Saúde

Hospital de diagnóstico de câncer ganha espaço humanizado no Rio

Publicado em

O Hospital Municipal Jesus (HMJ), especializado em atendimentos pediátricos e referência para o diagnóstico de câncer infantil na rede pública do Rio de Janeiro, inaugurou hoje (22) duas novas salas de exames humanizadas. Com elas, é concluído o projeto de humanização do setor de radiologia daquela unidade, que faz cerca de 50 mil consultas por ano.

O projeto tem a assinatura do artista e arquiteto brasileiro Gringo Cardia e foi viabilizado pelo Instituto Desiderata, organização da sociedade civil de interesse público (Oscip), em parceria com a Chevron Brasil. Os atendimentos no novo espaço serão iniciados ainda este mês.

O secretário municipal de Saúde, Rodrigo Prado, destacou, em entrevista à Agência Brasil, que o ambiente humanizado ajuda a tranquilizar as crianças na hora dos exames. “E até reduz a necessidade de alguns exames das crianças”, disse. Ele considerou fundamental a realização de exames o mais cedo possível “para ter o diagnóstico mais precoce”.

Acrescentou que, ao entrar em um ambiente humanizado e lúdico, “com certeza as crianças vão se sentir bem fazendo exames e aceitando melhor o tratamento”.

O arquiteto Gringo Cardia transformou o setor de exames do HMJ em um ambiente lúdico e agradável, inspirado no fundo do mar. Esse ambiente humanizado permite que exames demorados e que, muitas vezes, exigem procedimentos invasivos, sejam feitos de maneira mais tranquila para acalmar os pacientes.

O setor recebeu também um aparelho telecomandado, doado ao hospital pelo Instituto Fernandes Figueira (IFF) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O equipamento permite a realização de estudos contrastados de maneira dinâmica, em tempo real, possibilitando a aquisição da imagem da escopia, muitas vezes submetendo a criança a uma exposição à radiação menor que a de uma radiografia convencional.

Leia Também:  Cachoeiro: para conter avanço da dengue, Saúde reforça ações de prevenção e combate

O HMJ é o único hospital da rede pública municipal a realizar exames contrastados e é referência no atendimento pediátrico, atendendo pacientes de zero a 18 anos.

Águas Vivas e Robôs

Por realizar procedimentos mais demorados e complexos que as demais salas, a nova Sala do Telecomando foi transformada em um universo carregado de luz e movimento, chamado Jardim das Águas Vivas.

Já a Sala de Raios X virou a Sala dos Robôs Abissais. Ali, os equipamentos são representados por robôs subaquáticos, seguindo uma proposta estética similar à da Sala dos Robôs Submarinos, inaugurada em 2020, no mesmo setor. Os equipamentos do hospital fazem um trabalho similar ao dos robôs subaquáticos, que é explorar e diagnosticar o paciente.

A diretora executiva do Instituto Desiderata, Renata Couto, informou que o projeto de humanização de espaço oncológico, tanto de diagnóstico como de tratamento, começou em 2012, no HMJ. Mas, desde 2007, já foram entregues espaços humanizados em mais quatro hospitais públicos do Rio de Janeiro. O 1º Aquário Carioca, sala de quimioterapia pediátrica, por exemplo, foi inaugurado no Hospital Federal dos Servidores do Estado, em 2007.

“A gente faz esse projeto porque tem muita confiança nessa metodologia, porque é um momento muito delicado para as crianças, as famílias e os cuidadores, pela descoberta de um câncer em fase infantil”, explicou.

Para ela, o câncer infanto juvenil tem 80% de chance de cura, embora seja mais agressivo do que o câncer em adultos porque evolui muito rapidamente. “Todo o trabalho do Desiderata é para garantir o diagnóstico precoce. O instituto é uma articulação em rede de vários serviços especializados, gestores de saúde e outras organizações civis para garantir o diagnóstico e o tratamento intenso. Porque o câncer infantil não pode esperar”, especificou.

Leia Também:  Unimed Sul Capixaba faz ação nesta quinta-feira para estimular alimentação saudável

Ansiedade

Nos outros espaços que o instituto já tem humanizado, a situação de ansiedade é minimizada. “As crianças se sentem menos ansiosas, com menos medo, têm menos dor. Já há registro, inclusive, do uso de menos anestésicos nesses locais porque, às vezes, só o diagnóstico pode ser um pouco invasivo, tem que colocar um cateter. Essas situações são necessárias, mas elas podem ser amenizadas”, disse Renata.

Segundo a diretora executiva do instituto, os pais e cuidadores relatam também que o espaço humanizado facilita o engajamento das crianças no tratamento, porque elas se sentem mais estimuladas a ir e a frequentar os locais. Do mesmo modo, os profissionais de saúde ficam mais motivados nesses ambientes de trabalho. “A gente só vê resultados positivos e acredita que a saúde deve ser mais acolhedora. Com o público infantil, a gente tem que ter mais cuidado”, observou.

A humanização realizada no HMJ teve aporte de cerca de R$ 400 mil do Instituto Desiderata e Chevron Brasil. Inaugurado em 1935 e localizado em Vila Isabel, zona norte do Rio, o Hospital Municipal Jesus faz parte da estratégia de diagnóstico precoce do câncer infantil “Unidos pela Cura”.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Anvisa analisa cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos

Published

on

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, nesta quinta-feira (11), o balanço dos pedidos de registro de produtos para o diagnóstico de varíola dos macacos. No total, foram cinco pedidos e todos já tiveram sua análise iniciada.

Segundo a agência, os dois primeiros produtos foram Viasure Monkeypox Virus Real Time PCR Detection Kit, fabricado na Espanha pela empresa CerTest Biotec, e Monkeypox Virus Nucleic Acid Detection Kit, fabricado na China pela empresa Shanghai BioGerm Medical Technology. Ambos são ensaios moleculares, passaram pela avaliação do corpo técnico da Anvisa e aguardam complementação de informações por parte das empresas solicitantes para continuidade da análise.

O terceiro produto, que teve o pedido de registro submetido no dia 8 de agosto, também é um ensaio molecular e corresponde ao Standard M10 MPX/OPX, que tem como fabricante legal a empresa nacional Eco Diagnóstica, mas que tem parte da sua produção ocorrendo em outro país. A análise técnica da documentação está em curso.

Os pedidos mais recentes deram entrada na quarta-feira (10). Um deles, o Monkeypox Virus Antigen Rapid Test, o primeiro pedido relacionado a teste rápido para detecção de antígeno, fabricado pela empresa chinesa Shanghai BioGerm Medical Technology, e o produto Kit Molecular Monkeypox (MPXV) Bio-Manguinhos, fabricado no Brasil pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos.

Leia Também:  Casos acumulados de covid-19 passam de 30 milhões no Brasil

Em nota, a Anvisa destacou que a prioridade é “a avaliação de todos os pedidos de registro de produtos para diagnóstico in vitro que possam ser utilizados como recurso para o enfrentamento da monkeypox [varíola dos macacos, em inglês]”.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA