Economia

Nubank começa a testar nova ferramenta; conheça o “Resgate Planejado”

Publicados

em


source
nubank
Divulgação

Nubank anunciou nova ferramenta para clientes no banco, o “Resgate Planejado”

Nesta segunda-feira (10), o Nubank começa a testar sua nova ferramenta “Resgate Planejado”, na qual o cliente poderá escolher uma data vinculada à taxa de rendimento para resgatar recursos guardados com a promessa de rendimentos mais altos.

A nova ferramente vem depois da Nubank liberar a função débito para seus clientes. Ao longo do tempo, o banco vem aumentando as ferramentas e buscando atrair mais brasileiros para o digital.

Atualmente, os depósitos feitos na Nuconta  já têm um rendimento de 100% do CDI com liquidez imediata. Agora, será possível também escolher uma data – vinculada à taxa de rendimento – para resgatar o dinheiro guardado e conseguir maiores ganhos em troca.

Leia Também:  Instituto Êxito e Unesco capacitam jovens de escolas públicas

A nova ferramenta do Nubank estará disponível dentro da função “Guardar Dinheiro”, lançada em 2019. Não há um valor mínimo para depósitos e as operações podem ser feitas 24 horas por dia, sete dias por semana. Os depósitos feitos em Resgate Planejado têm a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos por CPF de até R$ 250 mil.

Na fase de teste, o rendimento pode chegar a 118% do CDI em dois anos, com taxas que podem variar a depender das condições de mercado. O cliente poderá optar por resgatar seus recursos em diferentes prazos a serem contados a partir da data de depósito na Nuconta.

“As opções disponíveis no mercado para guardar dinheiro são extremamente complicadas. O Resgate Planejado é uma solução simples, segura e totalmente adaptável à realidade e planejamento financeiro de cada cliente. É mais um exemplo do compromisso do Nubank de descomplicar a vida das pessoas para que elas tenham total controle sobre suas vidas financeiras e consigam realizar seus planos”, afirma David Vélez, CEO e fundador do Nubank. “A ideia é que, quanto mais tempo seu dinheiro ficar guardado, maiores serão os ganhos”, diz.

Leia Também:  Reunião de Guedes com equipe dura quatro horas e ministério diz que 'foi normal'

Para usar a nova funcionalidade, basta entrar na opção Guardar Dinheiro dentro da conta do Nubank, separar o valor que deseja guardar e escolher a data para resgate entre as opções disponíveis. Os depósitos feitos na conta do Nubank e na opção Guardar Dinheiro na opção Disponível a qualquer momento continuam rendendo 100% do CDI e têm liquidez diária – ou seja, podem ser movimentados a qualquer momento.

Por enquanto, a versão para testes do Resgate Planejado estará disponível para alguns membros da NuCommunity, comunidade online do Nubank. A expectativa é que, em breve, a novidade passe a ser disponibilizada para toda a base de clientes do banco digital.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Desemprego durante a pandemia bate recorde, atingindo taxa de 14,3%

Publicados

em


source

Agência Brasil

desemprego
Jana Pêssoa/Setas

Desemprego atinge recorde durante a pandemia

A taxa de desocupação atingiu valor recorde no Brasil desde o início da pandemia de Covid-19 . A taxa foi de 14,3% na quarta semana de agosto, um aumento de 1,1 ponto percentual frente à semana anterior (13,2%). Este é o maior patamar de desemprego  da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios ( Pnad ) Covid-19, iniciada em maio.

Essa alta acompanha o aumento na população desocupada na semana, representando cerca de 1,1 milhão a mais de pessoas à procura de trabalho no país, totalizando 13,7 milhões de desempregados . Os dados foram divulgada nesta sexta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ).

A população fora da força de trabalho (que não estava trabalhando nem procurava por trabalho) era de 74,4 milhões de pessoas, mantendo-se estável em relação à semana anterior (75 milhões) e, também, frente à semana de 3 a 9 de maio (76,2 milhões).

Nessa população, disseram que gostariam de trabalhar cerca de 26,7 milhões de pessoas (ou 35,8% da população fora da força de trabalho). Esse contingente ficou estável frente à semana anterior (26,9 milhões ou 35,9%) e à semana de 3 a 9 de maio (27,1 milhões ou 35,5%).

Leia Também:  Instituto Êxito e Unesco capacitam jovens de escolas públicas

Cerca de 16,8 milhões de pessoas fora da força que gostariam de trabalhar e não procuraram trabalho não o fizeram por causa da pandemia ou por não encontrarem uma ocupação na localidade em que moravam. Elas correspondiam a 22,6% das pessoas fora da força.

Esse contingente permaneceu estável em relação à semana anterior (17,1 milhões ou 22,9%), mas diminuiu frente à semana de 3 a 9 de maio (19,1 milhões ou 25,1%).

A coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira, destaca o crescimento da taxa de desocupação, que era de 10,5% no início de maio, e explica que a alta se deve tanto às variações negativas da população ocupada quanto ao aumento de pessoas que passaram a buscar trabalho.

“No início de maio, todo mundo estava afastado, em distanciamento social, e não tinha uma forte procura [por emprego]. O mercado de trabalho estava em ritmo de espera para ver como as coisas iam se desenrolar. As empresas estavam fechadas e não tinha local onde essas pessoas pudessem trabalhar. Então, à medida que o distanciamento social vai sendo afrouxado, elas vão retornando ao mercado de trabalho em busca de atividades”, disse, em nota, a pesquisadora.

Isolamento social

A pesquisa também indica mudança no comportamento da população em relação às medidas de isolamento social . Segundo o IBGE , o número de pessoas que ficaram rigorosamente isoladas diminuiu pela segunda semana seguida.

Leia Também:  Reunião de Guedes com equipe dura quatro horas e ministério diz que 'foi normal'

Entre 23 e 29 de agosto, 38,9 milhões de pessoas seguiram essa medida de isolamento, uma queda de 6,5% em relação aos 41,6 milhões que estavam nessa situação na semana anterior.

Segundo Maria Lucia Vieira, há relação entre o aumento das pessoas em busca de trabalho e a flexibilização do isolamento. “A gente está vendo uma maior flexibilidade das pessoas, uma maior locomoção em relação ao mercado de trabalho, pressionando o mercado de trabalho, buscando emprego. E esses indicadores ficam refletidos no modo como eles estão se comportando em relação ao distanciamento social”.

A parcela da população que ficou em casa e só saiu por necessidade permaneceu estável. São 88,6 milhões de pessoas nessa situação, representando 41,9% da população do país. Houve estabilidade também no contingente dos que não fizeram restrição, chegando a 5 milhões de pessoas, e dos que reduziram o contato, mas que continuaram saindo de casa ou recebendo visitas, situação de 77 milhões de pessoas.

O número de pessoas ocupadas que estavam afastadas do trabalho por causa das medidas de isolamento social foi reduzido em 363 mil e esse contingente passou a 3,6 milhões. As pessoas que estão nessa situação agora representam 4,4% de toda a população ocupada, estimada em 82,2 milhões. Dos 76,1 milhões de pessoas que estavam ocupadas e não foram afastadas do trabalho, 8,3 milhões trabalhavam remotamente.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA