Saúde

Havendo vacina validada, teremos condição de produzir, diz presidente da Fiocruz

Publicados

em

 

 

source
Fiocruz
Peter Ilicciev/Divulgação

Primeira mulher a presidir instituição, Nísia Trindade falou sobre os avanços na busca por uma vacina contra a Covid-19

No primeiro semestre de 1900, o Rio de Janeiro enfrentava um sério surto de peste bubônica, uma infecção grave transmitida por pulgas. Em 25 de maio daquele ano, o bacteriologista Oswaldo Cruz criava, numa bucólica fazenda numa área rural da cidade, o Instituto Soroterápico Federal. Após 120 anos, o mesmo lugar, agora Fiocruz, tem protagonismo contra a maior pandemia do século 21, provocada pelo Covid-19.

Leia também: Vital Brazil e UFRJ testam soro hiperimune para tratar Covid-19

À frente da instituição, a socióloga Nísia Trindade, primeira presidente mulher da história da Fiocruz , diz que há dois grupos de pesquisadores trabalhando na busca de uma vacina e garante que, ainda que ela venha de fora, poderá ser produzida no Brasil.

“Vacina requer muito conhecimento de laboratório mais uma fase importantíssima de estudo clínico. Seria fantástico produzir de grupos nacionais, mas, junto com o Ministério da Saúde, estamos trabalhando para formar um painel de avaliação de vacinas candidatas estrangeiras e, havendo uma vacina validada por estudo clínico e de acesso para o mundo, a Fiocruz terá condições de produção. Daí a importância da resolução da OMS de que vacinas e medicamento são bens públicos, sem lucro. Uma vez identificada vacina e definida com o Ministério da Saúde, a Fiocruz tem condições para contribuir”, afirmou Nísia.

Sobre as iniciativas da instituição no combate ao novo coronavírus (Sars-Cov-2), ela revela que existem diversas frentes, como vigilância, sentinela de casos, preparação para diagnóstico, controle da evolução da doença, sistema de dados, atenção aos pacientes, e ressalta a importância das ações “não visíveis”.

Leia Também:  Covid-19: DF flexibiliza restrições e vai vacinar quem tem 30 anos

“A informação é uma ferramenta importante e, sem ela, não há como saber a evolução da doença, se é momento de relaxar ou de fortalecer medidas de isolamento. Fornecemos informação confiável, dados epidemiológicos, permitindo que o conhecimento seja usado para criação de políticas públicas”, disse.

Leia também: Posso confiar no exame? entenda quando o teste para Covid-19 deve ser refeito

Segundo ela, a Fiocruz é vista como referência no país, o que significa que “além de tratar os pacientes contribuímos para protocolos, com estudos clínicos sobre medicamentos, pesquisas internacionais. As duas pontas estão ligadas: a atenção ao paciente e o estudo clínico, muitas conclusões vão se dar, infelizmente não na velocidade de transmissão do virus. É uma corrida”.

Combate à pandemia

“Com tantas desigualdades, não só sociais, mas também regionais, de infraestrutura, de distâncias, o Brasil é muito complexo e temos que olhar isso. Claro que temos que nos mirar no melhor do mundo porque o Brasil tem potência, história e o Sistema Único de Saúde, um aliado de valor inestimável. O SUS articula muitas dimensões com programas de êxito e foi acionado para responder, mas a epidemia também expõe as fragilidades, como a falta de saneamento, de moradia.

De acordo com Nísia, a dependência tecnológica é uma questão importante, visto que, mesmo com recursos do ministério, foi difícil a importação de ventiladores mecânicos, dos equipamentos de proteção individual, além de fármacos, que são importados quase em sua totalidade: “Precisamos ter formas de não ser tão dependentes. Isso tem que estar no radar”.

Leia Também:  Governo de São Paulo recebe nova remessa de IFA

Lockdown e cloroquina

Questionada sobre os repasses e a relação com o Ministério da Saúde, ela afirmou que o aumento aconteceu confrome as atividades de combate ao vírus também cresceram. Ela listou, inclusive, algumas das medidas que estão ocorrendo, como os estudos clínicos com a cloroquina e a hidroxicloroquina, além da ampliação de capacidade de produção de teses PCR e rápidos.

Leia também: Covid-19: Conheça 4 métodos de vacina que querem imunizar humanos

“É um conjunto de ações importante. Além da nossa contribuição para América Latina e Caribe, já treinamos laboratórios e temos cooperação histórica. Isso só é possível porque trabalhamos em rede”.

Por fim, sobre a implementação de lockdown no país, Nísia ressaltou que a compreensão da pandemia é desigual e está ligada a desigualdade social, visto que muitos trabalhadores encontram-se em situações precárias, além de moradires que não permitem a fácil aceitação e utilização das recomendações de distanciamento social.

“Não existiria uma medida única no Brasil, as medidas de isolamento social respeitam parâmetros, como o número de casos, óbitos, capacidade da rede de dar resposta, capacidade de testagem. A Fiocruz foi consultada e respondeu a um questionamento em relação à situação do Rio de Janeiro, numa situação de escalada de casos, 80% dos leitos ocupados, falta de profissionais de saude, que adoeceram. Cada medida que propomos tem fundamentação cientifica”, finalizou ela.

Leia também: Vitamina D não tem eficácia contra Covid-19, afirma estudo

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: média móvel de mortes fica abaixo de mil pelo terceiro dia

Publicados

em


Depois de seis meses seguidos com uma média de mais de mil vítimas diárias de covid-19, o Brasil registrou ontem (2) o terceiro dia consecutivo com a média móvel de sete dias abaixo desse patamar, segundo o painel de dados Monitora Covid-19, mantido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A média móvel de mortes é calculada somando as mortes confirmadas nas últimas 24 horas com as que foram registradas nos seis dias anteriores. O resultado é dividido por sete. Esse dado é observado por pesquisadores para avaliar a tendência de evolução da pandemia de forma mais clara, já que menos informações são notificadas pelas secretarias de saúde municipais e estaduais nos fins de semana e ficam represadas nos primeiros dias de semana, gerando grande oscilação nos números.

Em queda desde a segunda quinzena de junho, a média móvel de mortes chegou a menos de mil (988,86) em 31 de julho, e manteve esse patamar em 1° de agosto (987,14) e 2 de agosto (960,14). Essa foi a primeira vez que a média ficou abaixo de mil desde 23 de janeiro deste ano, quando atingiu 1.021,29 vítimas. Daquela data até o fim de julho, o Brasil viveu o período mais letal da pandemia, com picos em que a média móvel superou 3 mil mortes diárias.

Leia Também:  Cachoeiro tem mais de 100 mil pessoas vacinadas contra a Covid-19

Pesquisadores da Fiocruz apontam o avanço da vacinação como a explicação para a redução nas mortes e internações por covid-19. No último boletim Observatório Covid-19, divulgado na semana passada, a fundação ressaltou, entretanto, que o número de óbitos se mantém em patamar muito elevado e que os casos de covid-19 continuam aumentando.

“A diferença entre a curva de novos casos e a curva de óbitos é mais um indício da nova fase da pandemia no Brasil, em que há intensa circulação do vírus, mas com menor impacto sobre as demandas de internação e sobre o número de mortes”.

Apesar da queda das últimas semanas, o patamar da média móvel de mortes ainda supera a maior parte do ano passado. Enquanto em 2021 houve mais de seis meses seguidos com mais de mil vítimas diárias, em 2020, o indicador ficou acima desse nível entre 4 e 10 de junho, entre 19 e 29 de junho e entre 3 de julho e 7 de agosto. Também foram registradas mais de mil vítimas em 10, 11 e 22 de agosto, segundo o painel de dados da Fiocruz.

Entre setembro e novembro de 2020, a média móvel de mortes por covid-19 no Brasil recuou, chegando a 323 mortes diárias em 11 de novembro. A partir daí, houve uma nova tendência de alta, fechando o ano com 706 mortes diárias em 31 de dezembro. Fatores como o relaxamento das medidas de isolamento, as festas de fim de ano e a disseminação da variante Gama (P.1) fizeram com que a média móvel de mortes continuasse a aumentar em janeiro até igualar e superar os piores momentos da pandemia em 2020.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 557,2 mil mortes e 19,95 milhões de casos

A situação continuou a piorar em fevereiro e março, e o Brasil registrou mais de 2 mil mortes diárias na média móvel de forma ininterrupta entre 17 de março e 10 de maio. Enquanto a maior média móvel de vítimas registrada em 2020 foi de 1.096.71 mortes diárias, em 25 de julho, o indicador chegou a 3.123, 57 mortes em 12 de abril de 2021.

A média de mortes caiu ao longo de maio de 2021, mas ainda se manteve acima de 1,5 mil vítimas por dia. Entre 6 e 19 de junho, houve uma nova alta, e a média voltou a superar as 2 mil mortes. Desde então, a tendência é de queda.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA