Pet

Projeto de ONG confecciona agasalhos para animais de rua em Jundiaí (SP)

Publicados

em


source
ONG
Melina Nucci/Divulgação

Laila é cuidado por Diego, morador de rua que foi assistido pela Casa de Passagem

Uma campanha organizada pelo Serviço de Obras Sociais (SOS) de Jundiaí (SP) distribui agasalhos para animais que vivem com pessoas em situação de rua, que foram abandonados ou acolhidos por ONGs.

Durante o outono e o inverno, moradores de rua que são assistidos pela instituição confeccionam roupas para os próprios pets e para outros animais que estão passando frio nas ruas.

O projeto denominado “Aquecidos” iniciou no ano passado, em parceria com o Centro Pop, equipamentos de assistência da Prefeitura de Jundiaí.

Ao G1, Melina Nucci, terapeuta ocupacional da Casa de Passagem do SOS, o projeto visa promover empatia entre os usuários da instituição: “Consiste em ensinar pessoas em situação de rua a confeccionarem os agasalhos. As pessoas participam como autoras de uma ação que protege os animaizinhos que se encontram na mesma situação que elas. A pessoa sente frio, então entende que o animal também sente”.

Leia Também:  Cachorro comove vizinhos ao esperar fielmente dono que morreu vítima da Covid-19

A SOS também confecciona roupas sob encomendas para pets de moradores locais que gostam da ideia e desejam apoiar o projeto, sendo cobrado um valor simbólico, para que a cada roupinha vendida, outra possa ser doada para um animal que precise.

Também é possível ajudar a instituição doado materiais como soft, plus e velcro, para serem usados nas roupas dos animais, assim como doando agasalhos e alimentos para as pessoas em situação de rua.


Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pet

De luto, tutora doa corpo de Dogue Alemão para estudos científicos

Publicados

em


source
Mulher doa corpo de cão falecido para estudo cientifico
Reprodução

Mulher doa corpo de cão falecido para estudo cientifico

Barnaby, um Dogue Alemão de apenas três anos morreu vítima de uma síndrome conhecida como dilatação-vólvulo gástrica em cães, que é causada por um acumulo de gás e fluído no estômago. O cão, que pertencia a Sharon Rose, pesava 87 quilos e foi o maior cão da raça que Sharon e seu esposo tiveram, o casal cria cães da raça desde 1972.

“Meu coração está partido. Eu sei que parece dramático, não importa quantos cães você teve, sempre é difícil e fica cada vez mais difícil”, disse Sharon ao portal Daily Star.

Embora fosse bem jovem, Barnaby causou um grande impacto na vida de Sharon, que o descreveu como um cão barulhento, amigável e um amante das pessoas. “Ele me idolatrava. Ele amava meu marido, mas ele era meu, todos os nossos cães são meus”, contou. “Ele amava as pessoas. Ele era um palhaço e parecia grande e talvez assustador, mas tudo o que ele queria eram abraços e brincadeiras”, acrescentou.

O cão viveu uma vida curta, porém plena. Em sua vida como criadora da raça, os seus cães a levaram a alguns lugares fantásticos. Sharon e seus cães também estiveram envolvidos em vários eventos de caridade. E, querendo fazer sua parte por outros animais, Sharon decidiu doar o corpo de Barnaby para o Royal Veterinary College.

Você viu?

Esta não é a primeira vez que a amante dos animais doa os corpos de seus cães, ela já fez isso com dois de seus cães.

Os cães de Sharon já foram doadores de sangue
Reprodução

Os cães de Sharon já foram doadores de sangue

“Todos sofrem por seus animais de maneiras diferentes. Algumas pessoas podem achar reconfortante ter o cachorro enterrado no jardim, ou ter as cinzas e guardá-las. Para mim, o corpo de um cachorro quando morre, seu espírito como o nosso vai, com sorte, para um lugar melhor e é apenas a casca que resta”, justificou Sharon.

Leia Também:  Gato que seria sacrificado ganha uma nova chance e vive uma vida feliz

Sobre a importância em doar o corpo de Barnaby, Sharon explicou: “Em suas vidas, eles dão muito às pessoas. Dessa forma, eles podem encontrar algo, se for um inchaço, por exemplo, e eles encontrarem algo que não conhecem, isso pode salvar centenas de cães no futuro, ou milhares”. Para finalizar, ela ressaltou: “em vez de ser jogado em uma lata de lixo, está ajudando o que poderia ser meu próximo cachorro. E mesmo que não seja encontrada uma cura, pode servir como treinamento para outros veterinários”.

Antes de falecer, Barnaby também foi um doador de sangue para o Royal Veterinary College.

Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA