Mulher

Mãe faz família voltar no tempo e vive o isolamento em 1945

Publicados

em


source

Muitos pais estão aproveitando o isolamento social com os filhos para fazer novas atividades , unir mais a família e até aprender com os pequenos. Mas esta mãe de Southampton, Inglaterra, resolveu dar uma aula de história para os filhos.

família
Kennedy News and Media

Lorna Chessman decidiu voltar no tempo e dar uma lição de história aos filhos durante o isolamento social


Lorna Cheesman contou a Daily Mail que aproveitou o isolamento social por conta do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para voltar no tempo e viver na época da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) para mostrar aos filhos como foi esse momento.

Leia também: A importância do brincar

A assistente de classe fez a família passar quatro dias sem nenhuma tecnologia atual, com direito a acordar ao som de bombas e com roupas dos anos 40. A experiência não foi muito agradável aos pequenos, William de seis anos, e Poppy de nove.

No começo, os dois estavam animados em se vestir como 75 anos atrás e aprender um pouco sobre a época, mas a brincadeira ficou séria demais quando a mãe tirou toda a tecnologia e os doces. 

crianças
Kennedy News and Media

Os filhos entraram na brincadeira mas não gostaram de ficar longe dos celulares e tablets


Batatas fritas, barras de chocolate e cereais foram para a parte de trás dos armários e substituídas por refeições saudáveis ​​feitas na hora, produzidas a partir do zero e cozidas em banha de porco, como nos anos 40.

Leia Também:  Giovanna Ewbank compra móveis para mansão em Portugal

“Quando contei como seria a experiência e que isso significava não ter TV, tablets ou celulares, William chorou por dez minutos”, afirma a mãe. As horas em frente às telas foram trocadas por atividades familiares , como jardinagem, artesanato e culinária.

Lorna teve a ideia após ler sobre a vida na Grã-Bretanha antes do Dia da Vitória na Europa, comemorado em 8 de maio. Além de adotarem o estilo, eles viveram no modo econômico dos anos 40, incluindo sobreviver com rações de guerra, racionar água e suprimentos.

filhos
Kennedy News and Media

Para entrar na época, as crianças voltaram a fazer atividades manuais como jardinagem e artesanato


“Adoro programas em que a família volta no tempo por uma semana, então fizemos a nossa própria edição”, disse Lorna. Quando as crianças não estavam aprendendo sobre a guerra, estavam fazendo atividades manuais.

Depois de quatro dias dentro da realidade da guerra, ela e o marido resolveram acordar os filhos com o alarme de ataque aéreo e o som de bombas no meio da madrugada. “Chris ligou a sirene do ataque aéreo na Alexa no andar de baixo o mais alto que pôde, com o som de aviões e bombas “, afirma a mãe.

Leia Também:  Os signos mais aventureiros do zodíaco

Ela fez a experiência de fuga até um abrigo como a avó contava. “Ela usava a mesa de metal de jantar, caso não conseguisse chegar ao abrigo do vizinho. Fizemos igual a ela para ter a mesma sensação da guerra”, contou.

E depois dos quatro dias, eles celebraram o Dia da Vitória ouvindo o discurso do primeiro-ministro da época, Wiston Churchill e fizeram um chá da tarde no jardim. Agora que voltaram para 2020, a família aprendeu lições valiosas de 1945. 

Leia também: Mãe cria “diário do coronavírus” para filhas estudarem em casa

“Vamos tentar arranjar mais tempo um para o outro. Eu e meu marido estamos extremamente ocupados, então vamos desacelerar. Procuramos ter mais tempo para a família”, afirma Lorna.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mulher

Livrarias independentes se segmentam e conquistam o público brasileiro

Publicados

em


source

Alto Astral

Livrarias independentes se segmentam e conquistam o público brasileiro
Reprodução: Alto Astral

Livrarias independentes se segmentam e conquistam o público brasileiro

Ao contrário das grandes livrarias, que contêm acervos enormes sobre os mais variados temas e um contato impessoal com os clientes, pequenos empreendimentos de rua e online encontraram na segmentação uma chave para manterem-se firmes; além de atrairem um público mais fiel, aumentarem o diálogo com os leitores e, por consequência, as vendas! Tudo isso em meio à crise do mercado editorial – que já impôs o fechamento de dezenas de livrarias nos últimos anos.

Esse é o caso da livraria especializada em humanidades, Mandarina, criada em 2019 pelas sócias Daniela Amendola e Roberta Paixão, que buscavam fugir do modelo das grandes livrarias, ou “shopping de livros”, como chamam. “Quando a gente resolveu montar a Livraria Mandarina, a gente foi estudar. E a gente viu que as livrarias segmentadas e pequenas são a tendência, são o que as pessoas estão buscando”, conta Paixão. Para as livreiras, a segmentação é uma forma de apresentar ao público obras de autores diversos, que não estampam as estantes das grandes livrarias, mas que merecem a atenção e o apreço dos leitores.

Localizada em Pinheiros, São Paulo, a Livraria Mandarina conta com um acervo de mais de 6 mil títulos voltados à literatura clássica, ciências sociais, filosofia e poesia. Mas, não é a única a apostar na segmentação. Hoje, pelo Brasil, há inúmeras livrarias independentes focadas em temas como humanidades, literatura queer, literatura afro-brasileira, feminismo, entre outros. Essas livrarias preenchem um buraco deixado pelas gigantes do ramo ao investirem em acervos escolhidos a dedo, atendimento humanizado e na criação de espaços de troca, diálogo e reflexão ao resgatarem a importante figura do livreiro, antes apagado pelo formato e-commerce.

Livraria Mandarina
Daniela Amendola e Roberta Paixão na Livraria Mandarina / Foto: Reprodução Instagram (@livraria_mandarina).

Esse contato direto e mais humano com os clientes foi o que motivou os sócios Eduardo Ribeiro, Fábio Brito e Ivan Costa a inaugurar, em outubro do ano passado, a livraria Casa da Árvore , na Pedra do Sal, centro do Rio de Janeiro, focada em literatura afro-brasileira e humanidades. “Uma das principais coisas que a livraria te dá é a dimensão do encontro, é ter uma dimensão do que é literatura, essa é uma coisa que só a livraria física te dá e é uma das principais motivações das livrarias de ruas ainda existirem”, diz Ribeiro.

Segundo ele, o atrativo das livrarias é a sensação do imprevisível, de não saber o que te aguarda ao adentrar esses espaços. “Você pode encontrar o autor do livro que você gosta, pode rolar uma indicação de um livro que você não conhece pelo livreiro, que é um personagem muito importante”, observa o sócio.

Leia Também:  Livrarias independentes se segmentam e conquistam o público brasileiro

O livreiro também defende que o acervo especializado e curado com carinho é o ponto chave da Casa da Árvore. “Para a gente sobreviver precisamos ter essa curadoria, sempre muito cuidadosa, né? Se a gente se descuidar da nossa curadoria, a gente perde o sentido de existência da livraria”, afirma Ribeiro.

Ele ainda ressalta que as grandes livrarias não estão resistindo porque elas têm um custo muito alto e não focam em um nicho. “Elas atacam o público em geral, que é um público muito flutuante, um público que você não consegue ter muito a medida do que a pessoa quer”, aponta. Para Ribeiro, a competição é muito maior quando não há segmentação do empreendimento. “Aqui a gente tenta fazer com que a pessoa tenha uma livraria de estimação, pra sempre comprar com a gente”, complementa

Segmentação como solução – para o livreiro e para o leitor

Embora ainda não haja, oficialmente, estatísticas sobre o aumento das livrarias segmentadas, Bernardo Gurbanov, livreiro e presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL), aponta que desde os anos 1980 o setor editorial já tinha consciência de que as “pequenas empresas altamente especializadas” sobreviveriam com mais facilidade às mudanças do mercado. Hoje, segundo ele, esse cenário já é visível.

De acordo com Gurbanov, as livrarias segmentadas criam um canal de comunicação com os leitores que não contribui somente para a manutenção do negócio, “mas com o processo de compartilhar conhecimento e de criar uma comunidade em torno dessas temáticas”. Para ele, são essas comunidades cada vez mais interessadas em um acervo especializado e um atendimento personalizado, que tem ajudado a sustentar os empreendimentos.

Quem concorda com Gurbanov é a bibliotecária Ketty Valêncio, dona da Livraria Africanidades , focada em literatura negra e feminista – que surgiu como e-commerce em 2013 e ganhou quatro paredes e um teto em 2017.

Você viu?

Valêncio conta que a Africanidades surgiu a partir de sua própria experiência de vida. “Eu via os espaços literários e eu não me via, essa questão da representatividade negra dentro da literatura, mesmo. E quando eu observava esse corpo negro dentro da literatura, era um papel onde eu não queria estar, era um papel totalmente estereotipado, marginalizado”, relata.

Localizada na Vila Pita, periferia da zona norte de São Paulo, a Africanidades conta com um acervo de cerca de 200 obras de autores independentes dos mais diversos campos dos saberes, que apresentam uma visão de mundo descolonial e descentralizada.

Leia Também:  Descubra de uma vez por todas como cuidar da sua coleção de sneakers
Africanidades
Em busca de representatividade negra na literatura, a bibliotecária Ketty Valêncio criou a Livraria Africanidades / Foto: Reprodução Facebook.

Além das estantes e das páginas dos livros, a livraria busca a visibilidade e a valorização do protagonismo feminino, preto e periférico através de atividades culturais. Antes da pandemia, o espaço chegou a sediar eventos como rodas de conversas e leituras, saraus, lançamentos de livros e oficinas.

Segundo Valêncio, o fato da Africanidades não ser apenas um ponto comercial, mas um polo cultural, “uma ação de transformação”, como ela diz, foi o que fidelizou o público e fez com que ele se mantivesse durante a pandemia de Covid-19.

“Atualmente, acho que as livrarias pequenas estão resistindo mais no mercado editorial do que as livrarias grandes. É o resultado também das pessoas quererem se ver na literatura. Se eu fosse somente um empreendimento comercial, eu acho que eu já teria falido, mas como a livraria tem um aspecto muito precioso e valioso de cada narrativa que eu tenho aqui presente, eu acho que através disso eu consigo ter um público que me assiste, que gosta do meu trabalho e que replica as minhas ações”, afirma ela.

Outra livraria que compartilha a mesma proposta é a Queer Livros , focada em obras, sobretudo acadêmicas, sobre gênero e sexualidade. Para o sócio-livreiro Gilmario Nogueira, atuar em um nicho como a Queer, é abrir um diálogo com as pessoas possibilitando uma discussão mais aprofundada.

A livraria baiana conta com um acervo de mais de 100 títulos. Com obras que vão além dos best-sellers das grandes livrarias, a Queer proporciona a troca entre autores renomados e autores novos e independentes, de todos os cantos do Brasil e do mundo. Entre as obras mais vendidas estão: O cis no divã; Diversidade sexual, étnico-racial e de gênero; Saúde mental e racismo à brasileira e Dissidências de gênero e sexualidade, que dão o tom do que esperar da livraria.

Queer Livros
Queer Livros aposta em autores desconhecidos e discute gênero e sexualidade / Foto: Reprodução Facebook.

Com o objetivo de desmistificar as questões sobre gênero e sexualidade , além de ampliar o conhecimento científico sobre um tema que move tabus na sociedade, a Queer já está no mercado há 3 anos e vem se mantendo firme. “[ A literatura queer] é importante pra gente conhecer uma série de sujeitos subalternizados que nós temos”, ressalta o livreiro.

Nogueira também afirma que foi graças à segmentação que a pequena livraria online conseguiu se manter durante a pandemia. “Nós atuávamos muito em eventos acadêmicos, com a pandemia, não tiveram mais eventos. Então, no primeiro mês a gente não sabia o que ia acontecer. Só que aí a gente aumentou o número de clientes online. Então, ter nicho nos ajuda”, diz.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA