Política Nacional

‘Pessoal da esquerda não quer ganhar eleição, quer lacrar’, diz Márcio França

Publicados

em


source
Márcio França
Governo do Estado de São Paulo

‘Pessoal da esquerda não quer ganhar eleição, quer lacrar’, diz Márcio França

O candidato do PSB, Márcio França, afirmou, nesta quinta-feira (29), que a esquerda não quer ganhar eleição, “quer lacrar”. A fala foi dita após o candidato pregar voto útil da esquerda no primeiro turno da eleição para a Prefeitura de São Paulo.

“O pessoal de esquerda não quer ganhar eleição, quer lacrar”, afirmou o candidato, citando Guilherme Boulos (PSOL), que tem aparecido em 3º lugar nas pesquisas.

“Boulos é candidato a presidente da República. Caso não dê certo em São Paulo e o Haddad (PT) estiver fraco ou desaparecido, ele vira o candidato líder da esquerda”, completou França, que deu essas declarações durante live do jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

Leia Também:  Eleições em SP: veja as principais propostas de Covas e Boulos para a economia

E completou: “Boulos nunca foi nada na política. Se jogá-lo nessa fria (governar São Paulo), ele vai meter gasolina e fogo no paiol.”

O candidato ainda afirmou que sempre esperou ir para o segundo turno com o candidato do PSDB, Bruno Covas.

“Desde o início, eu sempre disse que eu iria para o segundo turno com o Bruno. A outra vaga, não se sabia se teria um outro candidato à direita. Russomanno é famoso, mas tradicionalmente, ele cai no final. No restante, o PT e o Boulos. O PT tem um rapaz que a vida inteira serviu ao PT, mas que o partido acha que ele não é a pessoa certa. É injusto”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Eleições em SP: veja as principais propostas de Covas e Boulos para a economia

Publicados

em


source
Covas e Boulos têm diretrizes antagônicas no que diz respeito aos planos econômicos para a cidade de São Paulo
Arte iG

Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) estão no 2º turno

Às vésperas do segundo turno das eleições para a prefeitura de São Paulo, a disputa entre o prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB) e  Guilherme Boulos (PSOL) vai se acirrando.  De acordo com a última pesquisa Datafolha (24), Covas tem 55% das intenções de voto, contra 45% do candidato da oposição.

Portal iG conferiu o programa de governo dos rivais, conversou com a campanha de ambos e convidou especialistas para analisar principais propostas dos dois candidatos em temas como:  economia, saúde, educação, segurança e cultura.

Para esta matéria, o tema escolhido foi economia. Bruno Covas destrincha seu plano baseado em privatizações, concessões, parcerias público-privadas e redução de entraves para novos empreendimentos. Guilherme Boulos aposta em um programa que visa apoiar cooperativas em setores econômicos que a prefeitura utilize dos recursos e produtos, além de promover progamas sociais de auxílio a minorias sociais.

Diretrizes opostas

O candidato do PSDB, que tenta a reeleição, se atém principalmente à saúde financeira do município em seu plano de governo. O psolista aposta em programas de “choque de gestão”, com investimentos públicos considerados de maiores riscos.

De acordo com José Paulo Guedes Pinto, doutor em economia pela USP, com pós-doutorado pela London School of Economics and Political Science e professor dos bacharelados de Ciências Econômicas e Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC, o plano de governo dos dois candidatos seguem diretrizes bastante distintas: enquanto Covas repete a máxima de que é necessário conter gastos, Guilherme Boulos aposta em investimentos mais expressivos para gerar um ciclo de investimento econômico que permita maior arrecadação futura.

Leia Também:  Aras diz que estados podem obrigar vacinação se governo federal não agir

“Bruno Covas pretende adjudicar o setor privado a áreas de seguridade essencial, como saúde e educação, tentando garantir um lucro para o orçamento público e também para o setor privado. Já Boulos, olha para um choque de gestão em setores essenciais”, explica. 

Já para Daniela Daniela Casabona, sócia-diretora e assessora financeira da FB Wealth, é imprescindível distribuir as propostas de melhorias para a cidade de modo que não haja um novo rombo de gastos.

“A cidade de São Paulo enfrentou um ano econômico bastante difícil com a pandemia, e o ano seguinte será ainda mais desafiador. O governo atual se preocupou com essa poupança e é muito importante que se tenha uma gestão e responsabilidade nos gastos”, comenta.

Confira as principais propostas de cada candidato para a economia de SP:

Guilherme Boulos (PSOL)

Em seu plano de governo, o candidato Guilherme Boulos promete fazer o dinheiro circular “garantindo dignidade à população, por um lado, e aumento da demanda, por outro, sobretudo nos pequenos comércios dos bairros onde as pessoas vivem”.

De acordo com a campanha, o programa terá um investimento de R$ 3,5 bilhões ao ano, e será custeado com recursos do orçamento e do caixa da Prefeitura.

“Nós vamos instituir já em janeiro o Renda Solidária, que dará um auxílio de R$ 200 a R$ 400, dependendo do grau de vulnerabilidade social do beneficiário, para 1 milhão de famílias inscritas no CadÚnico, beneficiando cerca de 3 milhões de paulistanos. Esse volume de recursos será fundamental para que ninguém passe fome na cidade mais rica da América Latina”, respondeu Boulos, via assessoria.

O plano ainda cita a criação de Centros Públicos de Economia Solidária nas subprefeituras para que deem suporte às cooperativas e trabalhadores informais. Além disso, o documento anuncia a criação de canais de financiamento e crédito pasra os pequenos comerciantes e indústrias.

“Também criaremos Frentes de Trabalho em todas as subprefeituras, contratando mão de obra local para trabalhar nas próprias regiões onde atuam, realizando serviços de zeladoria e manutenção, pequenas obras e ajudando na construção de moradias nos mutirões. Serão geradas 50 mil vagas de trabalho, com salário digno, a um investimento de R$ 940 milhões em quatro anos, com recursos do orçamento municipal”, afirmou a assessoria de Guilherme Boulos.

Leia Também:  STF não permitirá a desconstrução da Lava Jato, diz Fux

Bruno Covas (PSDB)

Bruno Covas informou ao  iG , por meio de sua assessoria, que “a grande porta de saída no pós-pandemia é a geração de emprego e renda através de ações que passam pelo aumento da competitividade da cidade e no investimento em qualificação”.

“Durante nossa gestão, fizemos muito para estimular o emprego e a geração de renda. E faremos muito mais nos próximos quatro anos. Entre as ações desenvolvidas, podemos citar o programa Trabalho Novo, que se destina a promover o acesso de pessoas atendidas pela rede socioassistencial da prefeitura a vagas de emprego, ao trabalho e a iniciativas ligadas ao empreendedorismo”, prevê o programa tucano. 

“Na próxima gestão, quando enfrentaremos os duros efeitos econômicos e sociais do pós-pandemia, vamos investir pesado em qualificação profissional e na criação de frentes de trabalho, além de continuar a reduzir a burocracia para os que desejam empreender na cidade”, complementa.

Em seu plano de governo, Covas enfatiza a necessidade de incentivar a concorrência e investir na economia criativa e verde, promovendo benefícios a estabelecimentos que funcionem à noite e aos finais de semana, em uma ideia inspirada em distritos criativos de Londres.

O candidato também afirmou ao  Portal iG  que investirá cerca de R$ 1 milhão para acelerar o desenvolvimento de 24 startups que participam do Programa de Valorização de Iniciativas Tecnológicas, da Agência São Paulo de Desenvolvimento.

“Vamos apostar ainda no incremento à economia criativa, na cultura, nos esportes, na moda, na gastronomia, nos games, nas startups. É uma economia de baixo carbono e queoferece alternativas de ingresso no mercado de trabalho aos jovens da periferia”, afirmou.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA