Política Nacional

Resposta das Forças Armadas é ‘ação política’, diz Ciro Gomes

Publicado em

source
Alvo de notícia-crime, Ciro reage a ministro da Defesa: 'Vem se notabilizando por tentativas de interferência no processo político'
Reprodução/G1 – 13/06/2022

Alvo de notícia-crime, Ciro reage a ministro da Defesa: ‘Vem se notabilizando por tentativas de interferência no processo político’

O pré-candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, reagiu nesta sexta-feira à notícia-crime contra ele apresentada pelo Ministério da Defesa e pelas Forças Armadas à Procuradoria-Geral da República.

Em nota divulgada hoje, Ciro afirmou ter sido surpreendido com a reação das Forças Armadas e que a iniciativa da Defesa é uma “ação política”. Ele também criticou o ministro da pasta.

Em entrevista à rádio CBN na terça-feira, o pré-candidato do PDT afirmou que Bolsonaro destruiu as bases de comando e controle na Amazônia e que isso transformou a região em uma “holding de crime”.

Ciro também afirmou que o “narcotráfico é claramente protegido por autoridades brasileiras, inclusive as Forças Armadas” e que “não aconteceria se isso não fosse verdadeiro”.

“O que ele faz pela Amazônia? Ele destruiu as precaríssimas estruturas de comando e controle, desmontou o ICMBio, desmontou a Funai, desmontou o Ibama, destruiu a capacidade operacional das Forças Armadas, que não tem efetivo, verba, que não tem tecnologia para administrar uma imensa faixa de fronteira seca, toda uma malha de igarapés, rios, riachos, bacias, e isso acabou transformando o território nessa holding do crime”, disse na entrevista.

Dois dias depois, o Ministério da Defesa e as Forças Aramadas publicaram uma nota conjunta repudiando as declarações de Ciro Gomes e afirmaram que as “acusações levianas afetam gravemente a reputação e a dignidade” das instituições.

Leia Também:  Lula deixa Belo Horizonte sem conseguir encontrar Alexandre Kalil

O comunicado também destaca que foi apresentado uma notícia-crime ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para apurar supostos crimes de “incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade” e “propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público”.

Nesta sexta-feira, Ciro afirmou que em “nenhum momento” disse que as Forças Armadas, “enquanto instituições de estado, estariam envolvidas com essa holding criminosa”. Segundo o pedetista, a nota “explicita” o grau de politização do atual comando das Forças.

“A nota, que mais uma vez explicita o grau de politização do atual comando das Forças Armadas, tenta distorcer a crítica que fiz ao notório descontrole que impera, em áreas da Amazônia”, diz trecho da declaração de Ciro.

“Em nenhum momento, disse que as Forças Armadas, enquanto instituições de estado, estariam envolvidas com essa holding criminosa. Afirmei – e reafirmo – que frente à desenvoltura com que um tipo de estado paralelo age na área, é impossível não imaginar que alguns membros das forças de segurança possam estar sendo coniventes por dolo ou omissão”, escreveu o pré-candidato do PDT.

Ciro Gomes alegou também que exerceu o seu “direito de liberdade de expressão, sem excesso ou qualquer discurso de ódio” e que respeita as Forças Armadas. “Inclusive, afirmei, na mesma entrevista, que os militares são elementos essenciais a um Projeto Nacional de Desenvolvimento, além de ressaltar a importância do fortalecimento das Forças Armadas em um possível governo que eu venha a presidir”, afirmou.

Leia Também:  Autor da facada em Bolsonaro será avaliado para conviver em sociedade

Ciro finalizou o texto criticando o atual ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, e afirmando que o militar vem se “notabilizando por tentativas de interferência no processo político”. Ciro ainda fez uma referência indireta ao presidente Jair Bolsonaro ao mencionar que o general provavelmente atuou “obedecendo ordens de seu comandante supremo”. O chefe do Executivo já reforçou em diversas ocasiões ser o chefe das Forças Armadas.

“Não me surpreende, portanto, que a iniciativa desta ação política contra mim -e contra a minha candidatura- parta de um Ministro da Defesa que, possivelmente obedecendo ordens de seu comandante supremo, vem se notabilizando por tentativas de interferência no processo político. Como fez, recentemente, em relação ao Tribunal Superior Eleitoral. Vale lembrar que, há pouco tempo, este mesmo ministro disse autoritariamente ao TSE que vai indicar nomes de militares para fiscalizar as urnas”, escreveu Ciro Gomes.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Eleições: Deltan Dallagnol registra candidatura a deputado federal

Published

on

Deltan Dallagnol
ig

Deltan Dallagnol

O ex-coordenador da força-tarefa da Lava-Jato de Curitiba, Deltan Dallagnol (Podemos) , apresentou à Justiça Eleitoral o registro de sua candidatura a deputado federal pelo Paraná nesta quinta-feira e declarou possuir patrimônio no valor de R$ 2,7 milhões. Ele diz que 49% do total desses bens foram acumulados até 2011, antes das investigações da Lava-Jato.

A possibilidade de disputar o cargo, entretanto, ainda depende de decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre gastos da antiga força-tarefa. Em julgamento na última terça-feira, a 2ª Câmara do TCU condenou Deltan e outros procuradores a ressarcir os cofres públicos em cerca de R$ 2,8 milhões com gastos de diárias e passagens , apesar de um parecer da área técnica do tribunal ter apontado a inexistência de irregularidades.

Ainda deve haver recurso à decisão, mas, caso o julgamento final do TCU mantenha a condenação, isso poderia deixar Deltan impedido de disputar a eleição. Caso isso ocorra, o ex-procurador poderia recorrer ao Judiciário para obter uma liberação para disputar o pleito.

Leia Também:  Orçamento Secreto: TCU é acionado para apurar possíveis fraudes no SUS

O item mais caro de seu patrimônio é a metade de um apartamento em Curitiba, no valor de R$ 1,1 milhão, que Deltan declarou ter adquirido no ano passado. Segundo ele, o imóvel foi pago com recursos provenientes da venda de um imóvel anterior e com recursos de suas economias.

Além disso, ele declarou ter R$ 1,029 milhão em conta bancária e aplicações financeiras, dos quais R$ 571 mil correspondem a doações feitas em vaquinha para que o ex-procurador pague condenação em danos morais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aplicou multa de R$ 75 mil a ele por causa de uma apresentação em Powerpoint sobre denúncia contra o ex-presidente.

Deltan afirmou que 49% do valor do seu patrimônio foi adquirido até 2011, antes do início das investigações da Operação Lava-Jato –o que corresponderia a aproximadamente R$ 1,3 milhão do valor total, já com correção monetária pela taxa Selic.

Ele diz ainda que a sua evolução patrimonial desde então é “compatível” com o cargo de procurador da República que ocupava até novembro do ano passado, quando pediu demissão para entrar para a política. Ele tinha salário-base de R$ 35 mil, além de rendimentos seus e de sua esposa.

Dallagnol também declarou possuir metade de uma sala comercial em Curitiba, no valor de R$ 84 mil, dois veículos adquiridos por R$ 40 mil e R$ 57.500,00. Informou ainda ter cotas de participação em três empresas, uma sua e duas em nome de sua esposa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA