Tecnologia

Julgamento de bloqueio do WhatsApp é adiado no STF; veja o que já foi discutido

Publicados

em


source
WhatsApp
Reprodução

Bloqueios do WhatsApp foram alvo de sessão plenária no STF



O julgamento sobre a permissão de bloqueio do WhatsApp no Supremo Tribunal Federal ( STF ) foi adiado nesta quinta-feira (28). A sessão foi suspensa depois que o ministro Alexandre de Moraes pediu vista dos processos, permitindo que a Casa tenha mais tempo para estudá-los antes dos votos. 

Dois casos sobre temas similares correm pelo STF, uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) do relator Edson Fachin, e uma Ação Direta de Inconstitucionaldiade (ADI) da relatora Rosa Weber. A sessão de julgamentou se iniciou na última quarta-feira (27) e prosseguiu hoje. Antes do pedido de vista, apenas os relatores haviam votado em ambas as ações.

O julgamento deve decidir se juízes podem pedir o bloqueio de  aplicativos de mensagens para fins judiciais, como aconteceu em 2016. Além disso, alguns artigos do  Marco Civil da Internet foram colocados xeque.

Em junho de 2017, ambas as ações os passaram por audiência pública, na qual estiveram presentes representantes do WhatsApp , do Facebook, da Polícia Federal e do Ministério Público, além de especialistas de tecnologia. Esse episódio serviu para embasar muitos argumentos apresentados no Plenário do STF nesta semana. A decisão não vale apenas para o WhatsApp, mas também para os demais aplicativos de mensagens.

Leia Também:  Sem gastar muito: veja dicas de equipamentos para uma boa videoconferência

Entenda o que está em jogo

De modo geral, o Plenário do STF discute sobre decisões judiciais que suspenderam a comunicação por WhatsApp em 2016, bem como alguns artigos da lei do Marco Civil da Internet , que autoriza esse tipo de bloqueio. Na ocasião, o ministro Ricardo Lewandowski, então presidente do STF deferiu uma liminar que suspendeu os bloqueios.

Leia também: LGPD adiada: tire suas dúvidas sobre a lei que vai proteger seus dados

Cidadania x Juiz de Direito da Vara Criminal da Comarca de Lagarto (SE)

Na ação relatada pelo ministro Edson Fachin , os autores (Cidadania) argumentam que a suspensão de aplicativos de mensagem violam o artigo 5º da Constituição Federal, que coloca a liberdade de comunicação como direito fundamental. A ação vai especificamente contra o Juiz de Direito da Vara Criminal da Comarca de Lagarto (SE), que pediu por bloqueios no passado.

Depois de ouvir as sustentações orais das partes envolvidas, Fachin votou pela procedência integral da arguição. De acordo com o ministro, a criptografia é essencial para a privacidade dos usuários, e quebrá-la não pode ser uma opção legal. Ele entende, portanto, que juízes não podem determinar o bloqueio do WhatsApp , mas apenas um autoridade nacional pode fazê-lo.

Além dele, apenas a ministra Rosa Weber votou na ADPF, acompanhando o voto do relator.

Leia Também:  FaceApp nega que aplicativo seja inseguro para os usuários

Leia também: Clonagem do WhatsApp: Facebook paga R$16 mil a usuário que caiu no golpe

Partido da República (PR) x Presidente da República e Congresso Nacional

Já a ação da relatora Rosa Weber pontua que alguns dispositivos do Marco Civil da Internet que permitem o bloqueio de aplicativos como o WhatsApp seriam inconstitucionais . Isso porque os bloqueios violariam a prestação contínua de serviços, a livre iniciativa e a livre concorrência, além de atingir milhões de brasileiros. O autor da ação é o Partido da República (PR) e, do outro lado, estão o Presidente da República e o Congresso Nacional, responsáveis pela lei.

A ministra Rosa Weber não considerou os dispositivos inconstitucionais, mas votou com ressalvas. Ela julgou, portanto, algumas partes da ação improcedentes, enquanto outras seriam parcialmente procedentes. Para a ministra, a suspensão dos aplicativos de mensagem só podem acontecer se houver descumprimento da legislação no armazenamento de dados .

Por enquanto, o único voto além do da relatora na ADI foi o do ministro Edson Fachin , que acompanhou o voto de Rosa Weber .

Depois do pedido do ministro Alexandre de Moraes , justificado pela complexidade do caso, o julgamento foi interrompido. Agora, todos os ministros do STF têm mais tempo para estudar ambos os casos, e um novo julgamento será marcado pelo presidente da Casa.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Entenda como cobras voadoras podem ajudar na criação de robôs

Publicados

em


source

Olhar Digital

robôs
Reprodução

Chrysopelea paradisi em Sabah, na Malásia


Naturais do sul e sudeste da Ásia, as cobras da espécie Chrysopelea paradisi são notáveis pela  capacidade de saltar de árvores e planar no ar por distâncias de até 24 metros. Essa característica não só ajuda os animais a se locomoverem no habitat, mas também os auxilia a evitar predadores.


Quando estão em trajetória no ar, as serpentes promovem ondulações em seus corpos, como se estivessem deslizando no solo. O movimento chamou atenção de cientistas que, na última segunda-feira (29), publicaram um estudo na revista Nature com novas descobertas sobre a dinâmica das ondulações aéreas da Chrysopelea paradisi.

Em 2014, pesquisadores chegaram a analisar as forças aerodinâmicas presentes no saltos dos animais. Dessa vez, o objetivo principal foi entender com mais aprofundamento quais os efeitos das ondulações sobre a estabilidade das serpentes enquanto elas estão no ar.

Leia Também:  iPhone 12 terá câmera com lente de luxo, diz rumor

Para isso, a pesquisa usou um sistema de monitoramento de movimentos e acoplaram sensores em pontos específicos do corpo das serpentes. Em vídeo publicado pela Nature,  Isaac Yeaton, autor principal do estudo e pesquisador da Universidade Johns Hopkins (EUA), afirma que o princípio é o mesmo usado em filmes de ação em Hollywood .

Da natureza aos robôs

Os pesquisadores montaram uma espécie de estúdio para induzir os saltos das serpentes. A estrutura do ambiente contou com um chão forrado por espuma e uma espécie de escada. No topo da estrutura foram introduzidos galhos, em que as cobras eram posicionadas para o salto. Os cientistas ainda instalaram uma árvore falsa no meio do estúdio para que as serpentes tivessem um alvo e fossem incentivadas a pular.


Os sensores acoplados nas serpentes produziram dados, que formaram um modelo em 3D do movimento dos animais. Os autores então simularam saltos com e sem ondulações.

“Uma das conclusões deste estudo é que a ondulação aumenta a estabilidade das serpentes voadoras”, afirmou Yeaton. “Sem a ondulação as cobras ainda percorrem uma distância horizontal, mas o que acontece é que elas falham e acabam, praticamente, tombando”, completou.

robôs
Reprodução/YouTube/Nature

Robô-cobra criado pelos pesquisadores para reproduzir as ondulações


De acordo com o estudo, a ondulação gera uma combinação de movimentos horizontais e verticais que garantem que a cobra tenha um pouso adequado após o salto, permitindo que o animal alcance o solo de forma segura. Para os pesquisadores, a análise da ondulação das cobras voadoras ainda pode ter aplicações na robótica .

Leia Também:  Sem gastar muito: veja dicas de equipamentos para uma boa videoconferência

Yeaton afirma que o movimento de ondulação de cobras no solo já inspira movimentos de robôs na água e em ambientes arenosos.  “Podemos usar o que descobrimos sobre a ondulação aérea e traduzir isso para o robôs, a fim de garantir um ‘deslizamento’ bem-sucedido”, afirmou o cientista.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA