Economia

Mesmo com redução, gasolina acumula alta de 42% no governo Bolsonaro

Publicados

em

Mesmo com redução, gasolina acumula alta de 42% no governo Bolsonaro
Ivonete Dainese

Mesmo com redução, gasolina acumula alta de 42% no governo Bolsonaro

Mesmo com a redução no preço da gasolina, motivada pelo corte de tributos federais e  pelo teto do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o combustível acumula alta de 42% sob a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) mostram que o litro da gasolina custava, em média, R$ 4,27 em janeiro de 2019. Já em julho deste ano, o valor médio do combustível chegou a R$ 6,07, de acordo com levantamento obtido entre os dias 10 e 16 deste mês.

Os números levam em conta o valor nominal da gasolina, isto é, não consideram a inflação acumulada no período. Se descontar a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o combustível acumula alta de 35% entre janeiro de 2019 e junho de 2022. 

O cálculo, no entanto, não considera  a redução de R$ 0,20 por litro da gasolina nas refinarias , anunciada nesta semana pela Petrobras e que entra em vigor nesta quarta-feira (20). Além disso, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ainda não divulgou informações sobre a inflação de julho.

Bolsonaro tem atribuído essa queda à troca de comando da Petrobras. Ontem, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, o presidente disse acreditar que “a Petrobras vai achar seu rumo agora, (com um) novo presidente”.

“Vai começar a dar boa notícia para a gente”, afirmou.

O indicato do governo para chefiar a estatal é Caio Paes de Andrade, que assumiu no mês passado. Ele é o quarto executivo à frente da empresa no atual governo.

Leia Também:  Sistema do Banco Central permite saber se algum banco te deve; entenda

Apesar da declaração de Bolsonaro, ao anunciar a redução de R$ 0,20 no preço da gasolina, a Petrobras disse que essa acompanhava a estabilização da cotação do petróleo no mercado internacional, que registrou baixa nos últimos dias.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Bolsonaro vai à Febraban apresentar medidas econômicas da campanha

Publicados

em

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos
Antonio Cruz/Agência Brasil

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve se reunir nesta segunda-feira (8) com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para discutir proposta econômicas da campanha e o futuro do país. A discussão está marcada para acontecer na sede da federação, em São Paulo (SP).

Entre os temas que devem ser discutidos estão o Pix, Open Banking e empréstimos para beneficiários do Auxílio Brasil. Alguns bancos ainda estão resistentes em oferecer crédito para inscritos no programa por medo de aumento no endividamento das famílias. O Bradesco, por exemplo, já informou que não vai disponibilizar os empréstimos.

Bolsonaro ainda deve apresentar as propostas que estão em seu plano de governo, além de discutir o cenário atual da economia do país. O encontro também contará com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, que deve esboçar o crescimento econômico do país nos últimos meses.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Esse será o primeiro encontro entre banqueiros e Bolsonaro após críticas feitas pelo presidente à carta escrita por membros da Universidade de São Paulo (USP) em apoio à democracia. A Febraban foi uma das instituições que assinaram o documento.

Segundo Bolsonaro, a carta tem viés político e seguiu as críticas do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, ao dizer que banqueiros assinaram o texto “pois perderam R$ 40 bilhões com o Pix”.  

A Febraban ainda deve se reunir com os presidenciáveis Lula (PT) e Simone Tebet (MDB) nos próximos dias. Ciro Gomes (PDT) ainda não tem a participação confirmada na reunião. 


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA