Estado

Idaf apoia ações de controle sanitário nas divisas do Espírito Santo

Publicados

em


.

As equipes dos Postos de Fiscalização do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), localizados nas divisas do Estado, iniciaram, na manhã desta quarta-feira (25), a operação de controle sanitário, anunciada pelo governador Renato Casagrande na última reunião da Sala de Situação de Emergência em Saúde Pública. A ação é necessária para os trabalhos de prevenção e combate ao novo coronavírus (Covid-19).

As barreiras sanitárias serão realizadas na BR-101 Sul (Mimoso do Sul), BR-101 Norte (Pedro Canário) e BR-262 (Iúna). Participam do trabalho, neste momento, profissionais de saúde do Corpo de Bombeiros (com ambulâncias), tropas da Polícia Militar, além de servidores do Idaf.

Os veículos, tanto de passageiros quanto de cargas, estão sendo abordados e os ocupantes respondem a um questionário com perguntas sobre origem e destino da viagem, além de ser feita a medição de temperatura. Caso a pessoa apresente febre, será orientada a procurar uma unidade de saúde.

De acordo com o diretor-presidente do Idaf, Mário Louzada, o Instituto tem tido uma atuação relevante nesta situação de pandemia. “O Idaf realiza um trabalho essencial, que não pode parar. Nosso corpo técnico está ciente e comprometido com a causa. O controle nas barreiras é extremamente importante para garantir e monitorar o controle de pessoas e cargas que chegam e saem do nosso Estado. Além disso, também estamos mantendo em funcionamento outros serviços essenciais prestados pelo órgão no que se refere à defesa sanitária e inspeção animal e vegetal. Estamos nos mantendo vigilantes para contribuir para que a economia do Estado continue ativa, com a adoção de todos os cuidados sanitários necessários”, disse Louzada.

Leia Também:  Governo aumenta parceria com agricultores para merenda escolar

Para o técnico do Idaf, Ademar Leandro de Souza, que atua no Posto de Fiscalização Agropecuária de Pequiá, em Iúna, a população brasileira passa por um momento ímpar. “Nesta hora, acredito que podemos fazer a nossa parte, como servidores públicos e como seres humanos. Estamos dando a nossa contribuição, sobretudo na questão de segurança dos alimentos, que tanto preocupa as pessoas. A contenção de qualquer risco sanitário, que poderia piorar ainda mais este cenário atual, é fundamental. Estamos, sim, preocupados, mas estar na linha de frente é motivo de orgulho. Além disso, é uma grande satisfação poder mostrar pra sociedade a importância desse trabalho que o Idaf realiza diariamente em todas as divisas”, disse.

 

Texto: Francine Castro

Informações à Imprensa
Assessoria de Comunicação do Idaf
Francine Castro/ Rafaely Lyra Walter
(27) 3636-3774 / (27) 99237-5308
[email protected]

Assessoria de Comunicação da Sesp
Victor Muniz
(27) 3636-1572 / 99284-3303
[email protected]

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Casagrande participa de nova teleconferência com governadores do Sul e Sudeste

Publicados

em


.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, participou, na manhã desta quinta-feira (2), de uma nova videoconferência com os chefes dos Executivos dos estados que integram o Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud). Na reunião, os governadores decidiram cobrar ações urgentes do Governo Federal para evitar o colapso da economia em decorrência do avanço da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Esse foi a segundo encontro do grupo desde o agravamento da situação da doença no País.

Na carta produzida durante a reunião, os governadores Renato Casagrande, João Doria (SP), Wilson Witzel (RJ), Romeu Zema (MG), Eduardo Leite (RS), Ratinho Júnior (PR) e Carlos Moisés (SC) cobram medidas para os afetados pela crise, tanto as pessoas quanto as empresas. Os Estados alegam queda em suas arrecadações e demandam do Governo Federal uma maior ação pelo fato da maior parte dos tributos serem destinados a União, além da concentração das políticas monetária e da dívida pública.

Durante sua participação, Casagrande disse que aguarda a colaboração do Governo Federal na condução da crise. “Gostaria de reafirmar a minha concordância com o conteúdo proposto em nossa carta. Esperamos que o Governo Federal mantenha estabilidade nas posições e o presidente da República colabore para que a gente consiga resolver os problemas. Nosso principal problema hoje é a queda na arrecadação do ICMS. Daqui a pouco começaremos a ter dificuldades e os municípios também começarão a ter problemas”, pontuou.

O governador capixaba prosseguiu: “Sabemos que o número de infectados está em um crescimento exponencial. São Paulo já está com sobrecarga no sistema de saúde e sabemos que vamos sofrer aqui no Espírito Santo, por isso tomamos medidas enérgicas desde o primeiro momento para que possamos preparar nossa rede pública de saúde. Os estados do Sul e do Sudeste, pela concentração maior da população, vão sofrer”, observou.

Leia Também:  Cai em 56% o número de homicídios durante o Carnaval no ES

Confira a íntegra da carta dos governadores do Cosud:

GOVERNADORES DO SUL E SUDESTE SOLICITAM AÇÕES URGENTES DO GOVERNO FEDERAL PARA EVITAR COLAPSO ECONÔMICO

Os impactos econômicos e sociais da crise sanitária demandam ações efetivas e urgentes para prover rendimentos para todos os afetados, sejam indivíduos ou empresas. Nesse contexto, os Estados e Municípios não possuem meios de compensar quedas disruptivas em suas arrecadações, dado o desenho federativo que concentra no Governo Federal as políticas monetária, creditícia e de dívida pública, e estão, assim, entre aqueles que precisam de aportes de recursos emergenciais pela União.

As medidas anunciadas pelo Governo Federal corretamente identificam os indivíduos desassistidos, as empresas de menor porte e os governos subnacionais como aqueles que sofrem os impactos mais imediatos. Deve ser reforçada a efetiva operacionalização do que foi anunciado, tendo em vista o avanço das semanas.

Em relação aos Estados e Municípios, os anúncios realizados em 23 de março apresentam duas características que precisam ser aprimoradas. Em primeiro lugar, quase metade dos recursos refere-se a operações de crédito e securitização, cujo prazo de tramitação não permitirá recebimento de recursos a curto prazo; adicionalmente, a anunciada recomposição apenas das receitas do FPE e FPM, embora meritória, mostra-se de alcance restrito na medida em que possuem alta concentração regional na sua distribuição (78% do FPE, por exemplo, dirige-se para as regiões norte e nordeste do Brasil).

Os dados de atividade econômica são dramáticos e a queda de arrecadação do ICMS neste mês de abril já impactará gravemente os governos. Medidas adicionais emergenciais precisam ser viabilizadas, das quais destacamos:

Leia Também:  Sedu realiza reunião para fortalecer Política de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

a) Recomposição imediata – que não seja por operações de crédito, pela sua tempestividade – de perdas de outras receitas além do FPE ou FPM, notadamente ICMS, royalties e participações especiais da atividade de óleo e gás, queda da safra entre outros fatores;

b) Inclusão do financiamento às empresas para os pagamentos de impostos entre as alternativas a serem oferecidas pela rede bancária, a exemplo dos pagamentos de funcionários;

c) Aprovação de emenda constitucional com prorrogação do prazo final de quitação de precatórios e suspensão do pagamento pecuniário dos mesmos por 12 meses, mantidos os pagamentos das requisições de pequeno valor;

d) Suspensão dos pagamentos de dívida com a União por 12 meses, com retorno progressivo;

e) Assunção pela União dos pagamentos junto a organismos internacionais enquanto durar a calamidade financeira nacional, sendo tais montantes incorporados ao saldo da dívida dos Estados com a União;

f) Suspensão dos pagamentos mensais do PASEP ou sua quitação por meio do gasto local em ações de saúde e assistência social;

g) Aprovação pelo Congresso Nacional do PLP 149 (Plano Mansueto), na forma do substitutivo apresentado pelo Deputado Pedro Paulo (RJ);

h) Aprovação de emenda constitucional consagrando o cômputo das despesas de inativos nas aplicações em educação e saúde, medida alinhada com a questão previdenciária nacional.

Tendo em vista que parte dos itens acima relacionados envolve mudanças legislativas, os governadores apresentam, anexada a esta carta, minuta de Proposta de Emenda Constitucional a ser considerada pelo Congresso Nacional.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Governo
Giovani Pagotto
(27) 98895-0843

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA