Carros e Motos

Jeep Renegade Sport x Hyundai Creta Limited: modestos e interessantes

Publicados

em


Jeep Renegade e Hyundai Creta: o primeiro tem estilo consagrado e o outro aposta em linhas mais ousadas
Guilherme Menezes

Jeep Renegade e Hyundai Creta: o primeiro tem estilo consagrado e o outro aposta em linhas mais ousadas

Se é mesmo um SUV compacto que você que ter na garagem, a dupla Jeep Renegade e Hyundai Creta precisa estar na sua lista de opções. Escolhemos as versões que não pesam tanto no bolso em tempos de crise econômica e preços nas alturas. Mesmo assim, os dois já passaram bem da faixa dos R$ 100 mil.

Tanto o Jeep Renegade Sport (R$ 129.990) quanto o Hyundai Creta Limited (R$ 132.290) também têm a vantagem de serem equipados com motores de baixa cilindrada, sobrealimentados, que não gastam tanto combustível. Mas, sobre consumo vamos um pouco falar mais adiante. Agora, ficaremos com a questão dos equipamentos de série.

Além dos faróis de LED e de neblina, o SUV da Jeep se destaca por vir com um pacote de assistência à segurança que inclui alertas de mudança de faixa e de colisão frontal, além de frenagem de emergência e freio de estacionamento elétrico, itens que o rival da Hyundai não conta na versão Limited 1.0 turbinada.

Em contrapartida, o rival da marca coreana investe no conforto dos ocupantes, com mais espaço interno (2,61 m de entre-eixos ante 2,57 m do Renegade), inclusive no porta-malas (422 litros, contra 320 litros do rival). O Creta também vem com, sensores no para-choque traseiro para ajudar nas manobras, retrovisores rebatíveis eletricamente, faróis que ligam de modo automático e trocas de marchas no volante.

No dia a dia, porém, o Jeep Renegade se mostra mais ágil e com mais autonomia, além de ter melhores ângulos de entrada e saída para enfrentar obstáculos pelo caminho. O motor 1.3 turboflex rende mais que o 1.0 do Creta , com destaque para os 27,5 kgfm de torque a 1.750 rpm, ante 17,5 kgfm a 1.500 rpm. São 10 kgfm de força a mais no caso do SUV da marca americana, que é capaz de ir de 0 a 100 km/h em 8,7 s, ante 11,5s do rival.

Leia Também:  VW cai para sexto lugar entre as fabricantes nas vendas de abril

Se anda mais que o Creta , o Renegade deveria gastar mais também, certo? Sim, “pero no mucho”. De acordo com os dados do Inmetro, o Jeep faz 7,7 km/l na cidade e 9,1 km/l na estrada com etanol, ante 8,2 kml e 8,9 km/l respectivamente. Ou seja, ambos se equivalem.

A diferença mais significativa é que o Renegade tem um tanque um pouco maior (55 litros ante 50 litros do Creta), o que favorece a autonomia , que chega 501 km em trechos rodoviários, com etanol, ante 445 km do Hyundai, que também roda menos da cidade (410 km ante 424 km), ainda conforme os dados do Inmetro.

Hyundai Creta vem com interior um pouco mais caprichado do que do Renegade, com destaque para o multimídia
Divulgação

Hyundai Creta vem com interior um pouco mais caprichado do que do Renegade, com destaque para o multimídia

Os dois têm praticamente o mesmo vão livre do solo (18,6 cm no Jeep e 19 cm no Hyundai), mas o Renegade tem mais valentia para enfrentar valetas e obstáculos do gênero, com 21° de ângulo de entrada e 31° de saída, contra 20,4°e 28,3° do concorrente. Portanto, o Jeep se sai um pouco melhor em trechos com subidas e descidas. E a dupla vem equipada com rodas de pneus das mesmas medidas (215/60R 17).

Há quem torça o nariz para o visual do Hyundai Creta, que acaba de receber a linha 2023, com poucas novidades, como acionamento do teto solar por voz na versão topo de linha. O Renegade mudou no início de 2022 com desenho consagrado e com retoques que agradaram o público, com destaque para os faróis redondos de LED e vai continuar assim até a chegada da nova geração, prevista para chegar no primeiro trimestre de 2024.

Novo Jeep Renegade ganhou volante de Compass e poucos detalhes na renovação no início do ano
Divulgação

Novo Jeep Renegade ganhou volante de Compass e poucos detalhes na renovação no início do ano

Leia Também:  Conheça o Ford Puma, o pequeno modelo que inspirou o EcoSport

Por dentro, porém, o Creta se mostra mais estiloso e moderno que o Renegade, além de ter um acabamento ligeiramente mais caprichado. Quanto à parte de multimídia, a única vantagem do Jeep é o GPS nativo. O Hyundai oferece mais recursos, como carregador do celular por indução e controle de algumas funções do carro remotamente, via aplicativo.

Conclusão

Entre prós e contras, o Jeep Renegade sai com a vitória nesse comparativo por andar mais, gastar quase o mesmo e ter mais autonomia, além de se virar melhor em trechos com obstáculos pelo caminho, o que é importante em um SUV. Ficou devendo mais espaço interno e por toques conforto e sofisticação que o Hyundai Creta oferece.

O Jeep Renegade ainda vai ficar em torno de mais um ano do jeito que está até a chegada da nova geração, o que poderá ter versão híbrida .O Creta, por sua vez, é um projeto mais novo, mas poderá seguir o estilo do novo Tucson, inclusive no Brasil, como próxima mudança mais significativa.

Ficha técnica

Hyundai Creta Limited 1.0

Preço: a partir de R$ 132.290

Motor: 1.0, quatro cilindros, turboflex

Potência: 120 cv a 6.000 rpm

Torque: 17,5 kgfm a 1.500 rpm

Transmissão: Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / discos sólidos (traseiros)

Pneus: 215/60 R17

Dimensões: 4,30 m (comprimento) / 1,79 m (largura) / 1,64 m (altura), 2,61 m (entre-eixos)

Tanque: 50 litros

Porta-malas: 422 litros

Consumo: 8,3 km/l na cidade e 8,7 km/l na estrada, com etanol e 11,6 km/l e 12 km/l com gasolina, repectivamente

0 a 100 km/h: 11,5 segundos

Velocidade máxima: 180 km/h

Jeep Renegade Sport 1.3 turboflex

Preço: R$ 129.990

Motor: 1.3, quatro cilindros, turboflex

Potência: 185 cv (E) / 180 cv (G) 5.850 rpm

Torque:  27,5  kgfm a 1.750 rpm

Transmissão:  Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / discos sólidos (traseiros)

Pneus:  215/60 R17

Dimensões: 4,27 m (comprimento) / 1,81 m (largura) / 1,70 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque: 55 litros

Porta-malas: 320 litros 

Consumo etanol: 7,7  km/l (cidade) / 9,1 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 11 km/l (cidade) / 12,8 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 8,7 segundos 

Velocidade máxima: 210 km/h


Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros e Motos

Veja uma coletânea de histórias envolvendo o Jeep Grand Cherokee

Publicados

em

Jeep Grand Cherokee 2011 sobe no palco do Javits Center, em Nova York (EUA), durante apresentação do modelo
Divulgação

Jeep Grand Cherokee 2011 sobe no palco do Javits Center, em Nova York (EUA), durante apresentação do modelo

A criação da fama de um veículo sempre foi um espetáculo à parte. Fazendo um mergulho em fatos da história do Jeep Grand Cherokee é possível entender porque ele é reconhecido como um poderoso SUV. No ano de 2011, por exemplo, eu pude participar da conferência de lançamento do SUV, totalmente renovado.

O evento foi no Javits Center, um grande e famoso centro de convenção em Manhattan, Nova York. Um exemplar prata do Jeep Grand Cherokee veio rodando e subiu, como um astro, as escadas até o palco.

Foi criada toda uma estrutura para suportar os 2,1 mil kg e o 268 cv do modelo. A subida foi facilmente completada e a proposta foi mostrar indoor o funcionamento da suspensão a ar, das rodas independentes e molas helicoidais.

Leia Também:  Mobi supera Onix nas vendas da 1ª quinzena de março

Há 44 anos, o nome Cherokee praticamente se tornou uma marca própria. Entretanto, no ano passado, o chefe da Nação Cherokee afirmou que deseja que modelo da Jeep deixe de usar o nome de sua tribo.

A Stellantis , atual dona da marca, afirmou que “o nome foi escolhido cuidadosamente e cultivado durante anos para homenagear o povo nativo americano por sua bravura”.

Outro ponto interessante é que o Grand Cherokee passou sob a direção de grupos distintos. Além da Stellantis, que de quem herdou o nome Jeep, foi administrado pelas marcas Chrysler (montadora original) e Daimler .

Voltando ao presente, a Jeep confirmou que seu próximo lançamento no Brasil será o novo Jeep Grand Cherokee 4xe. Ele tem um sistema híbrido plug-in com uma potência combinada (gasolina e elétrico) de 380 cv e um consumo médio de 23,7 km/l.

Nada mau, mas o preço deve ser superior a R$ 400 mil. Um modelo para poucos mas, com a versão híbrida , representa mais um capítulo da série de histórias do Grand Cherokee .

Leia Também:  Nova KTM 1290 SuperDUKE R chega ao Brasil em julho por R$149,9 mil

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA