Tecnologia

Operadoras obtêm liminar que freia concorrência e Anatel deve recorrer

Publicado em

Anatel informou que vai recorrer da decisão que libera operadoras de frear concorrência com a compra da Oi Móvel
Bruno Gall De Blasi

Anatel informou que vai recorrer da decisão que libera operadoras de frear concorrência com a compra da Oi Móvel

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai iniciar uma disputa judicial contra Claro, Vivo e TIM. As três empresas conseguiram na Justiça suspender um dos remédios impostos pelo órgão regulador e pelo Cade, que regula a concorrência, para aprovar a compra da Oi Móvel.

Por sua vez, na próxima semana, a Anatel vai recorrer das cautelares, através da Procuradoria-Federal Especializada (PFE). Com a saída da Oi móvel, que respondia por 30% do mercado, Anatel e Cade determinaram que Claro, Vivo e TIM deveriam dar acesso à rede q outras empresas com condições especiais como forma de estimular a competição.

Claro, Vivo e TIM tinham até a última sexta-feira para aderir aos novos valores de referência de produtos de atacado e, com isso, iniciar as ofertas dos serviços a seus concorrentes.

“Vamos atuar incansavelmente para fazer valer os remédios impostos pela Anatel e Cade. Vou despachar pessoalmente esse tema”, afirmou Carlos Baigorri, presidente da Anatel.

Nas ações, as teles argumentam que também deveriam ter participado da forma de como foram calculados os valores de referência para o atacado para o roaming nacional. Dizem ainda que o tema deveria ter sido colocado em consulta pública.

Leia Também:  FIFA 22 é o jogo mais baixado no PS4 em junho; veja o ranking

Do outro lado, representes tanto no Cade como na Anatel dizem que não há o menor sentido para que Vivo, Claro e TIM tentem impor o próprio remédio como forma de amenizar a menor concorrência com a saída da Oi móvel do mercado. Na prática, afirmam essas fontes, as três empresas querem tentar impedir a concorrência.

Pelos valores definidos pela Anatel, que foi feito em conjunto com uma consultoria e seguindo modelos internacionais, há queda nos valores do roaming a cada ano até 2026 para cada giga (GB) trafegado, minuto falado e mensagens de texto enviadas em roaming.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Nos bastidores, as teles argumentam que os valores de referência são abaixo dos custos reais. Lembram ainda que, na prática, se tornam uma espécie de subsídio para as empresas menores.

Leia Também:  Um em cada quatro brasileiros já foi ou é espionado na internet

“Quando uma empresa tem poder de mercado, ela tem ineficiências. E os valores de referência simulam os custos justos já retiradas essas ineficiências. Esses valores estimulam a concorrência”, explicou Baigorri.

Para Moisés Moreira, conselheiro da Anatel e que foi relator da proposta de revisão dos valores de referência, a decisão da Justiça Federal é apenas temporária. Disse ainda que a decisão da Anatel foi feita seguindo todos os critérios e estudos internacionais.

A Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp) criticou Claro, TIM e Vivo por terem entrado na Justiça para impedir que os novos valores de roaming sejam praticados. Lembrou ainda que está avaliando alternativas de ingressar na Justiça de forma a garantir que o valor de roaming aprovado por unanimidade pelo Conselho Diretor da Anatel seja efetivamente praticado.

A Telcomp lembra que as três empresas “assumiram o compromisso público com a sociedade de cumprirem integralmente os remédios impostos por Anatel e Cade de forma tempestiva”.

A associação lembra que os novos valores de roaming são essenciais para permitir a maior concorrência sobretudo com o avanço das operadoras móveis virtuais.

Procurados, Claro, TIM e Vivo não retornaram. O Cade disse que não comenta.

Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tecnologia

Como transferir suas playlists do Spotify para o Amazon Music

Published

on

Veja como transferir as playlists
Tecnoblog

Veja como transferir as playlists

Migrar para outro serviço de streaming não precisa ser tão trabalhoso quanto se pensa. Com ajuda de alguns sites e aplicativos, você pode fazer isso sem ter que criar todas as suas listas de novo. Veja a seguir como transferir suas playlists do Spotify para o Amazon Music sem muito esforço.

Antes de começar, é válido destacar que em qualquer um dos serviços usados para a migração, as músicas de uma plataforma podem não fazer parte do catálogo da outra. Neste caso, estas faixas serão ignoradas e não serão listadas no novo streaming.

Não é possível realizar a migração de playlists entre serviços de streaming de forma nativa, mas com a ajuda de alguns sites, como o TuneMyMusic, você conseguirá fazer de maneira fácil a mudança de plataforma, sem a necessidade de criar manualmente todas as suas listas de novo. Veja como usar:

  1. Acesse o site TuneMyMusic e crie uma conta: Faça seu registro ao clicar no botão de login, no canto superior direito;

  2. Na tela inicial, clique em “vamos começar”;

  3. Selecione a plataforma de origem de suas listas: Aqui, você escolhe a plataforma que usa atualmente, no nosso caso, o Spotify;

  4. Será necessário fazer o login;

  5. Selecione a forma de escolher a playlist: É possível abrir e selecionar diretamente ou copiar a URL da playlist;

  6. Escolha quais músicas serão migradas: Você pode escolher a playlist inteira ou apenas algumas faixas;

  7. Selecione a plataforma de destino: Escolha o serviço para o qual você irá migrar, neste caso, o Amazon Music;

  8. Também será necessário confirmar o login na nova plataforma;

  9. Clique em começar: As músicas serão transferidas e o tempo do processo depende da quantidade de músicas selecionadas.

Leia Também:  Um em cada quatro brasileiros já foi ou é espionado na internet

O plano gratuito permite que você transfira 500 músicas por vez. No plano Premium, que custa US$ 2 por mês no pagamento anual, é possível fazer toda a transferência de uma vez. De qualquer forma, é uma bela ajuda não precisar criar e configurar todas as listas manualmente.

Soundiiz

O Soundiiz é um site com plano gratuito para transferir suas playlists do Spotify para o Amazon Music, assim como no Tune My Music. Neste caso, a modalidade free permite que seja migrada uma lista por vez. Após fazer o login no Spotify através do site, basta selecionar uma para começar e escolher a plataforma de destino. Repita o processo para todas as suas playlists. Este serviço ainda conta com aplicativo para Android.

SongShift

O SongShift é um aplicativo para iOS que permite a migração de playlists do Spotify para o Amazon Music entre outros serviços de streaming. Para usar, basta fazer o login no serviço de origem, escolher aquela que deseja converter (assim como nos casos anteriores, o plano gratuito permite uma lista por vez), fazer o login na plataforma de destino e iniciar a transferência.

Leia Também:  Vídeo mostra iPhone servindo de chave para quarto e elevador de hotel

Como revogar as permissões de acesso na sua conta

Se você desistiu da ideia de transferir playlists do Spotify para o Amazon Music ou simplesmente não quer mais manter os serviços conectados, há como revogar o acesso.

Para o Tune My Music, ao entrar na sua conta, clique no canto superior direito, e então selecione “Configurações de conta”. Basta escolher os serviços conectados e clicar em “Desconectar”. Para os aplicativos, é necessário cancelar as permissões na área de permissão do aplicativo dentro do sistema operacional.

Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA