Pet

Primeiro “cat café” de SP possibilita que clientes interajam com gatos

Publicado em

Gatcha permite que os gatos sejam adotados em parceria com a ONG Abrigo Anjo Gabriel
Reprodução/Instagram

Gatcha permite que os gatos sejam adotados em parceria com a ONG Abrigo Anjo Gabriel

Gatcha, no centro de São Paulo é o primeiro “cat café” da capital paulista. Inaugurado em junho, o espaço foi inspirado nos tradicionais estabelecimentos japoneses que permitem aos visitantes interagirem com os felinos.

O primeiro “cat café” surgiu em Taipé, capital de Taiwan em 1998, onde os clientes eram convidados a interagir com os felinos. O local se tornou muito popular entre os moradores e turistas. Isso fez com que muitos outros estabelecimentos para amantes de gatos fossem abertos no Japão e ao redor do mundo.

E, dessa vez, a capital paulista também embaca nessa. Inserido no segundo andar da Galeria Metrópole , no bairro República, o Gatcha tem à frente Lucas Rosa, que decidiu abrir o espaço após perceber que ninguém abria, senão ele: apaixonado por matcha, o chá-verde em pó feito a partir das folhas mais jovens da planta Camellia sinensis e gatos.

Entretanto, embora seja reconhecido como um “cat café”, o espaço tem o foco voltado para chás. O nome se dá por causa disso e o matcha é a especialidade da casa, tendo até doces feitos a partir dele. Por isso, a cor verde também invade todo o ambiente.

“No Gatcha, não somos apenas um cat café e sim um cat matcha café. Somos especializados em tudo de matcha. Mas claro que servimos o bom e velho café” explicam em post.

O espaço é dividido em dois andares. No primeiro, fica o balcão e as mesas para o público. Já no segundo, é onde está o mezanino: local dedicado aos gatos, formado por um mobiliário cheio de prateleiras, brinquedos e arranhadores. Há ainda w-fi gratuito que permite ficar lá por algumas horas.

Interação com os felinos

Embora o estabelecimento seja elaborado para a interação entre os felinos e os humanos, há algumas regras estipuladas para não ter nenhuma ocorrência negativa, tanto para os gatos, quanto para os clientes.

Os animais que ficam no mezanino estão disponíveis para adoção, com exceção dos gatos do dono que também ficam no local. O Gatcha tem uma parceria com a ONG Abrigo Anjo Gabriel. Então, ao passo que os gatos são adotados, outros chegam para encantar o ambiente da loja, que tem capacidade máxima de até 10 gatos, mas Lucas conta que escolheram deixar apenas 8 gatos  para não haver desconforto para os humanos e nem para os felinos.

A primeira regra é que, para acessar o espaço, o visitante deve pagar uma taxa; R$ 15 para ficar 15 minutos ou R$ 25 para 30 minutos. É necessário realizar um agendamento presencial, que acontece por ordem de chegada. Para acessar a área, o visitante recebe um cartão.

“No início também tínhamos o preço de R$ 65 para ficar o dia todo, mas percebemos que a demanda era muito grande. Então, se 6 pessoas pagassem pelo dia inteiro, ninguém mais conseguiria subir. Agora, nos dias de semana, o tempo máximo é 30 minutos e no sábado é 15 minutos”, explica o proprietário. 

Para interagir com os gatos, é preciso tirar os sapatos, higienizar as mãos e ter cuidado com o volume da voz. Além disso, é proibido acordar os gatos que estiverem dormindo e é essencial deixar o celular no silencioso e, caso tire fotos, somente sem flash. O espaço também aconselha que os clientes deixem os gatos cheirarem eles primeiro e não peguem os animais no colo, puxe suas patas ou rabos.

Devido às normas sanitárias, também é proibido comer no mezanino e oferecer os alimentos vendidos no primeiro andar para os gatinhos, nem mesmo os bichanos podem ter contato com os alimentos do andar inferior. Caso queira dar petiscos para eles, chame algum funcionário, pois há sempre algum supervisionando o local. A área dos gatos tem limite máximo de seis pessoas por vez.

Se optar por levar seu animal de estimação, saiba que ele não poderá entrar na loja, podendo ficar somente do lado de fora. Mas eles garantem que ele será bem tratado, pois servirão água fresca e petisco para o seu pet. A medida é tomada para haver o controle de vacinação e evitar brigas. 

Por fim, caso tenha se apaixonado por algum gato, fale com o funcionário que ele te orientará sobre como funciona a adoção, que é responsável e garante que os felinos já sejam levados castrados, vermifugados, vacinados e  testados para o FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) e a FeLV (Vírus da Leucemia Felina) , que são retroviroses causadoras de doenças infecciosas comuns em gatos. Além disso, eles também recebem uma carteirinha de vacinação. 

“Todos os gatos no Gatcha têm mais de um ano de idade porque gatos filhotes são mais fáceis de serem adotados, já os maiores são mais difíceis. Então, para eles terem uma visibilidade maior e serem adotados, optamos por essa faixa etária”, diz Rosa. 

O Gatcha funciona de segunda a sábado  das 10h às 18h . Já o mezanino, funciona nos mesmos dias, mas entre 10h30 às 12h e 13h às 17h30 . Os felinos tiram uma hora de intervalo para descanso e o último agendamento só pode ser realizado até às 17h10. 

Endereço:  Avenida São Luís, 187 – República, São Paulo. 2º andar. 

Para garantir que o seu pet terá toda a ajuda sempre que precisar, iG Pet Saúde está com novos planos. Cães e gatos podem contar com consultas de rotina e de emergência, cirurgias, vacinas e muito mais. Conheça todas a  vantagens de se ter um plano de saúde pensado especialmente para você e para o seu pet!

Acompanhe o Canal do Pet   e os maiores destaques do Portal iG no Telegram !

Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cachorro se despede de tutora e viraliza: 'Crianças de quatro patas'
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pet

Guia de Raças: conheça o Cesky Terrier, o cachorro raro e com franja

Published

on

O Cesky Terrier é uma raça de cão conhecida por ter uma franja que nasce da testa
Pixabay

O Cesky Terrier é uma raça de cão conhecida por ter uma franja que nasce da testa

A raça Cesky Terrier, também conhecida como Bohemian Terrier, é originária da República Tcheca e é o resultado de um cruzamento entre outras duas raças: um Sealyham Terrier macho e uma Scottish Terrier fêmea.

O objetivo do cruzamento , idealizado pelo geneticista tcheco Frantisek Horak, foi o de criar uma raça de Terrier de caça que tivesse peso leve, membros curtos, que fosse bem pigmentada, com orelhas caídas, além de ser fácil de tratar e de treinar.

A ideia de Horak era criar uma raça que conseguisse caçar verozmente como um verdadeiro terrier, mas também trabalhar em matilhas como cães de caça de porte maior  e, ao mesmo tempo, ser gentil e obediente em casa, como os retrievers .

Para atingir a pelugem específica , há alguns historiadores que afirmam que o geneticista utilizou também as raças  Dandie Dinmont Terrier e Dachshund de pelo duro.

A pelagem fina e sedosa vem em vários tons de cinza, incluindo uma platina deslumbrante. Pelos faciais ondulados dão a Ceskys um visual esportivo e continental, e o pescoço médio-longo dá uma pitada de elegância a esses terriers. Os machos costumam medir 29 cm e as fêmas 27 cm.

Leia Também:  Cachorro persegue carro de patrulha em busca de comida

Os Ceskys foram reconhecidos oficialmente pela Federação Cinológica Internacional em 1963 e importados pela primeira vez para os Estados Unidos no final de 1980. A raça foi admitida no American Kennel Club (AKC) – um dos maiores clubes de registro genealógico de cães de raça pura do mundo – em 2011. 

A personalidade do Cesky Terrier

O Cesky Terrier é um companheiro inteligente que gosta de brincadeiras, além de ser aventureiro. É ótima companhia para as crianças e também de caminhada. Eles são tenazes, mas um pouco mais descontraídos e dóceis do que o terrier padrão.

Embora a raça seja determinada e guiada pelo instinto de caça às presas, ela tem um comportamento mais maduro do que um terrier típico.

São desconfiados com estranhos e protetores com os entes queridos, o que os tornam bons  cães de guarda , o que é facilitado com a capacidade ágil que eles têm de treinamento e a vontade natural de querer agradar.

O grande problema é que eles são uma uma raça escassa, que conta com cerca de 600 animais vivendo nos Estados Unidos, de acordo com o American Kennel Club. 

Cuidados básicos com a higiene

Aparar o pelo de um Cesky Terrier exige um tosador profissional de confiança pelo fato da raça ser escassa e muitos especialistas em tosa nem sequer terem visto um na vida.

Leia Também:  Quase 400 cães são resgatados a caminho de festival de carnes na China

A pelagem da raça não costuma soltar muita sujeira, então é preciso dar banhos regulares. Um ponto de atenção são os pelos nas orelhas, que costumam ser fartos e, por consequência, precisam ser aparados regularmente para evitar  infecção na região.

E é claro, o charme está nos pelos que crescem na região próxima da testa e que dão um ar diferenciado para a raça com uma franja única. Contudo, é importante prestar atenção se esse pelo não vai atrapalhar a visão do animal ou incomodar os olhos.

Cuidados básicos com a saúde

Esta raça apresenta alguns problemas genéticos devido ao cruzamento que a deu origem, como joelhos escorregadios, problemas cardíacos, atrofia progressiva da retina e catarata.

Muitos sofrem também com um problema neurológico conhecido como Scotty Cramp, um distúrbio que faz com que o cão tenha espasmos, afetando seu movimento, mas que não representa risco de vida.

Para garantir que o seu pet terá toda a ajuda sempre que precisar, o iG Pet Saúde conta com planos que incluem visitas de rotina, internações, cirurgias, aplicações de vacinas e muito mais.  Conheça todas a vantagens de se ter um plano de saúde pensado especialmente para deixar o seu pet feliz!

Acompanhe o Canal do Pet  e os maiores destaques do  Portal iG no Telegram!

Fonte: IG PET

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA