Economia

Jersey, Simental e Holandês: características de cada raça na produção de leite.

Publicados

em


source
Gado Holandês é a base da pecuária nacional, mas raças com menor volume e maior quantidade de sólidos no leite vêm conquistando mercado.
C&O Agro

Gado Holandês é a base da pecuária nacional, mas raças com menor volume e maior quantidade de sólidos no leite vêm conquistando mercado.

Líder mundial na produção de leite , a raça Holandesa também é destaque em terras brasileiras. Com longos períodos de lactação , as vacas podem produzir até 50 litros de leite/dia em 4 ordenhas. Além do grande volume de produção, é preciso destacar o constante melhoramento no volume de gordura e proteína do seu leite.

Parte deste sucesso se deve à diversidade de material genético disponível no mercado, com centenas de opções de reprodutores provados, de diferentes linhagens e famílias. Por esse e outros motivos, a raça é base da pecuária leiteira nacional.

Mas se engana quem pensa que o gado Holandês reina sozinho nos pastos brasileiros.

 As vacas da raça Jersey têm apresentado um crescimento constante na participação de mercado, e cada vez mais consolidado sua fama de “melhor leite do mundo”.

Considerada por muitos do setor leiteiro como uma raça “mantegueira”, o Jersey tem sido a opção de muitos pecuaristas para a produção de queijos, principalmente por sua característica genética e produção de leite com elevados de teores de sólidos, sobretudo nos quesitos gordura, proteínas e minerais.

Leia Também:  Volkswagen dá férias coletivas para 2,2 mil funcionários de Taubaté

Você viu?

“O leite de Jersey tem 25% mais cálcio e cerca de 50% a mais de gordura que as demais raças leiteiras. Essa é uma vantagem comparativa e competitiva, uma vez que a indústria de laticínios privilegia sólidos de leite, que aumentam sensivelmente a produção dos derivados”, explica Willian Labaki, sócio-diretor da Goldy Alimentos Premium, uma empresa com sede em São Paulo/SP que atua no mercado de lácteo desde 2001

Ele destaca ainda outras qualidades da raça, como maturidade precoce, longevidade (segundo ele a raça pode chegar até os 16 anos em pleno ciclo produtivo) e taxa de conversão alimentar que a coloca em vantagem na comparação com outras raças.

“O leite Jersey vem ganhando mercado de forma rápida e exponencial em várias parte do mundo, justamente pela sua característica. É uma vaca que com produtividade média de seis mil quilos de leite numa lactação de 300 dias, ou seja, por volta de 20 litros de leite/dia”, completa.

Leia Também:  Profissionais da saúde vítimas da Covid-19 podem receber indenização de R$50 mil

Na luta pelo posto de “melhor leite do mundo”, quem também vem conquistando espaço é o Simental , uma raça de origem suíça que ocupa posição de destaque na produção leiteira mundial.

De acordo com o biólogo Luiz Geraldo Barreto de Almeida, que presta consultoria para fazendas leiteiras na área de acasalamentos e manejo de qualidade de leite, o produto das vacas Simental leva vantagem sobre outras raças leiteiras, podendo chegar a 14% de sólidos totais (aqueles com maior quantidade de lactose, maltose e dextrose, que são a base da queijaria), contra 11% do Jersey e 10,3% do Holandês.

Segundo Almeida, é essa boa quantidade de sólidos que confere ao leite de Simental característica únicas para a produção de queijos. “Conheço um único laticínio que trabalha exclusivamente com queijo Simental. Depoimentos vindos desse laticínio dão conta de que para se fazer 1 quilo de queijo frescal, gasta-se cerca de 6 a 7 quilos de leite de Simental. Para se fazer o mesmo queijo, só que com leite de Holandês, você irá gastar até 10 quilos de leite. Ou seja, trabalhando com o leite de Simental o produtor tem até 30% a mais de rendimento na fabricação do queijo”, esclarece. 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Classe média encolhe no Brasil e chega ao menor patamar em 10 anos

Publicados

em


source
Classe média tradicional encolheu de 105 milhões de pessoas em 2020 para 100,1 milhões de pessoas em 2021
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Classe média tradicional encolheu de 105 milhões de pessoas em 2020 para 100,1 milhões de pessoas em 2021

A classe média brasileira encolheu ao seu menor patamar em mais de 10 anos , revela o estudo conduzido pelo Instituto Locomotiva, com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Com o aumento do desemprego e a queda no poder aquisitivo , os brasileiros de classe média deixaram de ser maioria no país .

Segundo os indicadores publicados pelo Instituto Locomotiva, o percentual de brasileiros na classe média caiu de 51% em 2020 para 47% em 2021 . Estima-se que cerca de 4,9 milhões de famílias regrediram da classe média para baixa neste período. Atualmente, a classe baixa corresponde a 47% da população, enquanto a elite corresponde a 6%.

Leia Também:  Há vagas: 5àsec vai abrir mais de 130 oportunidades de emprego

Os dados do IBGE apontam que em 2011, 54% dos brasileiros poderiam ser considerados de classe média, ante 8% da elite e 38% da classe baixa. Em 2020, a classe média passou para 51% da população, enquanto a elite regrediu para 6% e a classe baixa subiu para 43%.

Em números absolutos, a classe média tradicional encolheu de 105 milhões de pessoas em 2020 para 100,1 milhões de pessoas em 2021 . O levantamento toma como base os dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas conduzidas pelo IBGE. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA