Política Nacional

Salles exonerou servidores após reclamação de Bolsonaro

Publicados

em


source
Ricardo Salles
Carolina Antunes/PR

Ricardo Salles coleciona acusações e polêmicas à frente do ministério.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles , está sendo acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter interferido nas estruturas de fiscalização do  Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Salles teria exonerado fiscais do órgão após reclamações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Um grupo formado por 12 procuradores da República solicitou à Justiça Federal, em caráter de urgência, que Salles seja afastado do cargo . No pedido, os procuradores apresentam um print de uma mensagem exibida pelo presidente durante a crise da tentativa de interferência na Polícia Federal (PF).

Nas mensagens, o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nega que a Força Nacional estaria envolvida na destruição de um maquinário apreendido pelo Ibama em terras indígenas no Pará em operações realizadas entre 4 e 16 de abril. O caso foi veiculado na mídia, o que teria irritado Bolsonaro.

Leia Também:  Hospitalizado, Toffoli pode estar com reação alérgica ao prédio do STF

Insatisfeito com a operação, Bolsonaro reclamou com Salles. O ministro, por sua vez, exonerou Rene Luiz de Oliveira, coordenador-geral de Fiscalização do Ibama e um dos responsáveis pela ação. Em 29 de abril, o coordenador de Operações de Fiscalização, Hugo Ferreira Netto Loss, foi exonerado do cargo.

A ação alega que as exonerações foram feitas pelo ministro para atender às queixas feitas por Bolsonaro. “A irresignação da Presidência motivou que o requerido, Ministro do Meio Ambiente, efetivamente exonerasse toda a cadeia de servidores responsável, no Ibama, pelo planejamento de atividades de fiscalização”, afirma o documento.

O grupo diz ainda que a sequência dos fatos comprova a tentativa de interferência no órgão. “O encadeamento temporal dos eventos – que inclui as ações de comando e controle com destruição de maquinário, sua publicização em rede nacional, a exoneração dos agentes públicos encarregados do planejamento e execução das ações e o inconformismo do Presidente, confirmando posição que ele já havia externado anteriormente – comprovam bem tal circunstância”, afirmam.

Os procuradores dizem ainda que a exoneração dos servidores foi um ato “contrário ao interesse público”.

Leia Também:  Ministro da Jusitça revela que também fez dossiê de bolsonaristas

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Partido Novo denuncia Boulos e Erundina por propaganda antecipada

Publicados

em


source
Boulos e Erundina
reprodução / Twitter

Psol lançou pré-candidatura com Boulos e Erundina em São Paulo

O Partido Novo entrou com uma representação contra a chapa de Guilherme Boulos e Luiza Erundina , do PSOL. A legenda alega propaganda antecipada na pré-campanha à prefeitura de São Paulo para a Justiça Eleitoral.

Um vídeo em que o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto ( MTST ) compartilhou nas redes sociais, Erundina diz: “Nós vamos à luta eleger Boulos prefeito de São Paulo”. Esse trecho, na visão do Novo, seria a propaganda antecipada e configura “pedido explícito de voto”.

“O perigo de dano decorre da necessidade de retirada da propaganda antecipada, uma vez que sua permanência pode ocasionar um desequilíbrio no pleito e atingir a igualdade de oportunidades entre futuros candidatos”, diz o pedido, segundo o portal português Notícias ao Minuto.

Leia Também:  Joice Hasselmann terá que pagar R$ 30 mil a empresário por dano moral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA