Política

Iriny cobra ações contra o racismo no país

Publicados

em


A morte da designer Kathlen Romeu, 24 anos, vítima de uma bala perdida durante uma operação policial em uma comunidade da zona norte do Rio de Janeiro foi repercutida pela deputada Iriny Lopes (PT) em seu pronunciamento durante a sessão ordinária híbrida desta quarta-feira (9). A jovem era negra e estava grávida. A parlamentar citou o caso para cobrar ações efetivas das autoridades no combate ao racismo e na garantia dos direitos humanos.

“Uma moça grávida, linda, jovem, que tinha toda vida pela frente. Mas ela tinha uma marca, uma marca que está sendo um divisor de águas no tipo de tratamento dado aos moradores dos morros e das áreas periféricas do Brasil. Ela era negra e isso tem feito a diferença. Eu acho que nós já perdemos quatro gerações de jovens friamente assassinados pelo fato de serem negros e negras”, lamentou Iriny.

A deputada chama a atenção para a diferença do tratamento dado pelas autoridades policiais aos negros. “O Estado, através de suas forças policiais, tem adotado uma postura que nos deixa indignados. Não precisa ser militante de direitos humanos pra ficar indignado, basta ser humanitário. O caso da Kathlen, o caso de tantas pessoas, o que marca essas pessoas? A sua questão geracional, são jovens e a sua questão racial, são negros e negras”, alertou.

A situação no Espírito Santo também foi comentada pela parlamentar. “Eu acho que aqui no Estado do Espírito Santo, o governo estadual deveria ter um olhar diferenciado para essa questão. Nós vamos procurar o governo para conversar sobre essa quantidade de mortes que está ocorrendo no Estado, os maus-tratos, o modo da abordagem totalmente desumana e completamente fora dos padrões. É muito diferente a abordagem de uma pessoa negra para uma pessoa branca e é muito maior o número de pessoas negras mortas pelas forças do Estado do que o de pessoas brancas”, concluiu.

Leia Também:  Iniciativa protege rios e lagoas capixabas

Imunização

O Dia Mundial da Imunização, celebrado nesta quarta-feira, foi lembrado pelo médico e deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB). “A imunização, para aquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de estudar, foi a mola mestra na recuperação em várias pandemias que aconteceram pelo mundo e também várias epidemias. O controle de inúmeras doenças foi possível se fazer no momento em que a população acreditou, as instituições públicas do nosso país acreditaram que a vacinação era a solução para esse grave problema e para outros que já aconteceram no passado”, afirmou o tucano.
Mameri cobrou celeridade no processo de vacinação contra a Covid-19 no país e lamentou que o governo Federal não tenha apostado na medida.

“Temos que intensificar a imunização. Sabemos que o Brasil ficou pra trás no início da imunização. Muitas pessoas não acreditaram que a solução para os nossos problemas seria através da ciência e através da imunização. Retardamos a maneira de nos comunicarmos com a população, criando dúvidas na cabeça das pessoas. E essas dúvidas trazem problemas até hoje”, lamentou.

O deputado Doutor Hércules (MDB) também falou sobre a data. “A vacinação é importante. É muito melhor você prevenir a doença, vacinar, do que tratar a doença. No Brasil, ao menos 1,5 milhão de pessoas não compareceram aos postos de vacinação para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19, isso é muito grave. Alguns dos motivos apontados por especialistas para o abandono da segunda dose é a escassez de vacina”, informou o parlamentar.

Leia Também:  Estado assume trecho de estrada no norte

Denúncia de ratos 

O deputado Torino Marques (PSL) trouxe uma nova denúncia na área da saúde. O parlamentar exibiu um vídeo, que segundo ele, foi gravado em um corredor do Hospital Dório Silva, na Serra, e mostra a presença de ratos no local. “Diversos vídeos foram gravados mostrando a infestação de ratos. São ratos pelos corredores, pelos quartos, em toda área do hospital. Segundo o acompanhante que fez essas filmagens, o hospital está com muito entulho, além de portas quebradas”, denunciou.

“Ambiente hospitalar, quero deixar bem claro, tem que ser limpo, estéril, com todo campo de atendimento livre de bactérias ou outros agentes que podem provocar infecção hospitalar ou até mesmo infecções de outras doenças em pessoas que já estão ali com a sua imunidade muito baixa”, concluiu Torino. 

Na sessão, parlamentares voltaram a comentar a Operação Volátil, da Polícia Federal, que investiga a empresa Tantum Solutions por suspeita de superfaturamento na venda de álcool em gel para o governo estadual. O tema foi objeto de discursos na sessão da última terça-feira (8).
 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Escola: PL exige diploma de educação física

Publicados

em


Tornar o ensino de educação física na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio prerrogativa exclusiva de profissionais com curso superior de licenciatura na área. Esse é o objetivo do Projeto de Lei (PL) 250/2021, elaborado pelo deputado Pr. Marcos Mansur (PSDB). 

De acordo com a iniciativa, a medida se estende a escolas públicas e particulares. O diploma profissional deverá ter sido expedido por instituição reconhecida e registrada no Ministério da Educação e Cultura (MEC) e devidamente registrado no respectivo conselho de classe.

“Muitas escolas que atuam na etapa da educação básica não possuem profissionais com licenciatura em educação física orientando ou ministrando as atividades programadas para esse componente curricular, que é obrigatório para toda a educação básica, nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)”, argumenta o autor na justificativa do projeto.

O deputado reforça que o desenvolvimento da capacidade física e das habilidades motoras são fundamentais para se evitar uma série de déficits motores e de outras limitações nos âmbitos cognitivo, socioafetivo e emocional em crianças e adolescentes. 

Leia Também:  Escola: PL exige diploma de educação física

“Não se deve prescindir dos conhecimentos específicos da área da educação física para aplicação na faixa etária dos educandos das etapas da educação básica”, afirma.

Em caso de aprovação e sanção da proposta, a lei derivada passa a valer a partir da sua publicação em diário oficial. As escolas, entretanto, terão o prazo de dois anos para se adequar à nova realidade. 

Tramitação

A proposição foi lida na sessão ordinária da última segunda-feira (14) e encaminhada para as comissões de Justiça, Educação e Finanças.
 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA