Economia

Governo estuda volta do auxílio em quatro parcelas de R$ 250

Publicados

em

 

 

source
MP prevê pagamentos entre março e junho deste ano, com parcelas de R$ 250
ESTADÃO CONTEÚDO

MP prevê pagamentos entre março e junho deste ano, com parcelas de R$ 250

O Governo Federal pretende entregar até o fim da próxima semana a Medida Provisória que estabelece a volta dos pagamentos do auxílio emergencial até junho deste ano. De acordo com fontes no Palácio do Planalto , a medida prevê mais quatro parcelas de R$ 250, acima dos R$ 200 desejado pelo ministro da economia Paulo Guedes.

A MP deve ser enviada ao Congresso Nacional após a aprovação da PEC Emergencial e do Pacto Federativo, previstos para serem votados na quinta-feira (25). As matérias preveem redução de custos aos cofres públicos, congelamento de salários dos servidores e de concursos públicos.

A nova rodada de pagamentos do benefício vai beneficiar 40 milhões de pessoas, sendo que 20 milhões são usuários do Bolsa Família . O governo deve desembolsar R$ 10 bilhões para a viabilização das parcelas.

Os beneficiários serão escolhidos por meio da base de dados de programas sociais do Governo Federal, Caixa e Receita Federal. A previsão é que o auxílio volte a ser depositado a partir de março.

Pressão do Congresso Nacional

Desde dezembro, quando foi extinto do benefício, o Governo Federal foi contra a volta do auxílio emergencial em 2021. No entanto, as eleições para as presidências no Legislativo movimentaram o Planalto a analisar o retorno dos pagamentos.

Apoiados por Jair Bolsonaro, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmaram ser a favor da retomada do benefício. Após a disputa, Bolsonaro se viu pressionado a liberar uma verba para a manutenção do auxílio e iniciou as negociações para viabilizar uma medida provisória.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro diz que PEC Emergencial está sendo reavaliada para ser aprovada direto

Publicados

em


source
O presidente concedeu entrevista em frente ao palácio da Alvorada nesta segunda-feira (8)
Reprodução/CNN Brasil

O presidente concedeu entrevista em frente ao palácio da Alvorada nesta segunda-feira (8)


Nesta segunda-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) Emergencial que foi aprovada pelo Senado Federal é a ideal e que também passará pela Câmara dos Deputados. 

“A Pec ideal é a que vai ser aprovada pela Câmara”, disse o presidente, e completou: “Eu sou o presidente, não devo interferir, mas conversei com o relator [Daniel Freitas (PSL-SC)] e com o Arthur Lira sobre as mudanças que foram propostas”.

Leia também

Segundo o presidente, a “Bancada da segurança” queria fazer alterações na proposta, que se não fossem feitas, podem acarretar na rejeição da nova medida.

Você viu?

“Isso já deve ter sido levado pelo relator ao presidente da Câmara, Arthur Lira, que vai conversar com os líderes para que ela [Pec] não volte ao Senado e, o que é pior, não seja aprovada”, diz. 

Leia Também:  Lula elegível: decisão de Fachin acelera queda do Ibovespa e dólar bate R$ 5,79


Outros pontos 

Na entrevista, Bolsonaro também comentou a decisão do ministro Edson Fachin que  anula todas as condenações do ex-presidente Lula. Na avaliação dele, a decisão deve ir para o plenário da corte, já que “não pode um homem sozinho tomar uma decisão dessas, nem ser o senhor do destino”.  

O presidente afirma que “a administração do PT foi catastrófica” e que “o povo brasileiro não quer um candidato desses nas próximas eleições ”, apontado que “todos nós sofremos com uma decisão como essa daí”, em referência à alta do dólar e a queda do Índice Bovespa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA