Segurança

Polícia Ambiental prende dois homens e apreende cinco armas em unidade de conservação no Sul do estado

Publicados

em


A ação foi fruto de intenso patrulhamento em toda a extensão da localidade, que possui um acesso bastante difícil, por ser muito íngreme e com estradas não pavimentadas, algumas sendo impossíveis de transitar até mesmo com veículos automotores tracionados, demandando o patrulhamento a pé.

Durante a incursão, os policiais chegaram até um casarão antigo que, segundo levantamento realizado, serve de abrigo aos caçadores que atuam naquela região. Nesse casarão estavam dois homens portando uma espingarda. Ao serem abordados, eles negaram que praticavam caça na região, mas diante dos indícios e do estado flagrancial, por não possuírem porte e nem registro da arma, foi feita uma busca minuciosa no local.

Nessa busca foram encontradas mais quatro espingardas, armamento típico para a prática da caça de animais silvestres, nove munições calibre 32, 12 munições calibre 36, dois dispositivos conhecidos como “canhões” bem como recipientes contendo pólvora e espoletas, além de facões, blusas camufladas, lanternas e outros petrechos comumente utilizados por caçadores.

Em um dos cômodos da casa os policiais encontraram quatro cães da raça Beagle, comumente utilizados por caçadores, que estavam presos e sem alimentação, embora houvesse água disponível. Ao ser aberta a porta, os animais imediatamente buscaram a alimentação disponível no espaço, demonstrando que estavam famintos no momento.

Leia Também:  Apreensões de drogas e simulacro na área da 12ª Companhia Independente

Os homens presos em flagrante foram conduzidos ao plantão do DPJ de Cachoeiro de Itapemirim onde foram entregues à autoridade policial juntamente com seus pertences em razão dos crimes de porte ilegal de arma, maus tratos a animais silvestres e violação de unidade de conservação. Os animais recolhidos foram encaminhados para o Centro de Controle de Zoonoses para receberem os devidos cuidados veterinários.

De acordo com o comandante da 4ª Companhia, capitão Reinaldo Faria “Embora tenham negado a prática de caça na região e não houvesse animais abatidos, todos os indícios nos levam à conclusão de que se tratam de caçadores que atuam naquela área, que é típica para a ocorrência desse crime, por ser uma região ainda preservada de Mata Atlântica”.

O oficial ressaltou que “embora ainda persista por parte de alguns a ideia de que a caça faz parte da cultura popular no Brasil, essa prática não faz mais sentido nos dias de hoje, diante do acesso muito mais fácil a fontes de proteína e a necessidade que temos de preservar o remanescente da nossa flora e fauna, tão importantes para nós, como todos sabem”.

Leia Também:  Policiais em escala operacional prendem homem por tráfico de drogas em Cariacica

Fique sabendo

O Monumento Natural Serra das Torres é a maior unidade de conservação da categoria proteção integral criada pelo Estado do Espírito Santo, abrangendo áreas dos municípios de Atílio Vivácqua, Mimoso do Sul e Muqui. Por ser uma região ainda muito preservada, abriga muitos animais silvestres apreciados e perseguidos por caçadores.

Por esta razão o BPMA através da 4ª Companhia, vem atuando incansavelmente para localizar e prender criminosos atuantes na região, trabalhando preventiva e repressivamente para garantir a proteção do meio ambiente e da vida.

Informações à Imprensa:

Diretoria de Comunicação Social PMES:
CORONEL JOSÉ AUGUSTO PICCOLI DE ALMEIDA
Tels. (27) 3636-8717 / 3636-8718
E-mail: [email protected]

Subseção de Jornalismo PMES:
Tel. (27) 3636-8715
E-mail: [email protected]

Fonte: PM ES

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

DP de Montanha prende suspeito de furtar gado e invadir área de empresa de celulose

Publicados

em


A equipe da Delegacia de Polícia (DP) de Montanha, com apoio da Polícia Militar, prendeu um homem de 46 anos considerado extremamente perigoso e alvo de diversos inquéritos que investigam furtos de gado, de madeira e estelionato na região noroeste do Estado. A prisão ocorreu nesta sexta-feira (26), no município de Montanha.

O detido, que se autointitula ‘pastor’, é investigado por envolvimento em furtos de cabeças de gado pertencentes a fazendeiros do município. Em uma das ações, ocorrida no dia 17 de janeiro, 109 animais foram furtados de uma propriedade, com o uso de três carretas para transportar o gado. O prejuízo estimado é de R$ 800 mil.

Este inquérito gerou a expedição de um mandado de prisão, que foi cumprido na operação realizada, nesta sexta-feira (26), em conjunto com a Polícia Militar. Ele foi encontrado na localidade de Córrego 18, em Montanha, e conduzido, em seguida para a DP do município. Após prestar depoimento, foi encaminhado ao sistema prisional, onde se encontra à disposição da Justiça.

“Este homem é considerado de alta periculosidade, pela quantidade de inquéritos que apontam para ele como suspeito. Nos nossos levantamentos, temos informações de que ele andava armado, ameaçava pessoas e trazia diversos prejuízos para a ordem pública e o bemestar dos cidadãos de Montanha. Esta é uma prisão muito importante para o município”, afirmou o titular da DP de Montanha, delegado Leonardo Ávila.

O delegado explicou que o detido também figura em outros inquéritos que tramitam na Delegacia. Ele é considerado um dos líderes de uma ocupação irregular instalada na área de uma empresa de celulose. Segundo as investigações, ele pode estar envolvido em ações como queimadas e furto de madeira.

“As plantações de Eucalipto pertencem à empresa de celulose. Em Montanha, registramos ações de grupos criminosos que colocam fogo em parte dessas plantações, furtam a madeira e vendem para carvoarias e outros tipos de negócios locais. Nossos levantamentos apontam que este indivíduo pode estar envolvido nesses crimes também”, informou Ávila.

Há indícios de que o investigado também utiliza as áreas invadidas para pastoreio, levando para o local, gado furtado. Em um dos inquéritos que tramitam na DP de Montanha, este mesmo indivíduo é investigado por alugar uma área invadida para terceiros, se apresentando como proprietário do terreno, o que configura crime de estelionato.

Os inquéritos continuam em andamento, para identificar outros envolvidos nas diversas ações criminosas investigadas pela DP de Montanha.  

Texto: Camila Ferreira 

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil
Comunicação Interna – (27) 3137-9024
[email protected]
 
Atendimento à Imprensa:
Olga Samara/ Camila Ferreira
(27) 3636-1536/ (27) 99846-1111/ (27) 3636-9928 / (27) 99297-8693
[email protected]

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Alunos oficiais do quadro médico participam de instrução em Jardim Camburi
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA