Economia

Justiça libera mais de R$ 1,5 bilhão em atrasados do INSS

Publicados

em

Justiça libera mais de R$ 1,5 bilhão em atrasados do INSS
José Cruz/Agência Brasil

Justiça libera mais de R$ 1,5 bilhão em atrasados do INSS

O Conselho da Justiça Federal (CJF) informou ter liberado mais de R$ 1,5 bilhão para o pagamento de atrasados do INSS (Insituto Nacional do Seguro Social). O valor será pago por meio das chamadas Requisições de Pequeno Valor (RPVs), que correspondem a dívidas de até 60 salários mínimos (R$ 72.720 em 2022), com ordem expedida pelo juiz em junho.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Receberão o dinheiro cerca de 99,4 mil aposentados e pensionistas que venceram 77,3 mil processos contra o INSS referentes a concessões ou revisões de aposentadorias, auxílios-doença, pensões por morte e outros benefícios.

O CJF destaca que o depósito é feito pelos Tribunais Regionais Federais (TRFs), seguindo cronogramas próprios.

Veja como consultar se irá receber

  • A pesquisa é feita no site do TRF (Tribunal Regional Federal) responsável pelo processo, de acordo com a região em que o segurado mora. Por exemplo: para quem mora em São Paulo, o tribunal é o TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região);
  • No site, procure por “Consulta processual”;
  • Clique na setinha ao lado de “Número do processo” e selecione a opção “Requisições de pagamento”;
  • Clique em “Consultas por OAB, Processo de origem, Ofício Requisitório de origem ou Número de protocolo”;
  • Informe seu CPF, OAB do advogado responsável ou o número do processo e clique em “Não sou um robô”;
  • Em seguida, clique em “Pesquisar”;
  • Pronto!

Já as pessoas cujos atrasados superam 60 salários mínimos recebem o dinheiro por meio dos precatórios. No ano passado, a Comissão Mista de Orçamento (CMO)  liberou uma consulta dos processos cuja grana deve ser paga neste ano. Está na lista quem teve a ordem de pagamento emitida pelo juiz entre os dias 2 de julho de 2020 e 1º de julho de 2021.

Na semana passada, contudo, a Justiça determinou que os TRFs suspendam o pagamento dos precatórios em todo o país. A decisão foi tomada após requerimento do Conselho Federal da Ordem dos Advogados (CFOAB), que quer explicações sobre como se dará o pagamento de honorários, com as mudanças previstas pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios.

A medida vale até dia 2 de agosto, quando o Colegiado do CJF se reúne em sessão extraordinária.

Leia Também:  Confiança Empresarial atinge maior nível desde março de 2014, diz FGV

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Bolsonaro vai à Febraban apresentar medidas econômicas da campanha

Publicados

em

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos
Antonio Cruz/Agência Brasil

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve se reunir nesta segunda-feira (8) com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para discutir proposta econômicas da campanha e o futuro do país. A discussão está marcada para acontecer na sede da federação, em São Paulo (SP).

Entre os temas que devem ser discutidos estão o Pix, Open Banking e empréstimos para beneficiários do Auxílio Brasil. Alguns bancos ainda estão resistentes em oferecer crédito para inscritos no programa por medo de aumento no endividamento das famílias. O Bradesco, por exemplo, já informou que não vai disponibilizar os empréstimos.

Bolsonaro ainda deve apresentar as propostas que estão em seu plano de governo, além de discutir o cenário atual da economia do país. O encontro também contará com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, que deve esboçar o crescimento econômico do país nos últimos meses.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Esse será o primeiro encontro entre banqueiros e Bolsonaro após críticas feitas pelo presidente à carta escrita por membros da Universidade de São Paulo (USP) em apoio à democracia. A Febraban foi uma das instituições que assinaram o documento.

Segundo Bolsonaro, a carta tem viés político e seguiu as críticas do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, ao dizer que banqueiros assinaram o texto “pois perderam R$ 40 bilhões com o Pix”.  

A Febraban ainda deve se reunir com os presidenciáveis Lula (PT) e Simone Tebet (MDB) nos próximos dias. Ciro Gomes (PDT) ainda não tem a participação confirmada na reunião. 


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA