Agronegócio

Instrutores credenciados ao Senar-MT se atualizam durante suspensão de cursos

Publicados

em


Encerrou nesta quinta-feira (15.04) uma série de capacitações técnicas para instrutores credenciados ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT). Ao todo, foram quatro formações online durante a primeira quinzena de abril.

A atualização de conhecimento foi realizada por empresas parceiras da instituição que atuam dentro dos Centros de Treinamento (CTs) de Sorriso e Campo Novo do Parecis. As multinacionais Baldan, Texa, Bayer e DG-Stark apresentaram novas tecnologias e esclareceram dúvidas sobre seus produtos

Foram convidados os instrutores de Formação Profissional Rural (FPR) das habilitações relacionadas aos treinamentos ofertados. Dentre elas estiveram: Aplicação de agrotóxico; Pulverizador: Autopropelido e Tratorizado; Aplicação Costal Manual; Operação e Manutenção em: Trator, Colheitadeira e de Semeadura; Classificação e Armazenagem de grãos, dentre outros.

Segundo o engenheiro agrônomo Wanderley Gusmão, o conhecimento beneficiará os alunos dos cursos do Senar-MT. “O público dos treinamentos é muito variado e com tantos lançamentos no setor, a capacitação nos dá base para melhorar o nosso desempenho como instrutores”.

Para Cleber Muniz, instrutor credenciado em mecanização agrícola, a atualização é primordial e trará ganhos significativos. “As atualizações fazem com que alinhemos a nossa formação com a missão, visão e valores da instituição. É a chave do sucesso para manter um bom nível de treinamento”, avalia.

Leia Também:  Pesquisa inédita é realizada com produtores de soja do Brasil e dos EUA

Restrições – A sequência de capacitação para os instrutores visou aproveitar o período de suspensão total dos treinamentos do Senar-MT. A decisão de suspender as ações foi tomada em função do aumento de casos da Covid-19 no estado e também para cumprir os decretos municipais e estaduais que têm o objetivo de conter a disseminação do coronavírus.

“Estamos fazendo a atualização dos instrutores durante esse período de pausa para otimizar o tempo”, destaca o coordenador da Equipe Técnica do Senar-MT, Wlademiro Neto.

A partir da segunda-feira (19.04), os cursos poderão ser retomados nos municípios que tiveram a classificação de risco alterada: de muito alto para alto. Atualmente somam 110 cidades. O retorno deve ocorrer após alinhamento de todos os parceiros envolvidos nos eventos.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

CNA debate mercado futuro e previsibilidade de preços do leite

Publicados

em


Brasília (10/05/2021) A Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu na segunda (10) para discutir, entre outros temas, as oportunidades do mercado futuro e a falta de previsibilidade do preço do leite pago ao produtor.

Segundo o presidente da Comissão, Ronei Volpi, o mercado futuro é uma forma de o produtor vender o seu produto por um preço já conhecido, garantindo a margem no cálculo dos custos de produção. “É uma opção de comercialização aos produtores que precisam controlar a gestão de riscos”.

O diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sérgio De Zen, afirmou que a previsibilidade dos preços na pecuária de leite é fundamental. “O risco de preços passa pelo mercado futuro e através dele há uma transferência desse risco a fundos que estão dispostos a comprá-lo”.

De acordo com De Zen, o risco de preço foge do controle dos produtores, que não têm como financiar o fluxo de caixa. “Há uma diferenciação entre região, produto final e sistemas de produção, o que dificulta ainda mais a previsibilidade dos preços pagos pelo leite”.

Durante a reunião também foi discutida a situação do Programa Mais Leite Saudável (PMLS) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A inciativa permite que agroindústrias, laticínios e cooperativas participantes utilizem créditos presumidos do PIS/Pasep e da Cofins, da compra do leite in natura usado como insumo para produtos lácteos, em até 50% do valor a que tem direito, desde que apliquem 5% do montante em projetos de assistência técnica ao produtor.

Leia Também:  Pesquisa inédita é realizada com produtores de soja do Brasil e dos EUA

A coordenadora-geral de Produção Animal do Mapa, Marcella Teixeira, informou que, em cinco anos, o programa já atendeu 83 mil produtores. “São 1.014 projetos em 2.342 municípios e, desde 2015, já foram investidos R$ 418 milhões”.

Teixeira também falou do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL), instituído pela Instrução Normativa nº 77/2018, em que é definida a política do laticínio em relação à capacitação e qualificação dos seus fornecedores de leite. “O Plano é mais abrangente e permite o aprimoramento do PMLS no campo”.

O assessor técnico da CNA, Guilherme Souza, disse que o objetivo da apresentação foi discutir a situação do programa nos estados, pois algumas regiões ainda o desconhecem e lacticínios de menor porte têm encontrado dificuldades no credenciamento ou na previsão creditícia para sua operacionalização. A criação de um comitê para tratar dos indicadores dentro da porteira no âmbito do Mais Leite saudável foi debatida.

Outro tema que esteve na pauta da reunião foram as perspectivas para o mercado de leite em 2021 e 2022. De acordo com o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho, os preços internacionais de lácteos estão em patamar mais elevado, com destaque para manteiga e queijo.

Leia Também:  Estudo da CNA mostra que exportação de soja e milho pelos portos do Arco Norte cresceu 487,5% em 11 anos

“O preço pago ao produtor segue uma tendência de alta, sustentado pela redução da oferta interna e pequena recuperação nos derivados. Outra perspectiva é com relação à importação de lácteos pelo Brasil que segue em desaceleração e a exportação em aceleração, com importante desempenho em abril”.

Glauco pontuou alguns desafios para o setor em 2021/2022, como os custos de produção elevados e a demanda fraca contínua, consequência da pandemia do coronavírus, que diminuiu o poder de compra dos consumidores.

Para Ronei Volpi, os dados mostram que a previsão para esse ano é de mais dificuldade no controle dos custos de produção, exigindo cautela e planejamento por parte do pecuarista.

“Precisamos alavancar as exportações brasileiras como uma forma de equilibrar a oferta e demanda e ter previsibilidade de preços. É um objetivo de médio prazo que envolve acordos comerciais e sanitários, preparo dos produtores e das indústrias com relação à competividade, boas práticas e qualidade do produto”, disse.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA