Política

Hepatite B lidera número de casos no estado

Publicados

em

Dos 175 casos de hepatites virais registrados entre 1º de janeiro e 23 de junho deste ano no Espírito Santo, 122 são do tipo B (HBV), o que corresponde a quase 70% das notificações no estado. Apesar de não ter cura, a hepatite B pode ser prevenida.

A transmissão da doença ocorre por meio do sangue, saliva e fluidos genitais; por isso, é considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST). Estudo que avaliou 587 portadores crônicos de HBV acompanhados no Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam) aponta que a transmissão vertical e intrafamiliar é a principal responsável pelos casos registrados no Espírito Santo. 

Acesse aqui o estudo (versão em inglês)

A médica e professora do Departamento de Clínica Médica da Ufes Tânia Queiroz Reuter Motta, uma das autoras da pesquisa, explica sobre essa forma de transmissão. “A doença é passada da mãe para o filho durante a gravidez ou no parto. Essa é uma das principais razões para o Espírito Santo apresentar mais casos de hepatite B do que os outros estados. Aqui temos cerca de três vezes mais do que a prevalência nacional da doença, que é de 0,5% da população”, afirma. 

Montagem Tania 
Por isso, o pré-natal seguro ajuda a mitigar o problema. “Antes, não era obrigatório testar a grávida para HIV, hepatites B e C, sífilis. Agora o teste é feito no primeiro e no último trimestre da gestação para evitar a contaminação vertical”, destaca.

O estudo mostrou, ainda, que o genótipo A do vírus da hepatite B é o mais prevalente no estado. O genótipo é uma variante viral, sendo o tipo A encontrado com mais frequência no norte da Europa, América do Norte e África Subsaariana. A prevalência do genótipo A no Espírito Santo “pode ser resultado da população africana trazida durante o período colonial da escravidão (século XVI) e da população de imigrantes europeus, principalmente italianos (no século 19 e início do século 20)”, aponta o artigo.  

Os microssistemas propícios à contaminação, com muita aglomeração de pessoas e compartilhamento de agulhas – como a população em situação de rua, usuários de drogas e apenados – também colaboram para a transmissibilidade. 

O vírus HBV é potencialmente mais infeccioso que os da hepatite C e do HIV, mas pode ser evitado especialmente por meio da vacinação, uso de preservativo nas relações sexuais e não compartilhamento de seringas, agulhas, material de manicure e pedicure, além de outros instrumentos perfurocortantes ou objetos de higiene pessoal que possam ser meios de disseminação da doença.

Evolução

Na maioria das vezes o próprio sistema imunológico combate espontaneamente a infecção causada pela hepatite B até seis meses após o início dos sintomas, que podem se manifestar por meio de cansaço, enjoo, febre baixa e dor abdominal. Quando isso não ocorre, a infecção é considerada crônica e não tem cura, sendo possível apenas o controle por medicação via oral, uma vez por dia, durante toda a vida.

Com o tratamento, a qualidade de vida do paciente fica preservada. “Não é necessária nenhuma restrição. A pessoa vive normalmente. Só não pode fazer uso abusivo do álcool, mas isso é uma recomendação para a população em geral. O álcool é um acelerador da doença”, observa Tânia Reuter.

Vale destacar que nem todo mundo precisa de tratamento farmacológico para a hepatite B. A médica explica que, em cerca de 2% dos casos, a doença regride espontaneamente: “Há também as pessoas que têm o vírus, mas a doença não evolui. São portadores com a doença inativa. Nessa situação, o portador do vírus só faz atendimento ambulatorial e consulta semestral.”

Leia Também:  Cachoeirense da gema será secretária de Comunicação no governo Hartung

A indicação de tomar ou não a medicação levará em conta a carga viral, a atividade inflamatória e o grau de fibrose no fígado. A cada consulta a necessidade de medicação é reavaliada com base nesses três fatores.

A falta de tratamento, por outro lado, gera graves consequências e a doença pode progredir para cirrose hepática (ainda que a pessoa não consuma álcool) ou para o câncer de fígado.

Vacina contra a hepatite B

A vacinação é a melhor forma de prevenção contra a hepatite B. Conforme informações disponibilizadas no site do Ministério da Saúde, o imunizante é aplicado em três doses. A primeira é logo após o nascimento. A segunda com 1 mês de vida e a terceira aos 6 meses. A pessoa fica, assim, protegida para o resto da vida, sem necessidade de dose de reforço. Para os adultos que não se vacinaram na infância, são três doses com intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda dose e de 180 dias entre a primeira e a terceira dose.

FOTO LEGENDA VACINAÇÃO
Hepatite

A hepatite é a inflamação do fígado que pode ser causada por vírus, mas também por uso de alguns remédios, álcool ou drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e até genéticas. As hepatites virais podem ser causadas pelos vírus A, B, C, D (Delta) e E.

Conforme dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), entre os anos de 1999 e 2021, foram confirmados 16.333 casos de hepatites virais no Espírito Santo. Uma média de 742 registros ao ano. Desses, 2.653 (16%) foram causados pelo vírus da hepatite A, 8.852 casos (54%) pelo vírus da hepatite B e outros 4.828 (30%) pelo vírus da hepatite C.
Arte - tipos de hepatites
Entre 1999 e 2021, o estado não teve casos de hepatites D e E. O motivo, conforme a Sesa, é que “a hepatite Delta não é endêmica no estado e não tivemos casos com confirmação sorológica nesse período. Houve casos esporádicos de hepatite E no Brasil até meados da década de 90 (nenhum no Espírito Santo)”.

Sintomas

Uma das características mais marcantes da pessoa com hepatite é a icterícia, que consiste no amarelamento da pele e dos olhos. Outros sintomas comuns são mal-estar, náuseas e vômitos, urina escura e fezes esbranquiçadas.