Mundo

Mundo precisa gerar mais de 600 milhões de empregos em dez anos para recuperar níveis pré-crise

Publicado em

Por | 24.01.2012

 


O mundo precisará criar 600 milhões de empregos na próxima década. O alerta foi feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em relatório divulgado ontem (23), intitulado Tendências Mundiais de Emprego 2012. O documento alerta para o fato de que não haverá alterações significativas nas taxas de desemprego em todo o mundo, nos próximos quatro anos. A estimativa é que, neste ano, o número de desempregados atinja 200 milhões e, até 2016, esse número poderá alcançar os 206 milhões.

 

Caso o cenário econômico tenha uma piora até o fim deste ano, o número de desempregados em todo o mundo poderá atingir mais de 204 milhões e, em 2013, mantendo-se o mesmo cenário, esse número poderá chegar a 209 milhões.

 

Em 2011, de acordo com o documento, o número de jovens desempregados entre 15 e 24 anos chegou aos 74,8 milhões, isso significa um aumento de mais de 4 milhões desde 2007. O relatório diz ainda que 6,4 milhões de jovens perderam a esperança de encontrar um emprego e deixaram o mercado de trabalho. Aqueles que estão empregados, na maioria, trabalham em postos de meio período ou estão submetidos a contratos temporários.

 

Segundo a OIT, o número de pessoas empregadas sofreu uma queda entre 2007 e 2010. A taxa de pessoas empregadas em 2007 no mundo todo era 61,2% e, em 2010, caiu para 60,2%, o maior declínio desde 1991. A OIT diz que as projeções para os próximos anos não são boas e é possível que em 2013 seja registrada uma taxa ainda menor do que a de 2010. A organização aponta ainda que, mesmo no melhor cenário, as taxas de criação de empregos não serão suficientes para trazer um aumento significativo dos níveis de emprego.

Leia Também:  Estados Unidos anunciam aproximação histórica com Cuba

 

Ainda de acordo com o relatório, as perspectivas econômicas mundiais são incertas e os níveis de investimento em todo o mundo têm sido desiguais. Nas economias avançadas e na Europa Oriental, os problemas financeiros não foram resolvidos e há altos níveis de incerteza sobre as perspectivas globais. Além disso, há uma menor propensão das famílias ao consumo, o que tem retardado a recuperação dos investimentos empresariais. A lenta recuperação desses investimentos tem trazido efeitos negativos para as taxas de emprego, como o aumento do desemprego.

 

Por outro lado, as economias emergentes ? como o Brasil ? têm voltado aos níveis pré-crise de investimento e deverão aumentar essas taxas no médio prazo. No entanto, a desaceleração dos investimentos nas economias mais fortes pode ser prejudicial para as economias em desenvolvimento. A OIT estima que o fortalecimento dos incentivos econômicos pode gerar uma recuperação mais rápida e que um crescimento de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, traduzido em valores nominais de US$ 1,2 bilhões, é necessário para absorver a lacuna de empregos criada pela crise financeira.

Leia Também:  Após 47 anos de aliança, Reino Unido deixa União Europeia

 

A OIT acredita que, para lidar com a recessão prolongada criada pela crise financeira internacional e colocar a economia mundial em um caminho sustentável é necessária uma mudança nas políticas públicas. Segundo a entidade, as políticas promovidas no período da crise, de financiamento do déficit público, e a flexibilização monetária não são eficientes. A OIT também sugere que uma maior liquidez financeira poderia ajudar os países, com reflexos na economia mundial. Esse tipo de medida, para o organismo internacional, é um dos pontos necessários para estimular a criação de empregos.

 

O relatório recomenda ainda uma maior regulação do sistema financeiro para restabelecer a credibilidade e a confiança dos mercados. Isso, conforme a OIT, permitiria que os bancos superassem o risco creditício que se instalou com a crise. Além disso, todas as empresas se beneficiariam com a volta do crédito, o que poderia ajudar na criação de novos empregos.

 

 

COMENTE ABAIXO:

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mundo

Após 47 anos de aliança, Reino Unido deixa União Europeia

Published

on

By

Histórico

Foram 1.317 dias de espera; saída ocorre em meio a festas e protestos

Por | 01.02.2020

Por Agência Brasil  Brasília

Apoiadores do Brexit – a saída do Reino Unido da União Europeia – reuniram-se nesta sexta-feira (31) na praça do Parlamento, na zona central de Londres, para comemorar a saída do bloco econômico. O Big Ben, relógio símbolo da capital britânica, soou 11 badaladas em meio a fogos e bandeiras inglesas. A saída ocorreu exatamente às 23h no horário de Bruxelas (20h em Brasília), e o hino nacional inglês, God Save the Queen (Deus Salve a Rainha, em tradução livre), foi executado logo após a comemoração.

Nigel Farage, membro do Parlamento europeu e líder do partido do Brexit, e um dos principais articuladores políticos do movimento, discursou durante os minutos que antecederam a saída. “Nós conseguimos. Transformamos a paisagem do nosso país. Alguns dizem que não devemos celebrar hoje. Mas este é o momento mais importante da história moderna [do Reino Unido]. Não vamos mais ouvir ordens de burocratas em Bruxelas”, afirmou, em tom exaltado. “Seremos livres, seremos orgulhosos e seremos independentes. Todos nós fizemos história hoje. Será um dia lembrado na nossa grande nação e na história moderna da humanidade”, concluiu.

O primeiro-ministro Boris Johnson afirmou, em um vídeo publicado mais cedo, em rede social, que seu trabalho é unir todas os grupos da sociedade, tanto os que apoiraram quanto os que rejeitaram o Brexit. Ele disse que a cooperação com a União Europeia será o foco dos trabalhos para os 11 meses de transição e que agora o Reino Unido “está mais energético” e com “autonomia recuperada”.Tonight we are leaving the European Union. pic.twitter.com/CboWQzYRM4

Leia Também:  Yoani Sanchez ataca Dilma e fica sem permissão para vir ao Brasil

UK Prime Minister?@10DowningStreet

Tonight we are leaving the European Union.

Vídeo incorporado

4.222

19:00 – 31 de jan de 2020

Informações e privacidade no Twitter Ads

1.884 pessoas estão falando sobre isso

 “Esta noite estamos deixando a União Europeia“, diz o primeiro-ministro Boris Johnson em rede social

Theresa May, ex-líder do governo e ex-primeira-ministra inglesa, disse, nas redes sociais, que “a promessa ao povo inglês foi cumprida”.

Theresa May?@theresa_may

At 11pm tonight, Britain will leave the European Union. After more than three years, we can finally say that we have delivered on the result of the 2016 referendum and have kept faith with the British people.

21,1 mil

14:10 – 31 de jan de 2020

Informações e privacidade no Twitter Ads

9.104 pessoas estão falando sobre isso

 “A promessa ao povo inglês foi cumprida“, afirmou Theresa May, que falhou na negociação de um acordo para o Brexit

Reação internacional

O presidente da França, Emmanuel Macron, uma das vozes contrárias à saída, também deixou uma mensagem sobre o momento. “Este é um dia triste. Mas é um dia que deve nos fazer prosseguir, de forma diferente, a construir uma União Europeia poderosa e eficaz, que consiga convencê-los [aos membros da UE] mais e redescobrir o fio desta história que faz da Europa uma aventura única e insubstituível”.

Emmanuel Macron?@EmmanuelMacron

C’est un jour triste. Mais c’est un jour qui doit nous conduire à procéder différemment, à bâtir une Union européenne puissante, efficace, qui parvienne à vous convaincre davantage et à retrouver le fil de cette histoire qui fait de l’Europe une aventure unique et irremplaçable.

3.038

16:31 – 31 de jan de 2020

Informações e privacidade no Twitter Ads

1.008 pessoas estão falando sobre isso

 “Este é um dia triste“, Emmanuel Macron, presidente da França

Em discurso em Edinburgo, a primeira-ministra e líder do Partido Escocês Nacional, Nicola Sturgeon, disse que a Escócia estava sendo retirada da União Europeia “contra os desejos de uma maioria esmagadora”. Ela afirmou que “a Escócia voltará à União Europeia como um país independente”.

Nicola Sturgeon?@NicolaSturgeon

Scotland will return to the heart of Europe as an independent country – ??????????????

Ver imagem no Twitter

 

 

 

Leia Também:  OMS: tabaco mata 12% dos adultos com mais de 30

 

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA