Política Nacional

Quebra de sigilo da reunião com ministros foi vitória para Moro

Publicados

em


source
sergio moro
Agência Brasil

Moro alega que reunião é prova de que Bolsonaro teve interesses pessoais ao intervir na Polícia Federal do Rio


O ex-ministro Sérgio Moro se manifestou em seua página no Twitter sobre a  liberação da gravação ministerial do dia 22 de abril , divulgada por decisão do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF). 

Moro também afirmou em nota que os trechos divulgados podem sustentar sua afirmação sobre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) intergerir na Polícia Federal do Rio de Janeiro.

“A verdade foi dita, exposta em vídeo, mensagens, depoimentos e comprovada com fatos posteriores, como a demissão do Diretor Geral da PF e a troca na superintendência do RJ”, escreveu.

Leia Também:  "É só troca de cargos sem projeto de país", diz Baleia sobre candidatura de Lira


Defensor de Moro, o criminalista Rodrigo Sánchez Rios informou que a decisão de divulgação do vídeo mostra “avanço democrático” no país e é constitucional.

No vídeo, Bolsonaro fez ameaças, referiu ofensas a outros governantes, como os governadores de São Paulo e do Rio de Janeiro, e usou palavrões.

Leia também: Vídeo da reunião de Jair Bolsonaro: “Esse bosta de governador”

“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou.  Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa”, afirma o presidente “Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, continuou.

Bolsonaro disse ter se referido ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), mas a versão Moro  é de que o presidente teria interesse em interferir na Polícia Federal. Mensagens no celular do ex-ministro também estão sob investigação.

Leia Também:  Eleição na Câmara: aliados de Lira no DEM tentam fazer partido "mudar de lado"

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Pazuello anuncia medidas um dia após Lewandowski autorizar abertura de inquérito

Publicados

em


source
Ministro da Saúde Eduardo Pazuello
Agência Brasil

Ministro da Saúde Eduardo Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , anunciou uma série de medidas de enfretamento à pandemia de Covid-19, um dia após o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), instaurar um inquérito para apurar a atuação da pasta durante a crise de saúde pública em Manaus . Dentre as ações apresentadas por Pazuello está o apoio ao prefeito de Manaus e ao governador do Amazonas.

“Ao lado do governador e do prefeito. Nossa posição é de apoio, todo nosso trabalho é em consonância”, afirmou. O ministro ainda defendeu que a sua pasta foi atuante desde o primeiro momento em que a crise foi instaurada no estado.

Você viu?

“O que fizemos? Trabalhamos para equalizar o oxigênio . E hoje já está, nos dando possiblidade de ampliar estruturas como esta que estamos hoje”, disse.  “Fizemos expansão da capacidade na White Martins, com contratação de usinas geradoras individuais, de todo Brasil, que estão sendo instalada sem Manaus”.

Pazuello disse que vai seguir revisando as redes antigas dos hospitais para evitar perdas e manter o trabalho com concetradores de oxigênios individuais. O ministro adotou a medida, em conjunto com as autoridades locais, de utilizar o Hospital Getúlio Vargas na linha de frente do combate à pandemia, com central de produção de oxigênio instalada que deve chegar a 150 leitos clínicos e 30 de UTI em até duas semanas, segundo a pasta.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA