Notícias em Geral

Seca encolhe safra, e café conilon fica mais caro

Publicado em

Com pouca oferta e grande procura, conilon já custa mais que o arábica

Por | 00.00.

 

Dos 100 mil pés de café conilon de uma propriedade rural em São Gabriel da Palha, no Noroeste do Estado, 30 mil morreram por causa da seca. A produtora rural Fabrícia Colombi só conseguiu colher 680 sacas, quantidade bem abaixo do esperado.

“Em 2014 foram 1,2 mil sacas e em 2016 só colhi 680 sacas. E isso ainda só foi possível porque renovei alguns pés de café há três anos”, comenta a produtora.

 

 

Com a estimativa de uma colheita ainda pior no próximo ano, a solução para a produtora foi antecipar a poda programada. Ela cortou de duas a três hastes do pé de café para antecipar a brotação e conseguir ter café em 2018.

Foto: Raquel Lopes
Leia Também:  Fevereiro de chuva e calor no Espírito Santo

Segundo o engenheiro agrônomo e gerente de Agroecologia e Produção Vegetal da Secretaria de Estado de Agricultura (Seag), Aureliano Nogueira da Costa, a diminuição na produção por causa da seca e a grande demanda explicam o aumento do preço do café conilon, que chegou a ultrapassar o valor do café arábica tipo 7 e tipo 8.

O café arábica tipo 7 fechou o mês de agosto em R$ 400 a saca. Já o conilon chegou a custar R$ 417 a saca. Apenas o café arábica tipo 6 se manteve com preço acima do valor do conilon.

“O Estado é o maior produtor de café conilon, qualquer alteração na safra altera o mercado. Já no caso do café arábica, mesmo tendo queda, não há alteração no valor, porque o Espírito Santo é o quinto maior produtor do país ”, explica Costa.

Ele afirma que o conilon é usado como blend de bebidas especiais, o que aumenta muito a demanda. “Essa grande demanda e a oferta pequena influenciam no valor do café”, acrescenta.

SECA

Costa afirma que a seca atingiu especialmente as lavouras de café conilon que são, em sua grande maioria, irrigadas e estão localizadas principalmente nas regiões que mais sofrem com a crise hídrica – Norte e Noroeste do Estado.“Tinha lavoura para produzir, mas a falta expressiva de água afetou o crescimento da planta, a florada e produção de grãos. Além disso, os grãos produzidos foram com qualidade inferior”, explica.

Por causa da seca, a expectativa é que não haja crescimento para o próximo ano. “Se repetir a colheita deste ano, já é satisfatório”, diz.

Leia Também:  Susto: Ônibus transportando crianças sai da estrada em Brejetuba

Produtores acumulam prejuízos

No ano passado, a Cooperativa Agrária de Cafeicultores de São Gabriel (Cooabriel) recebeu 943 mil sacas de café. Mas este ano, o número chegou a 570 mil sacas. Apesar da redução, houve um aumento de cooperados. Foram mais 250 sócios este ano, dos mais de 5 mil existentes.

Segundo o presidente da Cooabriel, Antônio Joaquim Neto, na região ninguém colheu muito café. “Os blends que vão ser produzidos precisam do nosso café, e a gente não tem muito para vender. Vamos vender de acordo com a possibilidade e a autorização do nosso sócio”, comenta.

O preço do café subiu, mas os prejuízos dos produtores também aumentaram. Por isso, o presidente da Cooabriel e políticos do Estado estiveram em Brasília para pedir a prorrogação da dívida dos produtores. “Depende agora do Conselho Monetário Nacional, mas eu acho que os ministros irão convencê-los para que o prazo seja prorrogado”, comenta Neto.

De acordo com a produtora rural Fabrícia Colombo, será preciso a ajuda do governo e de autoridades competentes para ajudar os produtores. “Se a seca prolongar, não há perspectiva de colheita. Trabalhamos o ano inteiro para pagar adubo, taxa de juros e defensivo não sobrou quase nada da produção de 2016”, lamenta.


Fonte: A Gazeta

 

 

COMENTE ABAIXO:

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias em Geral

Procon do ES divulga balanço e telefonia lidera reclamações

Published

on

By

Proteção e Defesa do Consumidor

As principais demandas estão relacionadas a cobrança indevida e descumprimento de contratos.

Por | 06.02.2020

 

Em 2019, a telefonia móvel liderou o ranking de atendimentos no Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES). No mesmo período de 2018, bancos foram o assunto mais demandado. As principais demandas estão relacionadas a cobrança indevida e descumprimento de contratos.

No último ano, 52.204 atendimentos foram realizados pelo Procon-ES. Desse total, mais de 5 mil atendimentos estão relacionados à telefonia móvel. Ocupa a primeira posição do ranking a telefonia móvel, seguida das financeiras, bancos, energia elétrica, telefonia fixa, cartão de crédito, aparelho de telefone, água e esgoto, TV por assinatura e, em décimo lugar, móveis.

Os segmentos que lideraram os atendimentos foram, com 19.961 registros, os assuntos financeiros; seguido por serviços essenciais, com 13.572 queixas; produtos (7.518); serviços privados (4.962); saúde (906); habitação (211) e alimentos (200).

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, ressaltou que diferentemente do ranking de atendimento dos últimos anos, que foram liderados por bancos e empresas de cartão de crédito, a telefonia móvel ocupou a primeira posição em 2019.

“Cobrança indevida, incluindo lançamentos de serviços não solicitados na fatura e a mudança unilateral nos contratos com reajuste no valor do serviço são as queixas dos consumidores quando se trata de telecomunicação”, disse.

Leia Também:  Colecionador doa 2 mil insetos ao Museu Nacional do Rio

Para evitar problemas, o consumidor deve ter atenção redobrada antes da contratação de serviços. “É preciso ler atentamente o contrato, tirar todas as dúvidas e só assiná-lo se estiver de pleno acordo com as cláusulas estabelecidas. É preciso sempre conferir os lançamentos cobrados nas faturas. Em caso de dúvidas, procurar o Procon”, afirmou Athayde.

Negociação de dívidas

Rogério Athayde ressaltou ainda que grande parte das demandas de bancos, operadoras de cartões e financeiras estão relacionadas a cobrança indevida e a negociação de dívidas. “No ano de 2019, realizamos 5.261 atendimentos no setor de cálculo e negociação de dívidas do Procon-ES”.

Os atendimentos do setor são realizados de segunda a sexta-feira, das 9 às 16 horas, presencialmente na sede do Procon-ES, localizada na Avenida Princesa Isabel, 599, Ed. Março, 9º andar, Centro, Vitória. Também disponibilizamos o mesmo atendimento na unidade localizada no Faça Fácil Cariacica.

Fornecedores

Em relação aos fornecedores mais demandados no Procon-ES em 2019, em primeiro lugar no ranking, está a Vivo, em segundo aparece a concessionária de energia elétrica EDP, seguida do Banco BMG, Telemar, Banco Bradesco, Caixa Econômica Federal, Dacasa Financeira, Banco Itaú, Claro e, em décimo lugar, aparece a Oi Móvel.

Leia Também:  Fevereiro de chuva e calor no Espírito Santo

“A maioria dos atendimentos realizados pelo Procon-ES é solucionado de maneira preliminar, ou seja, sem necessidade de abertura de processo e realização de audiências. Esse número demonstra o alto índice de resolução das demandas que chegam ao órgão e a rapidez com a qual os problemas dos consumidores são solucionados”, informou o diretor Rogério Athayde.

Reclamação

Os consumidores poderão registrar suas reclamações pelo aplicativo Procon-ES (disponível para Android) ou pessoalmente, na sede do Procon Estadual, na Avenida Princesa Isabel, 599, Ed. Março, 9º andar, das 9h às 17 horas, de segunda a sexta. Os consumidores podem procurar ainda a Unidade Faça Fácil, em Cariacica, que atende também aos sábados, até às 13 horas.

Existe também uma plataforma online, do Ministério da Justiça, para o registro de reclamações. Por meio do site www.consumidor.gov.br é possível registrar queixas e solucionar os problemas de consumo diretamente com as empresas em até dez dias.

Para atendimento é preciso que o consumidor tenha disponível o RG (Carteira de Identidade), CPF, além de documentos que possam comprovar a reclamação, como faturas, comprovante de pagamento, contrato, entre outros.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA