Saúde

Hospitais filantrópicos de Cachoeiro relatam dificuldades financeiras

Publicado em

?Os recursos que vêm do SUS não são suficientes para pagar quase nada, apesar da grande contribuição do governo do Estado?, disse Theodorico Ferraço

Por | 00.00.

(Foto: Reprodução/Web Ales)

Diante da possibilidade de fechamento de hospitais de Cachoeiro de Itapemirim que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) por falta de recursos, de equipamentos e demissões de funcionários, o presidente da Assembleia Legislativa (Ales), Theodorico Ferraço (DEM), solicitou e conduziu a audiência pública da Comissão de Saúde para debater a questão com a comunidade local. A reunião foi realizada na última sexta-feira (19), na Câmara Municipal e os trabalhos foram abertos por Doutor Hércules (PMDB), presidente do colegiado.

Segundo Ferraço (DEM), depois de algumas reuniões com os hospitais no município e com autoridades do Estado, chegou-se a conclusão de que seria importante uma audiência em Cachoeiro para levar o resultado dos debates ao Executivo Estadual. “Os recursos que vêm do SUS não são suficientes para pagar quase nada, apesar da grande contribuição do governo do Estado”, reconheceu. 

Santa Casa

Dom Dario Campos, presidente Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro, destacou que o problema não é apenas da unidade que comanda, mas dos hospitais filantrópicos, e que se trata de atendimento a pessoas. Campos relatou o questionamento que recebeu sobre a crise do hospital quando foram inauguradas oito Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) novas. Ele explicou que tais UTIs são para angariar recursos dos particulares e convênios. 

Leia Também:  Rio de Janeiro começa a vacinar crianças de 4 anos contra covid-19

Superintendente da Santa Casa, Nercedes Canal, explicou que a Tabela SUS está defasada. “É uma realidade da qual não temos como fugir. A Tabela SUS está congelada há cinco anos e o Estado não consegue suprir a defasagem”. Ela relatou as dificuldades trazidas pela legislação, como a exigência de um farmacêutico no hospital e a proibição do trabalho de funcionárias grávidas. 

Além disso, frisou, é preciso cumprir a legislação trabalhista. Nercedes Canal disse que não está reclamando das leis, mas perguntou de onde sairão tantos recursos. De acordo com ela, o setor de hemodiálise é antigo e tem custo muito alto para a sua manutenção. 

Hospital Evangélico

O presidente do Hospital Evangélico Cachoeiro, Elizeu Crisóstomo de Vargas, destacou que na região não há hospitais públicos e, por isso, recebem recursos do Estado, mas insuficientes. Ele ressaltou que o Evangélico presta serviço de alta complexidade, por isso, mais caros. Segundo ele, pela manhã, é grande a fila de ambulâncias de todos os municípios da região que trazem pacientes para serem atendidos. 

Vargas reforçou que os valores recebidos do SUS são simbólicos e que os profissionais trabalham por amor. Ele reivindicou que os contratos sejam reajustados na proporção dos custos diretos e indiretos dos serviços do hospital. 

Leia Também:  São Paulo reinicia vacinação de crianças contra covid-19

Ele disse que a dívida do hospital é duplamente castigada: pela falta de reajuste dos contratos e dos empréstimos caros que são obrigados a tomar dos bancos. O déficit em julho deste ano já era de R$ 10 milhões. “O cidadão quer ser atendido, ele está em busca de solução de sua saúde. Isto tem nos angustiado muito”, enfatizou.

Hospital Infantil

Winston Roberto Soares Vieira Machado, presidente do Hospital Infantil Francisco de Assis, disse que além das defasagens que os outros hospitais apresentam, o Infantil perdeu a renda do estacionamento rotativo (R$ 70 mil mensais), por exemplo. Em 2015, informou Machado, a unidade perdeu 20% das receitas. 

O deputado Ferraço, ao final da reunião, informou que os depoimentos gravados e os documentos recebidos serão encaminhados às autoridades estaduais e federais para que possam tomar conhecimento da realidade dos hospitais de Cachoeiro de Itapemirim.

A Comissão de Saúde e Saneamento é composta por Doutor Hércules, presidente. Almir Vieira (PRP), vice-presidente; Erick Musso (PMDB) e Pastor Marcos Mansur (PSDB) são membros efetivos. Eliana Dadalto (PTC), Dary Pagung (PRP), Hudson Leal (PTN), Amaro Neto (SD) e Marcos Bruno (Rede) são suplentes.

Fonte: Web Ales

COMENTE ABAIXO:

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Fim de semana de vacinação contra a covid-19 e gripe na cidade de SP

Published

on

Diversos postos de saúde estarão abertos neste fim de semana para que moradores da cidade de São Paulo possam se vacinar contra a covid-19, gripe e outras doenças incluídas na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e multivacinação.

Neste sábado, a vacinação ocorre nas Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/Unidades Básicas de Saúde (UBSs) Integradas, que estarão abertas até as 19h.

Já amanhã (14), o serviço estará disponível em cinco parques da capital paulista: Buenos Aires, Severo Gomes, do Carmo, da Juventude e Ceret. Essa vacinação está sendo feita das 8h às 17h. Também estarão abertos dois postos na Avenida Paulista: uma tenda, localizada na altura do número 52, e uma farmácia parceira, localizada no número 995. Nesses dois locais, o horário é das 8h às 16h.

A campanha nacional de vacinação contra a poliomielite está para crianças de 1 ano a 5 anos. Também ocorre a multivacinação para atualização de caderneta de crianças e adolescentes com até 15 anos.

Na multivacinação, são disponibilizados imunizantes como: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), BCG, pentavalente, vacina inativada poliomielite (VIP), vacina oral poliomielite (VOP), pneumo 10, rotavírus, meningo C, meningo ACWY, varicela, hepatites A e B, febre amarela, DTP (difteria, tétano e coqueluche), dupla adulto, HPV e pneumo 23.

Leia Também:  Número de doadores de órgãos volta a cair em 2021, diz associação

A vacina contra a covid-19 está disponível para crianças de 3 e 4 anos de idade com deficiência permanente, comorbidade e indígenas, além de crianças de 5 a 11 anos, adolescentes e adultos. Já a segunda dose adicional [ou quarta dose] está disponível para pessoas acima dos 18 anos que tenham tomado a primeira dose adicional [ou terceira dose] há pelo menos quatro meses. Adolescentes de 12 a 17 anos com imunossupressão também poderão tomar a dose adicional.

A secretaria municipal da saúde informa que também está disponível a terceira dose adicional [ou quinta dose] contra a covid-19 para pessoas com alto grau de imunossupressão acima de 40 anos.

Mais informações e a lista dos postos de vacinação que estarão abertos neste final de semana na capital paulista podem ser encontradas no site Vacina Sampa.

Edição: Aécio Amado

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA