Saúde

Governo abrirá 600 vagas de capacitação contra covid-19, diz Queiroga

Publicados

em


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou hoje (14) que o governo vai oferecer 600 vagas em residência médica e multiprofissional para formar médicos intensivistas, enfermeiros e fisioterapeutas. A atuação dos profissionais será no enfrentamento à pandemia de covid-19.

O anúncio foi feito após a segunda reunião do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que também participou da reunião, é importante a presença de profissionais especializados, principalmente nas unidades de terapia intensiva. “A habilitação de profissionais que possam fazer o enfrentamento da pandemia é fundamental. Precisamos de material humano, de pessoas bem formadas para esse atendimento”, disse.

Kit intubação

Durante a reunião, Queiroga também apresentou as ações do governo para aumentar a oferta de insumos estratégicos para a área de saúde, como os kits de intubação. De acordo com ele, nos próximos 10 dias, os estoques reguladores devem estar fortalecidos, fruto de uma iniciativa de compra direta com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) nas Américas.

O governo brasileiro também fará um pregão internacional para adquirir os fármacos do kit, que incluem sedativos e bloqueadores neuromusculares. “Não há nada mais traumático e trágico que ter um paciente no leito de UTI e não ter kit de intubação para mantê-lo intubado”, disse o senador Pacheco, destacando que o governo precisa manter atenção sobre esses estoques.

Leia Também:  Covid-19: Brasil tem 419,1 mil mortes e 15,08 milhões de casos

Além disso, o Ministério da Saúde está articulando, com o Canadá, a importação de 18 caminhões para o transporte de oxigênio aos estados e municípios. O objetivo, segundo Queiroga, é chegar a 50 caminhões.

Campanhas de conscientização

Rodrigo Pacheco destacou a importância das campanhas publicitárias do governo para conscientização da população sobre a vacinação. Elas agora serão reforçadas para destacar todos os métodos preventivos de pandemia: o uso de máscaras, a higienização das mãos, o isolamento e distanciamento social, além da vacinação. “Aqueles que já têm condição pelo PNI [Programa Nacional de Imunizações] que se vacinem, porque esse é um ato de preservação humana muito importante para o indivíduo e para a coletividade”, disse o senador.

Ontem (13), o Ministério da Saúde divulgou a lista dos estados com pessoas que estão em atraso para tomar a segunda dose de vacinas contra a covid-19. Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão nessa situação e precisam ir aos postos de vacinação.

Pacheco elogiou a atuação e o “espírito de aceitação democrático” do ministro Queiroga, que, segundo ele, tem assimilado e levado adiante as sugestões apresentadas no comitê.

Leia Também:  Fabricação de vacina da Fiocruz totalmente no Brasil começa dia 15

O órgão foi criado em março como uma instância de coordenação nacional de enfrentamento à pandemia e tem a participação dos presidentes da República, da Câmara e do Senado e representantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e CNJ, esses últimos na condição de observadores. A coordenação técnica é do Ministério da Saúde.

Órfãos da covid-19

Por fim, o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), que estava presente na reunião do comitê, falou sobre o que ele chamou de “órfãos da covid-19”, que são as crianças e adolescente que perderam seus cuidadores para a doença. Segundo ele, o Brasil tem cerca de 50 mil jovens nessa condição, após a morte de seus pais e avós que sustentavam as famílias.

Para o parlamentar, o governo precisa criar um programa efetivo de amparo a esse público. “Precisamos de um planejamento porque em 20 anos ainda sofreremos sequelas da covid-19, sejam elas psicológicas, sejam econômicas. É fundamental olhar para essas crianças e adolescentes”, disse o deputado.

Edição: Kelly Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz: pandemia de covid-19 faz vítimas cada vez mais jovens

Publicados

em


A pandemia de covid-19 no Brasil está se espalhando cada vez mais pelas camadas jovens da população.

A constatação faz parte do Boletim do Observatório Covid-19, editado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta sexta-feira (7). Os dados apresentados nesta edição confirmam o processo de rejuvenescimento da pandemia, com uma clara mudança demográfica: adultos jovens e de meia-idade representam uma parcela cada vez maior dos pacientes em enfermarias e unidades de terapia intensiva.

Referente às semanas epidemiológicas 16 e 17 de 2021, entre 18 de abril e 1º de maio, a análise destaca as oscilações dos indicadores nos estados, a alta proporção de testes com resultados positivos, bem como a manutenção da sobrecarga de todo o sistema de saúde. Esses indícios revelam que a pandemia se mantém em patamar crítico de transmissão, com valores altos de incidência e mortalidade.

“A ligeira redução de casos e óbitos por covid-19 não significa que o país tenha saído de uma situação crítica, pois as médias diárias de 59 mil casos e de 2,5 mil óbitos nestas duas semanas epidemiológicas se encontram em patamares muito elevados. Somente com a redução sustentada por algumas semanas, associada à aceleração da campanha de vacinação e à intensificação de ações de distanciamento físico e social, combinadas com proteção social, será possível alcançar a queda sustentada da transmissão e a redução da demanda pelos serviços de saúde”, alertaram os pesquisadores do Observatório, responsáveis pelo boletim.

Leia Também:  Pesquisa revela que 1,3 mil municípios ficaram sem segunda dose

Rejuvenescimento

O processo de rejuvenescimento da pandemia no Brasil é confirmado por meio dos novos dados apresentados no Boletim. A semana epidemiológica 16 apresenta idade média dos casos internados de 57 anos, versus idade média de 63 anos na semana epidemiológica 1. Para óbito, os valores médios foram 71 anos, na semana epidemiológica 1 e 64 anos nesta última. Segundo a Fiocruz, há deslocamento da curva em direção a faixas etárias mais jovens.

Quanto ao número de leitos, após muitas semanas em situação muito crítica, as taxas de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) covid-19 no país começam a dar sinais de melhora, embora ainda longe de indicar um quadro tranquilo. Entre 26 de abril e 3 de maio, as taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 para adultos mantiveram a tendência lenta de queda em quase todo o país.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA