Estado

Governo do Espírito Santo divulga 50º Mapa de Risco Covid-19

Publicados

em

 

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (09), o 50º Mapa de Risco Covid-19, que terá vigência desta segunda-feira (12) até o próximo domingo (18). Dos 78 municípios capixabas, 42 municípios capixabas estão classificados em Risco Extremo, 34 em Risco Alto e dois (Conceição da Barra e Ibitirama) em Risco Moderado. Não há municípios classificados em Risco Baixo. As medidas qualificadas para cada grau de risco estão previstas no Decreto nº 4859-R e nas portarias 013-R e 066-R, da Secretaria da Saúde (Sesa).

A Matriz de Risco de Convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias. Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início em abril do ano passado.

Leia Também:  Em um mês de Campanha contra Influenza, Espírito Santo tem 12,6% de cobertura vacinal

O Mapa de Risco segue as orientações dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde e recomendações da equipe de especialistas do Centro de Comando e Controle (CCC) Covid-19 no Espírito Santo, que é composto pelo Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil, Secretaria da Saúde (Sesa), Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) e da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). As decisões adotadas pelo Governo do Estado seguem parâmetros técnicos.

Confira a classificação de todos os municípios capixabas:

RISCO EXTREMO: Água Doce do Norte, Águia Branca, Anchieta, Apiacá, Baixo Guandu, Barra de São Francisco, Boa Esperança, Brejetuba, Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Castelo, Colatina, Domingos Martins, Ecoporanga, Guarapari, Ibatiba, Iconha, Itarana, Jerônimo Monteiro, João Neiva, Linhares, Mantenópolis, Marataízes, Mimoso do Sul, Muniz Freire, Muqui, Nova Venécia, Pancas, Pedro Canário, Pinheiros, Piúma, Rio Bananal, Santa Teresa, São Gabriel da Palha, São José do Calçado, Serra, Vargem Alta, Venda Nova do Imigrante, Viana, Vila Pavão, Vila Velha e Vitória.

RISCO ALTO: Afonso Cláudio, Alegre, Alfredo Chaves, Alto Rio Novo, Aracruz, Atílio Vivácqua, Bom Jesus do Norte, Conceição do Castelo, Divino de São Lourenço, Dores do Rio Preto, Fundão, Governador Lindenberg, Guaçuí, Ibiraçu, Irupi, Itaguaçu, Itapemirim, Iúna, Jaguaré, Laranja da Terra, Marechal Floriano, Marilândia, Montanha, Mucurici, Ponto Belo, Presidente Kennedy, Rio Novo do Sul, Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá, São Domingos do Norte, São Mateus, São Roque do Canaã, Sooretama e Vila Valério.

Leia Também:  Governo do Estado anuncia Investimento em Inovação e site de Monitoramento do Plano Espírito Santo

RISCO MODERADO: Conceição da Barra e Ibitirama.

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Espírito Santo conquista IG de Indicação de Procedência para Café Conilon

Publicados

em

 

O Espírito Santo conquistou mais uma Indicação Geográfica (IG), agora para o Café Conilon, na categoria de Indicação de Procedência (IP). Trata-se da primeira IG do Brasil que abrange a produção de conilon em um estado inteiro, representando um alcance inédito. A solicitação da IG foi realizada pela Federação dos Cafés do Espírito Santo (Fecafés), em janeiro de 2020, e a concessão foi dada pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), nessa terça-feira (11). 

A publicação do INPI conclui a comprovação de que o nome geográfico Espírito Santo se tornou conhecido pela produção de café conilon. A conquista inédita promove o protagonismo do Estado e a finalidade de tornar o café reconhecido nacional e internacionalmente pela produção sustentável, rastreável e de qualidade.

O selo de IP Café Conilon do Espírito Santo contempla os cafés produzidos em todo o território capixaba. O Espírito Santo é o maior produtor nacional de café conilon, com produção aproximada de 10 milhões de sacas por ano, em uma área que chega a quase 300.000 ha, o que representa mais de 20% da produção mundial do produto. O café  conilon é o principal produto agrícola do Estado, sendo responsável pela geração da maior parte da renda e dos empregos do meio rural. 

O laudo de delimitação da área geográfica de produção foi elaborado pela Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), com base nos estudos técnicos e científicos realizados pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Espírito Santo (Sebrae-ES) e seus parceiros. O documento, anexado à solicitação ao INPI, teve por objetivo subsidiar a solicitação da Indicação Geográfica feita pela Fecafés.

O coordenador de cafeicultura e diretor-presidente interino do Incaper, Abrãao Carlos Verdin, destacou que a conquista da IG representa uma ferramenta coletiva de proteção e promoção comercial do café conilon, agora vinculado ao território capixaba. “É também um instrumento de preservação da biodiversidade, do conhecimento, dos recursos naturais e humanos. Contribui para a manutenção da qualidade do café, para a economia local e para os cafeicultores. A IG promove a herança histórico-cultural única do café conilon capixaba”, completou Verdin.

“Em menos de dois meses tivemos as três IG’s sendo reconhecidas, um passo importante para a cafeicultura capixaba. O Espírito Santo é o maior produtor de café conilon do Brasil. É referência no desenvolvimento e agora é focado na qualidade e no manejo sustentável. Essa valorização é resultado de um trabalho sério e de muitos anos. Agradecemos a todos os envolvidos nessa conquista”, disse o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto.

A conquista da IG de Indicação de Procedência é fruto do trabalho em conjunto entre Incaper, Seag, Fecafés, Seabre-ES, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Café); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes); Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB-ES); Ministério da Agricultura; Instituto de Inovação e Tecnologias Sustentáveis (Inovates); entre diversas outras instituições.

Leia Também:  Governo do Estado anuncia Investimento em Inovação e site de Monitoramento do Plano Espírito Santo

Texto: Andreia Ferreira

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Incaper
Andreia Ferreira
(27) 3636-9868 / 9865
[email protected] 

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA