Saúde

Prefeitura do Rio suspende festa de réveillon em Copacabana

Publicados

em


A prefeitura do Rio cancelou a festa de Réveillon na Praia de Copacabana. O anúncio foi feito pelo prefeito Eduardo Paes diante da recomendação preliminar do comitê científico do estado, de suspensão do evento na forma clássica, para evitar as aglomerações na orla. O comitê da prefeitura tem entendimento diferente e concordava com a realização da tradicional festa da virada do ano. Segundo o prefeito, como havia divergências, ele optou pela mais restritiva e por respeito à ciência.

“Respeitamos a ciência. Como são opiniões divergentes entre comitês científicos, vamos sempre ficar com a mais restritiva. O comitê da prefeitura diz que pode, o do estado diz que não. Então não pode. Vamos cancelar, dessa forma, a celebração oficial do Réveillon do Rio”, postou Paes em seu perfil no Twitter.

“Se é esse o comando do estado (não era isso o que vinha me dizendo o governador), vamos acatar. Espero poder estar em Copacabana, abraçando a todos na passagem de 2022 para 2023. Vai fazer falta, mas o importante é que sigamos vacinando e salvando vidas”, comentou em outra mensagem.

Paes se reuniu hoje (4) com o secretariado no Centro de Convenções Sulamérica, na Cidade Nova, região central do Rio. Em coletiva após a reunião, o prefeito disse que tomou a decisão com tristeza. “Estou muito triste, pessoalmente e como prefeito. Acho que a celebração do Réveillon no Rio é uma das festas mais incríveis. É uma celebração incomparável, que mistura gente, mistura credos, em que as pessoas se abraçam. Não tem nada mais anticarioca do que essa porcaria da covid. O Rio é a cidade da celebração, do abraço, do espaço público, do encontro, mas nós vamos resistir bravamente. Nós vamos prevalecer, e o Rio continua aqui lindo e maravilhoso”, comentou.

Leia Também:  Plataforma informa disponibilidade de vacina para criança em São Paulo

O prefeito afirmou que até aquele momento só tinha visto as restrições à realização da festa, mas que se houver mais decisões restritivas, o município vai acatar. “Se puserem mais medidas restritivas, a gente acata. Eu vi, na decisão do comitê científico do estado, a decisão em relação à festa do Réveillon. Não houve nenhuma outra recomendação. Não sou eu que vou decidir. Se houver outra recomendação, a gente segue”.

Paes contou que tinha o limite, até o fim da primeira quinzena deste mês, para a prefeitura tomar a decisão se iria manter ou não a celebração em Copacabana e, enquanto isso estava sendo feito, havia o planejamento, porque para ocorrer um evento desse porte é preciso ter uma série de medidas que não podem ser tomadas de uma hora para outra. “A gente planeja muito para fazer um evento dessa dimensão e dessa proporção”.

O prefeito disse que foi surpreendido pela recomendação, embora mantenha contatos frequentes com o governador do Rio, Cláudio Castro, que, segundo ele, tem dado apoio ao município. Mas no caso de comitês científicos, nem ele, nem o governador têm ingerência. “Não é uma opinião minha. Eu gostaria que tivesse a festa, que pudesse ter a celebração, mas não vou ficar aqui palpitando. Isso não é achismo. O gestor político acompanha as decisões da ciência. Esse é o nosso papel”, afirmou.

Leia Também:  Começa hoje vacinação de crianças contra covid-19 em SP

“Comitê científico é comitê científico. Nem eu mando no meu, nem o Cláudio Castro manda no dele”

Sobre o carnaval, o prefeito disse que ainda faltam quase três meses, mas se houver uma recomendação da ciência de suspensão, a prefeitura vai seguir. “Eu sigo a ciência sempre, e essas coisas têm que estar muito claras. Tomara que não precise cancelar o carnaval, não só pela importância da festa e da celebração para a cultura do país, mas pela importância econômica para a cidade do Rio e para todo o Brasil”, completou.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: variante Ômicron circula em 11 cidades de Rondônia

Publicados

em


Análises realizadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Rondônia e pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen/RO) mostram que a variante Ômicron do novo coronavírus circula em 11 cidades do estado. 

A presença da variante foi identificada em 53 amostras, a maioria no município de Porto Velho, com 30 casos da nova cepa. Os demais diagnósticos são das cidades de Candeias do Jamari, Alta Floresta do Oeste, Cerejeiras, Guajará-Mirim, Jaru, Ji-Paraná, Presidente Médici, Rolim de Moura, Seringueiras e Vilhena.

De acordo com a virologista da Fiocruz Rondônia e chefe do Laboratório de Virologia Molecular, Deusilene Vieira, as amostras desta análise são referentes à primeira e segunda semanas de janeiro de 2022.

A pesquisadora esclarece que o padrão que está sendo utilizado para identificação de mutações e variantes é o sequenciamento completo do genoma do vírus pela técnica de NGS (Sequenciamento de Alta Performance). As amostras serão encaminhadas para a Rede de Vigilância Genômica da Fiocruz, que conta com a participação da Fiocruz Rondônia. Na próxima semana, será possível a confirmação total de todos os resultados.

Leia Também:  Crianças sem comorbidades podem se inscrever para xepa de vacina em SP

Deusilene explica que neste momento em que o país enfrenta novo aumento de ocupação de leitos de unidades de tratamento intensivo (UTIs) para covid-19, chegando ao nível de alerta crítico em algumas capitais, é fundamental que todos “façam o uso consciente das medidas de prevenção, como o distanciamento social, evitando aglomerações, higienização das mãos, objetos e alimentos, além da vacinação que continua sendo o principal aliado contra a proliferação dos casos, especialmente quando temos circulando entre nós uma nova variante ainda mais transmissível”, avaliou.

A virologista informou que pessoas que tiveram o ciclo vacinal completo ou que tomaram a terceira dose adquirem uma proteção ainda mais robusta contra o vírus e contra as variantes mais transmissíveis, a exemplo da Delta, responsável pela maioria dos casos de hospitalização em Rondônia, e, agora, a variante Ômicron que também está em circulação no estado. 

A diretora do Lacen, Cicileia Correia da Silva, esclarece que nas últimas semanas Rondônia vem enfrentando um grande aumento de casos de covid-19, o que acende um alerta “para a necessidade da vacinação, principalmente nesse contexto em que já temos a presença da variante Ômicron, altamente transmissível.”

Leia Também:  Começa hoje vacinação de crianças contra covid-19 em SP

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA