twitter, Conti escreveu que “para quem não tem familiaridade com o mundo acadêmico, […] não se copia e cola trechos escritos por outra pessoa sem deixar claro que é uma citação e de onde vem a citação. Ainda mais em trechos longos assim” ao criticar o ato de Decotelli.

Apesar de ter sido nomeado para o Ministério da Educação há menos de uma semana, essa é a segunda vez que Decotelli gera polêmica por conta de sua vida acadêmica. Isso porque seu título de doutor também está sob questionamentos. 

Em outro tuíte,  o reitor da Universidade Nacional de Rosário, Franco Bartolacci, disse que Decotelli não concluiu o curso de doutorado que ele diz ter. 

Inicialmente, o ministro negou a declaração de Bartolacci e chegou a mostrar certificado de conclusão das disciplinas do doutorado. “É verdade. Pergunte lá para o reitor”, disse Decoletti ao jornal O Estado de São Paulo.

Ao final do dia desta sexta-feira (26), no entanto, Decotelli,  atualizou o seu currículo na plataforma Lattes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ele passou a declarar que teve “créditos concluídos” no curso de doutorado, em 2009. Outra mudança que ele foi no campo relacionado ao orientador, no qual ele assinalou “Sem defesa de tese”. 

Leia Também:  Lava Jato: Moro critica Aras e teme mudanças na operação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Maia diz que plataformas querem evitar lei das fake news

Publicados

em


source
Rodrigo Maia
Reprodução

Rodrigo Maia disse ainda que votação do projeto de lei é uma de suas prioridades.

O presidente da Câmara dos Deputados,  Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse neste sábado (4) que as plataformas digitais não querem debater a  lei das fake news por dependerem do “radicalismo”. Maia defendeu ainda que o projeto seja votado na Casa.

Maia disse que todos devem ser responsabilizados por seus atos. “As plataformas digitais não querem esse debate. Elas vivem exatamente desse radicalismo. Um telejornal bota a notícia que quiser e vai responder por ela, qualquer um de nós responde por nossos atos”, afirmou o presidente da Câmara, que completou:

“As plataformas, por onde passam milhões de informações que viralizam, ninguém quer ter responsabilidade”.

Leia Também:  Eduardo Bolsonaro posta ultrassom da filha e brinca: "já tenta fazer arminha"

Maia disse ainda que o Legislativo precisa aprovar um texto que torne possível a identificação e a punição de financiadores e organizadores de estruturas de disseminação de fake news. O senado aprovou a PL das fake news na última terça-feira (30). Agora, a Câmara irá debater o tema, que, segundo o presidente da casa, está entre as suas prioridades.

Em contra partida, aliados do presidente Jair Bolsonaro estão lançando uma ofensiva contra o texto do projeto de lei.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA