Economia

Presidente da Caixa critica assédios no banco e libera uso de gravata

Publicados

em

Daniella Marques
Ministério da Economia

Daniella Marques

A presidente da Caixa Econômica Federal, Daniella Marques, criticou a gestão anterior do banco, acusada por diversos funcionários de  assédio moral e sexual . Sem citar nominalmente o ex-presidente da estatal, Pedro Guimarães, Daniella criticou o uso de piadas sexistas. 

A 20 dias à frente do banco, Daniella decidiu liberar o uso de gravatas para funcionários homens e garantiu autonomia e ambiente seguro para mulheres. Os anúncios foram feitos nesta terça-feira (26) em evento interno durante reunião restrita transmitida a funcionários. A CBN teve acesso a trechos do vídeo do encontro.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG 

Relatos de servidores do banco dizem que o ex-presidente do banco, Pedro Guimarães, obrigava o uso de gravatas, menos da cor vermelha em alusão ao PT. 

O procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT), Paulo Neto, instaurou inquérito civil contra a Caixa e Guimarães , para avançar nas investigações das denúncias de assédio sexual e moral contra funcionários.

Leia Também:  Bandidos usam dados vazados para golpes com Pix; saiba se proteger

Com a abertura do inquérito civil, o MPT passa a ter maiores prerrogativas, como por exemplo, requerer documentos, realizar perícias e inspeções nas instalações do banco.

A Caixa foi notificada nesta terça-feira (26) e tem prazo de dez dias para encaminhar ao MPT vários documentos. Entre eles, cópia integral dos processos e providências tomadas a respeito de 14 denúncias registradas no canal interno que tem relação com assédio sexual e moral, entre 2019 e 2022.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

STF forma maioria para reajustar salários em 18% do judiciário

Publicados

em

Suprema Corte aprovou reajuste salarial que poderá atingir R$ 46 mil
Luciano Rocha

Suprema Corte aprovou reajuste salarial que poderá atingir R$ 46 mil

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para reajustar salários do Judiciário em 2023. O aumento, segundo texto, será de 18% de forma escalonada.

A recomposição salarial está prevista no Orçamento do judiciário para o próximo ano. Após a votação de todos os ministros, o texto será encaminhado ao Congresso Nacional, que dará a palavra final sobre o aumento.

Atualmente, o salário de ministros do STF é de R$ 39,2 mil. Com o aumento, o valor passará para R$ 46,3 mil.

Os ministros aprovaram o aumento dividido em quatro parcelas de 4,5% entre os anos de 2023 e 2024.

Confira como será o reajuste do judiciário

  • 9% em 2023: 4,5% em abril e 4,5% em agosto;
  • 9% em 2024: 4,5% em janeiro e 4,5% em julho.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Além dos ministros do STF, os vencimentos de membros do STJ, juízes, servidores das cortes superiores também serão reajustados. O valor também é usado como teto para os salários de servidores, ou seja, nenhum funcionário público pode receber mais que um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Os ministros ainda aprovaram o reajuste de 10% nos gastos do judiciário para o próximo ano. O valor do orçamento, que antes era de R$ 767 milhões, passará para R$ 850 milhões em 2023.

Até o momento, nove ministros votaram a favor do projeto. Outros dois ministros ainda devem votar

Os votos são mantidos em sigilo e sem acesso às informações ao público. A expectativa é que o texto seja aprovado por unanimidade.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA