Política Nacional

Pacheco negocia manutenção do comando do Senado com Lula

Publicado em

Agenda. Lula e Pacheco posam para foto com parlamentares do PT
Ricardo Stuckert/Divulgação 14/07/2022

Agenda. Lula e Pacheco posam para foto com parlamentares do PT

Interessado em se reeleger presidente do Senado no ano que vem,  Rodrigo Pacheco (PSD-MG) recebeu ontem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e parlamentares do PT em um almoço em Brasília. Do lado petista, o encontro serviu para que Lula pedisse ao senador ajuda para atrair o apoio do PSD à sua candidatura à Presidência já no primeiro turno, o que é improvável devido às divisões regionais na sigla comandada por Gilberto Kassab, que liberou cada diretório estadual para se posicionar como quiser.

O almoço na residência oficial do Senado foi a primeira reunião entre Lula e Pacheco, que até então não se conheciam. Segundo interlocutores do petista, a agenda também simbolizou um gesto inicial do que pode vir a ser uma costura política pela reeleição do senador mineiro no comando da Casa. No ano passado, o senador do PSD contou com o apoio da bancada do PT para conquistar a presidência do Congresso. Parlamentares que participaram da reunião de ontem admitem que a aliança pode ser renovada no ano que vem em caso de vitória do ex-presidente na corrida pelo Palácio do Planalto.

“É um bom caminho para começar a conversa entre dois líderes. Lula é o candidato mais bem colocado (nas pesquisas de inteção de voto) à Presidência. Pacheco quer se reeleger à presidência do Congresso”, afirmou o senador Jean Paul Prates (PT-RN).

Estratégia petista

Segundo ele, porém, o assunto não foi tratado no almoço de ontem: “Ninguém avançou o sinal desse jeito, mas acho que é um caminho legal e pode rolar”.

A investida no chefe do Legislativo faz parte de uma série de movimentos de Lula para se aproximar de parlamentares do PSD. A estratégia petista tem sido conquistar apoios individuais, como o do senador Carlos Fávaro (PSD-MT), que foi vice-líder do governo de Jair Bolsonaro, mas na terça-feira declarou que estará com o PT em seu estado.

Vem se tornando mais provável que Lula obtenha o apoio pessoal do presidente nacional do partido até a eleição. Gilberto Kassab tem sinalizado a aliados que fará esse movimento já no primeiro turno. Depois que os comandos estaduais foram liberados para escolher seu presidenciável, na última semana os rumos tomados pela legenda em Rio e São Paulo revelam as diferentes estratégias para cada região. Enquanto o PSD vai emplacar o vice do ex-ministro de Jair Bolsonaro, Tarcísio Freitas, na disputa paulista, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, declarou apoio à eleição de Lula.

Leia Também:  Candidatos da terceira via rebatem Bolsonaro sobre guerra na Ucrânia

Desde o ano passado, Kassab trabalhou para lançar candidaturas presidenciais pelo PSD. Filiou Rodrigo Pacheco, mas não conseguiu convencê-lo. Tentou tirar o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite do PSDB, mas o tucano manteve-se na sigla. Abriu até conversas com Ciro Gomes (PDT), mas a dificuldade do pedetista em subir nas pesquisas o convenceu de que a eleição ficará concentrada na disputa entre Lula e Jair Bolsonaro.

Kassab avalia anunciar seu voto apenas em agosto, depois de os diretórios estaduais do partido terem encerrado as suas negociações locais. Até aqui, em oito estados o PSD já se posicionou a favor de Bolsonaro, enquanto em outros oito o comando local vai de Lula.

Entre os nomes do PSD que aderiram a Lula, além de Paes, estão o senador Omar Aziz (AM), que pretende disputar a reeleição ao cargo, e o deputado Marcelo Ramos (AM), que foi vice-presidente da Câmara.

Segundo interlocutores do ex-presidente que participaram do almoço de ontem, além de Pacheco, o pedido pelo apoio do PSD foi estendido ao senador Alexandre Silveira (PSD-MG), secretário-geral da legenda.

O próximo passo, segundo petistas, será procurar diretamente Kassab, que foi elogiado por Lula durante um encontro do ex-presidente com parlamentares.

Aliados do ex-presidente vão argumentar que dos cinco maiores colégios eleitorais do país — São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul — o PSD está junto com o PT em três deles. As exceções são São Paulo e Rio Grande do Sul, que ainda não definiu em qual palanque estará.

No encontro de ontem, Lula disse que convidaria Pacheco para seu próximo ato público em Minas, que deve acontecer no fim de julho ou início de agosto. O senador, por sua vez, desconversou, alegando que como presidente do Congresso não pode tomar lados:

“Naturalmente, tenho a obrigação de receber uma bancada do Senado e um ex-presidente da República”.

A conversa aconteceu em meio a um cardápio no qual foi servido carne de carneiro, medalhão de filé mignon com bacon e salada. De sobremesa, pudim e creme brulée de frutas vermelhas.

Leia Também:  Bolsonaro ataca o PT, FHC e STF em discurso no Nordeste

“Foi um encontro muito agradável, proveitoso sobre o ponto de vista de reflexões sobre os problemas nacionais. Então, foi um encontro muito bom”, disse Pacheco.

Em Minas, segundo maior colégio eleitoral do país, Lula costurou um apoio aos candidatos da sigla ao governo do estado e ao Senado — Alexandre Kalil e Silveira, respectivamente —, abrindo mão da candidatura do líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes, que desejava mudar de Casa. Em troca, a chapa terá o deputado estadual petista André Quintão como vice do ex-prefeito de Belo Horizonte.

De acordo com senadores petistas, Lula aproveitou o almoço para manifestar a Pacheco preocupação com questionamentos feitos por Bolsonaro ao processo eleitoral. O presidente tem levantado suspeitas sem provas sobre fraude e, quando questionado, evita responder se aceitará o resultado das urnas caso saia derrotado.

Empenho institucional

Em resposta aos questionamentos do petista, Pacheco prometeu empenho institucional do Congresso em garantir a realização de eleições livres e empossar quem quer que seja eleito em outubro.

“A conversa foi em torno das preocupações do Lula com processo eleitoral e com funcionamento das instituições, do papel das Forças Armadas, do Supremo, papel do Senado. Lula insistiu muito nisso. Além de disputar eleições e ganhar, tem que todo mundo se comprometer com a recuperação do funcionamento das instituições”, disse o líder do PT no Senado, senador Paulo Rocha (PT-PA).

Segundo o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos coordenadores da campanha de Lula, o recado de Pacheco foi de que o Congresso dará apoio institucional para que não haja qualquer ruptura democrática no país.

“Saímos daqui com a garantia que o presidente do Congresso Nacional é quem dará posse aos eleitos no próximo 1º de janeiro. Atuará nesse sentido: de que teremos eleições e de que os eleitos serão empossados, de que não haverá nenhum tipo de interferência instrucional sobre a democracia brasileira”, afirmou Randolfe.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Haddad responsabiliza Doria por aproximação entre Alckmin e Lula

Published

on

Fernando Haddad falou sobre a união de Alckmin e Lula
Reprodução/YouTube – 19.08.2022

Fernando Haddad falou sobre a união de Alckmin e Lula

Nesta sexta-feira (19), o candidato ao governo de São Paulo Fernando Haddad (PT) afirmou que as ações de João Doria no PSDB foram responsáveis por fazer com que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) se aproximassem e formassem uma chapa para concorrer à Presidência da República neste ano.

Durante sabatina realizada pelo Estadão, em parceria com a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), o ex-prefeito da capital paulista que Doria fez enorme esforço para colocar Rodrigo Garcia como o candidato tucano para disputar o Palácio dos Bandeirantes. Desta forma, Alckmin precisou enxerga “uma possibilidade que talvez não estivesse no nosso horizonte”.

“A partir do momento que você coloca um estranho no ninho tucano para impedir a candidatura do Geraldo Alckmin, pelo PSDB, a governador, isso abre uma possibilidade que talvez não estivesse no nosso horizonte. Diante das ameaças à democracia, dois veteranos da política resolvem se unir pela causa talvez mais importante das nossas vidas: a liberdade”, explicou.

Leia Também:  Tereza Cristina se despede do Ministério da Agricultura nesta terça

Garcia deixou o União Brasil – na ocasião, o partido ainda era chamado de DEM – e se transferiu para o PSDB. Vice de João Doria, o combinado era Rodrigo concorrer ao governo e o empresário disputar à Presidência da República, tornando-se o líder da chamada terceira via, o que acabou não ocorrendo.

Alckmin ficou insatisfeito, deixou a sigla tucana e negociou com o PSB e PSD para ser candidato ao governo paulista. Mas, no fim do ano passado, foi chamado por Lula para fazer parte da sua chapa presidencial, o que se confirmou em maio.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA