Notícias em Geral

Prefeitura de Marechal Floriano quer que agricultores continuem irrigando lavouras

Publicado em

Julio Huber

Após a Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) proibir que produtores rurais de quatro municípios da região de montanhas irriguem suas lavouras, a Prefeitura de Marechal Floriano está buscando, juntamente com o Sindicato Patronal e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Domingos Martins e Marechal Floriano, alternativas para que os produtores não sejam prejudicados.

Além dos dois municípios, agricultores de Santa Maria de Jetibá e de Santa Leopoldina também estão proibidos de irrigar lavouras, de acordo com a resolução 42/2016, da publicada no Diário Oficial do Estado no último dia 9. De acordo com o secretário de Meio Ambiente e interino de Agricultura de Marechal Floriano, Daniel Wruck, os agricultores não podem ser os únicos responsáveis e penalizados pela falta de água no Estado.

“Protocolamos um pedido de reunião extraordinária com urgência no Comitê da Bacia do Rio Jucu, a fim de celebrarmos um acordo de cooperação comunitária nos dois municípios cortados pelo Rio Jucu, onde os agricultores estão proibidos de irrigar lavouras. Nossos produtores não podem ser penalizados e perderem lavouras de um dia para o outro. Sabemos que podemos chegar a um acordo”, afirmou Daniel.

Leia Também:  Detran|ES divulga os selecionados da 1ª etapa de inscrições do CNH Social 2019

O documento foi assinado pelo prefeito de Marechal Floriano, Lidiney Gobbi, e pelos presidentes dos sindicatos dos trabalhadores rurais e patronal, Niobem Francisco Simmer e Nilton Falcão, respectivamente.

AJUDA – De acordo com o secretário Daniel, o Marechal Floriano já adota medidas de ajuda aos produtores. “Realizamos gratuitamente a elaboração de 55 projetos de barragens para nossos agricultores, com capacidade de armazenar aproximadamente 127 milhões de litros de água. Também realizamos campanhas de educação ambiental com estudantes, desenvolvemos o projeto Rio Jucu mais limpo e construímos dezenas de caixas secas nas propriedades”, destacou o secretário.

O diretor de Políticas Agrícolas do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Domingos Martins e Marechal Floriano, Delimar Endringer, destacou que apenas o setor agrícola está sofrendo com essas restrições tão rígidas. Segundo ele, as indústrias deveriam também fazer sua parte e reduzir o consumo de água.

“Não é possível culpar os nossos agricultores pela falta de água e tirar o sustento dessas famílias de uma hora para outra. Isso pode gerar um problema social muito grave em nossa região. É preciso criar uma alternativa, pois os agricultores estão desesperados com essa medida do governo. Estamos orientando aos agricultores a trabalharem com sistemas de gotejamentos para a irrigação, que consome menos água, mas não é um processo imediato”, afirmou Delimar.

Leia Também:  Bancários entram em greve a partir do dia 6 em todo o país

ESPERANÇA – O presidente do Comitê da Bacia do Rio Jucu, Elio de Castro Paulino, confirmou o agendamento da reunião para a próxima semana. Ele disse que fazer a gestão de água nas bacias e gerenciar momentos de conflitos como o atual, é um dos papeis do Comitê. Elio afirmou que acredita no diálogo e que será construida uma alternativa para os produtores de Domingos Martins e Marechal Floriano.

“Tem muitos produtores na região e não podemos proibir a água de uma hora para outra. Sabemos que é preciso garantir o abastecimento humano e animal, mas precisamos manter a água para outras necessidades da agricultura. Proibir a irrigação é como se estivéssemos demitindo os produtores de seus trabalhos, sem direito a nada. Vamos para essa reunião com a certeza de que chegaremos a um acordo que seja uma solução boa para todos”, acredita Elio.

COMENTE ABAIXO:

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias em Geral

Procon do ES divulga balanço e telefonia lidera reclamações

Published

on

By

Proteção e Defesa do Consumidor

As principais demandas estão relacionadas a cobrança indevida e descumprimento de contratos.

Por | 06.02.2020

 

Em 2019, a telefonia móvel liderou o ranking de atendimentos no Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES). No mesmo período de 2018, bancos foram o assunto mais demandado. As principais demandas estão relacionadas a cobrança indevida e descumprimento de contratos.

No último ano, 52.204 atendimentos foram realizados pelo Procon-ES. Desse total, mais de 5 mil atendimentos estão relacionados à telefonia móvel. Ocupa a primeira posição do ranking a telefonia móvel, seguida das financeiras, bancos, energia elétrica, telefonia fixa, cartão de crédito, aparelho de telefone, água e esgoto, TV por assinatura e, em décimo lugar, móveis.

Os segmentos que lideraram os atendimentos foram, com 19.961 registros, os assuntos financeiros; seguido por serviços essenciais, com 13.572 queixas; produtos (7.518); serviços privados (4.962); saúde (906); habitação (211) e alimentos (200).

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, ressaltou que diferentemente do ranking de atendimento dos últimos anos, que foram liderados por bancos e empresas de cartão de crédito, a telefonia móvel ocupou a primeira posição em 2019.

“Cobrança indevida, incluindo lançamentos de serviços não solicitados na fatura e a mudança unilateral nos contratos com reajuste no valor do serviço são as queixas dos consumidores quando se trata de telecomunicação”, disse.

Leia Também:  Domingo de diversão e leitura para a criançada no Circo da Cultura

Para evitar problemas, o consumidor deve ter atenção redobrada antes da contratação de serviços. “É preciso ler atentamente o contrato, tirar todas as dúvidas e só assiná-lo se estiver de pleno acordo com as cláusulas estabelecidas. É preciso sempre conferir os lançamentos cobrados nas faturas. Em caso de dúvidas, procurar o Procon”, afirmou Athayde.

Negociação de dívidas

Rogério Athayde ressaltou ainda que grande parte das demandas de bancos, operadoras de cartões e financeiras estão relacionadas a cobrança indevida e a negociação de dívidas. “No ano de 2019, realizamos 5.261 atendimentos no setor de cálculo e negociação de dívidas do Procon-ES”.

Os atendimentos do setor são realizados de segunda a sexta-feira, das 9 às 16 horas, presencialmente na sede do Procon-ES, localizada na Avenida Princesa Isabel, 599, Ed. Março, 9º andar, Centro, Vitória. Também disponibilizamos o mesmo atendimento na unidade localizada no Faça Fácil Cariacica.

Fornecedores

Em relação aos fornecedores mais demandados no Procon-ES em 2019, em primeiro lugar no ranking, está a Vivo, em segundo aparece a concessionária de energia elétrica EDP, seguida do Banco BMG, Telemar, Banco Bradesco, Caixa Econômica Federal, Dacasa Financeira, Banco Itaú, Claro e, em décimo lugar, aparece a Oi Móvel.

Leia Também:  Carteira de identidade com hora marcada e sem fila em Cachoeiro

“A maioria dos atendimentos realizados pelo Procon-ES é solucionado de maneira preliminar, ou seja, sem necessidade de abertura de processo e realização de audiências. Esse número demonstra o alto índice de resolução das demandas que chegam ao órgão e a rapidez com a qual os problemas dos consumidores são solucionados”, informou o diretor Rogério Athayde.

Reclamação

Os consumidores poderão registrar suas reclamações pelo aplicativo Procon-ES (disponível para Android) ou pessoalmente, na sede do Procon Estadual, na Avenida Princesa Isabel, 599, Ed. Março, 9º andar, das 9h às 17 horas, de segunda a sexta. Os consumidores podem procurar ainda a Unidade Faça Fácil, em Cariacica, que atende também aos sábados, até às 13 horas.

Existe também uma plataforma online, do Ministério da Justiça, para o registro de reclamações. Por meio do site www.consumidor.gov.br é possível registrar queixas e solucionar os problemas de consumo diretamente com as empresas em até dez dias.

Para atendimento é preciso que o consumidor tenha disponível o RG (Carteira de Identidade), CPF, além de documentos que possam comprovar a reclamação, como faturas, comprovante de pagamento, contrato, entre outros.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA