Tecnologia

Samsung lança Galaxy A31 com quatro câmeras e bateria poderosa; confira

Publicados

em


source

Olhar Digital

Galaxy A31 arrow-options
Divulgação

Galaxy A31 é lançado com quatro câmeras traseiras e várias opções de cores


A Samsung anunciou oficialmente seu smartphone Galaxy A31 , um aparelho com tela Super AMOLED e câmera quádrupla . Em suma, este smartphone é o herdeiro do Galaxy A30 e do Galaxy A30s , que foram lançados no Brasil no ano passado.

Ele também tem bateria de 5000 mAh (com carregamento rápido de 15 watts) que promete oferecer uma ótima duração. O Galaxy A31 tem duas versões, uma com 4 GB de RAM e 64 GB de capacidade, e outra com 6 GB e 128 GB, além de um slot para cartões microSD de até 512 GB.

Leia também: Se tornou banco! App Samsung Pay passa a ter conta digital

A câmera principal tem 48 megapixels com abertura F/2.0, e vem acompanhada por uma ultra-wide de 8 megapixels (F/2.2), um sensor de profundidade e uma macro , ambos com 5 megapixels e abertura F/2.4.

A tela Super AMOLED de 6,4 polegadas tem resolução FHD+ e sensor de impressões digitais integrado. A câmera frontal  fica em um notch na parte superior da tela, e conta com 20 megapixels de resolução. O aparelho tem 8,6 mm de espessura e pesa 185 gramas.

Leia Também:  PlayStation 5 pode responder a batimentos cardíacos e suor dos jogadores

Leia também: Galaxy Buds Plus chegam ao Brasil com 11h de autonomia; veja o preço

O smartphone roda a One UI 2.0 ( Android 10 ), e tem suporte ao Samsung Pay . Ele também conta com uma entrada para plug de fones de ouvido de 3,5 mm.

O smartphone terá versões em azul, branco, vermelho e preto, mas o preço ainda não foi informado pela Samsung .

O processador do novo smartphone não foi especificado pela empresa, mas acredita-se que é Helio P65 da MediaTek , o mesmo octa-core do Galaxy A41 .

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Ensino à distância: plataformas e instituições ajudam professores

Publicados

em


source

Agência Brasil

plataformas arrow-options
Divulgação/Allisson Roberto

Plataformas online ajudam no ensino


Com a pandemia do novo coronavírus e a impossibilidade de reunir diversos alunos em salas de aula, algumas instituições de ensino optaram por manter suas atividades de forma remota.

Mas, como nem todas elas estavam preparadas para a chamada  educação à distância , diversas plataformas digitais vêm disponibilizando ferramentas e firmando parcerias para o emprego deste tipo de recurso.

O Facebook e a ONG Nova Escola atuarão em conjunto em um curso voltado a professores visando capacitá-los no uso de ferramentas que podem ser adotadas para possibilitar aulas e atividades de aprendizagem. Além de redes sociais da empresa, como o próprio Facebook e o WhatsApp , serão repassadas explicações sobre outras aplicações, como Youtube , Google Meeting e Zoom .

Leia também: Coronavírus fecha escolas: como o Google pode ajudar no ensino à distância?

“Teremos lives [vídeos ao vivo pelo Facebook] semanais explicando as ferramentas e entrevistas com professores que tiveram experiências com ferramentas. Além disso, queremos criar rede de apoio entre os professores”, explica a gerente de políticas públicas do Facebook, Andrea Leal.

A gerente pedagógica da Nova Escola, Ana Lígia, explicou que nestes cursos haverá a participação de mediadores. “A gente vai ter experiências de pessoas que já utilizam tecnologia. Premissa de que nossos cursos sejam voltados para a prática, soluções de professores para professores”, disse.

Leia Também:  Inteligência artificial e segurança: entenda porque dados devem ser protegidos

As aulas serão transmitidas às quintas-feiras no Facebook  pelo  perfil da ONG Nova Escola . Os vídeos ficarão gravados e poderão ser acessados a qualquer momento por professores. Também serão disponibilizados planos de aula com sugestões para o uso de recursos tecnológicos .

A Microsoft também disponibilizou programas gratuitamente que podem ser utilizados em atividades educacionais. Um deles é a de gestão de equipes, chamada ” Teams “. Desde 10 de março, algumas funcionalidades antes reservadas aos planos pagos foram colocadas para uso sem pagamento. É o caso da realização e gravação de videoconferências , além do fim do limite de participantes nessas reuniões virtuais.

Leia também: Crianças em casa: Conheça 7 aplicativos educativos para usar no isolamento

Além das ferramentas, a empresa oferece cursos na área de tecnologia sobre assuntos diversos, como inteligência artificial , Internet das Coisas e outras temáticas envolvendo as áreas de atuação da empresa.

Iniciativas do Google

O Google também disponibilizou recursos tecnológicos voltados a facilitar aulas e outras iniciativas educacionais. Uma lista de aplicativos úteis foi criada como sugestão de soluções técnicas de apoio a professores e gestores.

Um  site específico foi criado para reunir programas e conteúdos úteis às pessoas que estão em casa. Entre as informações estão dicas direcionadas a professores e alunos, incluindo seminários transmitidos pela internet , os chamados  webinars .

Leia Também:  Aplicativos podem cobrar até R$ 350 de cliente que sujar carro: entenda a regra

Leia também: Robô ajuda crianças com autismo a desenvolverem habilidades sociais

A suíte de aplicações corporativas da empresa, chamada G Suite , tem uma versão voltada à educação. O grupo também já possuía uma plataforma específica para aulas, o Google Classroom , onde professores podem organizar aulas online .

“Com o avanço da pandemia de covid-19, muitos estudantes, professores, famílias, empreendedores e profissionais passaram a ficar em casa. Neste momento de isolamento, é importante que todos sejam capazes de manter uma rotina conectada, produtiva e saudável”, diz Valdir Leme, chefe de marketing do Google no Brasil.

Facilidades e desafios

O professor universitário do curso de publicidade da instituição de ensino superior IESB Carlos Leonardo é um entusiasta dos métodos de educação a distância . Ele trabalha com esse formato há pelo menos oito anos na faculdade. O docente acredita que nesse ambiente alunos são convidados a participar mais .

Mas nesse cenário em que todos precisam participar das aulas a distância, ele demonstra preocupação com o acesso pelos alunos devido à grande demanda de tráfego para cursar as aulas. “Com meus alunos, o que mais está dificultando é pacote de dados deles. Essa é a sensibilidade deles”, relata.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA