Agronegócio

Sistema Faepa Senar vai auxiliar na formação de arranjo produtivo local em Cabaceiras

Publicados

em


Mário Borba, presidente do Sistema Faepa/Senar-PB, ao centro em pé

O Sistema Faepa Senar Paraíba vai apoiar o desenvolvimento de um novo arranjo produtivo local na cidade de Cabaceiras, no Cariri. De acordo com o presidente Mário Borba, a principal contribuição será com oferta de assistência técnica e gerencial para os produtores que integram o projeto Agronordeste na região, ainda com a possibilidade de ampliação do atendimento a novos agricultores e pecuaristas.

A afirmação aconteceu numa reunião promovida esta semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na cidade. Borba estava acompanhado pelo superintendente do Senar Paraíba, Sérgio Martins.

O objetivo foi o de fortalecer a cadeia produtiva da caprinovinocultura na região. Duas medidas práticas foram apresentadas e aprovadas pelos participantes: 1) a reativação de um abatedouro de caprinos e ovinos em Cabaceiras e 2) a criação da cooperativa Inovagro, que entre outras atividades, vai coordenar o equipamento.

“Nós estamos muito felizes com essa iniciativa e acreditamos que o momento é de otimismo. Temos percebido que a Assistência Técnica e Gerencial do Senar tem dado um novo ânimo aos produtores da região, além de aumentar a renda e a produtividade. Por isso, nos comprometemos a manter esse trabalho aqui”, afirmou Borba.

Leia Também:  Projeto avalia combinação de técnicas para o controle da erosão no Centro-Sul

O encontro reuniu diversas entidades ligadas ao Agronordeste. Além do próprio Mapa e do Sistema Faepa Senar, estiveram presentes representantes do Sisitema OCB/Sescoop, SFA-PB, UFPB, UFCG, Arteza, Capribov, prefeituras de Cabaceiras, Gurjão e São João do Cariri, assim como secretários de agricultura de diversos outros municípios da região.

Assessoria de Comunicação Sistema Faepa/Senar-PB
(83) 3048-6050 / (83) 3048-6073
facebook.com/faepasenarpb
instagram.com/faepasenarpb
twitter.com/faepasenarpb
youtube.com/faepasenarpb
senarpb.com.br

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Sindicato abre as portas do conhecimento para jovem do Norte do Estado

Publicados

em


Muitas vezes, o produtor rural desconhece as oportunidades que se abrem quando ele entra no sindicato rural. Além da representatividade, as entidades proporcionam acesso aos cursos gratuitos do SENAR-PR. Foi o caso de José Flavio Firmani, aluno do curso de Agronomia na Universidade Estadual de Londrina (UEL) que, com apenas 20 anos, já tem diversos cursos no currículo. Na última safra de verão, ele fez as capacitações “Manejo Integrado de Pragas (MIP) – inspetor de campo Soja” e “Manejo Integrado de Pragas (MIP) – Milho”.

O convite partiu do Sindicato Rural de Alvorada do Sul e transformou a maneira do estudante ver as lavouras. “Eu conhecia os princípios [do MIP], mas não tinha visto na faculdade. O curso mudou minha visão da agronomia. Principalmente ganhei segurança para identificar os insetos e cruzar com o estágio em que a lavoura se encontra para saber qual decisão tomar”, afirma. Vale lembrar que o MIP ensina que os inimigos das pragas que causam dano econômico à produção estão presentes na própria lavoura. Ou seja, insetos, aracnídeos e outros organismos combatem as pragas que prejudicam o desempenho das plantas. Ao monitorar corretamente a lavoura, o produtor pode tomar decisões em relação à aplicação de agroquímicos de forma embasada, de acordo com a realidade da plantação.

Leia Também:  Mulheres mostram cada vez mais seu protagonismo com o curso de pedreiro do SENAR-SP

Segundo a técnica do Departamento Técnico (Detec) do Sistema FAEP/SENAR-PR e responsável pelos cursos de MIP, Flaviane Medeiros, as áreas conduzidas com MIP são monitoradas. De acordo com este acompanhamento, na safra 2019/20 as lavouras conduzidas com MIP fizeram, em média, 1,4 aplicação, enquanto que nas demais a média foi de quatro aplicações. “Além de ter uma lavoura mais equilibrada e mais saudável, com o MIP o produtor tem economia no custo de produção. Essa diferença vem se comprovando ano após ano com um número menor de aplicações nas áreas conduzidas com essa técnica”, avalia Flaviane.

No talhão conduzido pelo jovem Firmani, essa história se repetiu. “No ano passado, quando fiz o curso, economizamos duas aplicações. Na área conduzida com o MIP só uma aplicação, enquanto no restante, três”, afirma.

Por enquanto, o MIP ficou restrito à área utilizada no curso (cinco hectares). Mas com os bons resultados obtidos, a ideia de Firmani é sensibilizar a família para adotar a técnica de manejo no restante da lavoura. “Por enquanto só dou pitaco nas decisões. Minha família é bem aberta, mas gosta de primeiro ver o resultado para depois adotar”, esclarece o jovem, que depois dos cursos de MIP, voltou ao sindicato para fazer outras formações do SENAR-PR.

Leia Também:  Setor agropecuário aumenta participação no PIB brasileiro
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA