Política Nacional

Governo federal diz que “estuda criteriosamente” participação no Covax

Publicados

em


source
Eduardo Pazuello, ministro da Saúde
Reprodução: O Dia

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde

Após a divulgação de que  técnicos do Governo Federal sugeriram que o Brasil pode não entrar no Covax, o grupo de vacinas da Organização das Nações Unidas (ONU), a Secretaria Especial de Comunicação Social enviou uma nota à imprensa para esclarecer a situação. 

“O Governo Federal estuda criteriosamente a participação do Brasil na Covax Facility, iniciativa inédita que visa à aquisição de vacina dentre ao menos nove opções em análise clínica. O Brasil, assim como outros países, segue em tratativas junto à Aliança Global de Vacinação (GAVI) para a extensão do prazo para a formalização da participação do Brasil na iniciativa”, diz trecho da nota.

A decisão de ingressar no Covax caberá ao presidente Jair Bolsonaro. O prazo final é 18 de setembro.

Sobre o pedido de adiamento do prazo estabelecido pela OMS, a gestão federal informa que a medida é “necessária para obter mais informações sobre as condições para a aprovação regulatória, instrumento jurídico aplicável, vacinas em desenvolvimento, suas características de armazenamento e transporte logístico. Essas definições são especialmente importantes em um país como o Brasil, de dimensões continentais”.

Leia Também:  Crivella é o maior doador da campanha de filho de Bolsonaro para vereador no RJ

Mais de 170 nações já se comprometeram a aderir, concordando em adquirir vacinas da Covid-19 por meio do Covax para suas populações. Os Estados Unidos disseram na semana passada que não irão aderir, porque o governo Trump se opõe ao envolvimento da OMS.

O objetivo do Covax é adquirir e entregar 2 bilhões de doses de vacinas aprovadas até o final de 2021. A iniciativa tem nove vacinas candidatas em seu portfólio, que empregam uma gama de diferentes tecnologias e abordagens científicas.

Confira nota completa:

Em relação à participação na iniciativa Covax Facility, o Governo Federal esclarece o que segue:

1- Desde junho, o governo brasileiro integra a ACT-Accelerator, iniciativa multilateral que visa acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso a diagnósticos, medicamentos, tratamentos, testes e sobretudo vacinas contra a Covid-19.

2 – Em todas as suas tratativas com instituições internacionais, o governo brasileiro tem como premissa assegurar o acesso justo e equitativo a vacinas que sejam seguras e eficazes para a proteção da população brasileira contra o novo coronavírus.

3- Nesse contexto, o Governo Federal estuda criteriosamente a participação do Brasil na Covax Facility, iniciativa inédita que visa à aquisição de vacina dentre ao menos nove opções em análise clínica.

4- O Governo Federal, assim como outros países, segue em tratativas junto à Aliança Global de Vacinação (GAVI) para a extensão do prazo para a formalização da participação do Brasil na iniciativa.

5- Tal medida se faz necessária para obter mais informações sobre as condições para a aprovação regulatória, instrumento jurídico aplicável, vacinas em desenvolvimento, suas características de armazenamento e transporte logístico. Essas definições são especialmente importantes em um país como o Brasil, de dimensões continentais. 

6- Em razão do alcance e altos índices de cobertura do Programa Nacional de Imunizações, o Brasil é reconhecido mundialmente por deter experiência, capacidade produtiva e vasto conhecimento técnico para contribuir com iniciativas internacionais de cooperação e solidariedade de vacinação.

Leia Também:  Rodrigo Maia defende reformas e rejeita nova Constituição

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Tratamento de câncer de Covas não tem data para acabar, diz médico do prefeito

Publicados

em


source
Prefeito Bruno Covas falando ao microfone
Patrícia Cruz/Divulgação

Prefeito Bruno Covas, candidato à reeleição para a Prefeitura de São Paulo pelo PSDB

O tratamento que o prefeito Bruno Covas (PSDB), que disputa a reeleição da Prefeitura de São Paulo , está fazendo contra um câncer na cárdia, que fica localizado na região de transição entre o estômago e o esôfago, não tem data para acabar. A avaliação é feita por um dos médicos da equipe que acompanha o tratamento do tucano.

O oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer acompanha Covas desde o início do diagnóstico, em 28 de outubro de 2019. Além dele, integram a equipe que o assiste no Hospital Sírio-Libanês os médicos David Uip, Roberto Kalil Filho e Artur Katz, todos do Hospital Sírio-Libanês.

No último dia 14, o prefeito fez a 12ª aplicação de imunoterapia. “Eu examinei ele de ponta-cabeça. Está clinicamente ótimo”, afirmou Pfiffer ao jornal Folha de S. Paulo .

Embora os estudos apontem um prognóstico ruim para a doença, o tratamento avançou muito nos últimos anos. No caso de Covas, além do tumor na cárdia, foram detectadas lesões menores no fígado e nos linfonodos ao lado do estômago.

Leia Também:  Rodrigo Maia defende reformas e rejeita nova Constituição

Entre outubro e fevereiro último, o prefeito chegou a fazer oito sessões de quimioterapia. Eles respondeu bem ao tratamento e as lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram. Por conta disso, desde fevereiro ele passou a fazer uso da imunoterapia, uma técnica inovadora que usa anticorpos monoclonais para estimular o sistema imunológico.

As drogas não visam atacar as células do tumor, como na quimioterapia convencional, mas sim estimular as células de defesa do próprio organismo do paciente para que elas combatam a doença. As aplicações duram cerca de 30 minutos e ocorrem a cada três semanas.

“Uma outra vantagem é que tem menos efeito colateral do que a quimioterapia. Depois que a gente mudou para a imunoterapia, ele está muito melhor clinicamente, mais bem-disposto. É um cara jovem, forte”, disse Pfiffer.

A cada três ciclos de imunoterapia, dois meses aproximadamente, Covas faz exames laboratoriais e de imagem (endoscopia, ressonância magnética e PET/Scan) para avaliar os resultados. “Eles têm mostrado que a doença está muito bem controlada”, afirmou o médico.

Segundo o oncologista, não há um prazo para a duração das aplicações. “É um tratamento promissor. Para essa doença [do prefeito], começamos [no Sírio] neste ano. Ele tem uma chance grande de uma resposta duradoura [regressão do câncer].”

Leia Também:  STJ decide adiar recurso de Lula no processo sobre triplex no Guarujá

Pfiffer diz ainda que a forma como Covas tem reagido ao enfrentamento da doença surpreende a todos. “Não apenas no aspecto do tumor, mas em relação a toda condição clínica. Teve Covid, foi praticamente assintomático. Fisicamente, está tirando tudo de letra. Emocionalmente, nunca se deixou abater.”

Em junho deste ano, Covas foi diagnosticado com Covid-19, afastou-se e retornou ao cargo duas semanas depois.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA