Política Nacional

General Heleno diz que houve distorção em sua “nota à nação brasileira”

Publicados

em


source
Heleno
Marcos Corrêa/PR

Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno


O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno , disse que a “nota à nação brasileira” publicada na semana passada foi distorcida. Heleno disse que se tratava de uma nota “genérica” e “neutra”, mesmo com a declaração de que “poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional” sobre a possível apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Não se justifica que a maior autoridade do País tenha seu telefone celular apreendido a troco de coisas que não tem o menor sintoma de crime”, disse.

Leia também: Bolsonaro critica inquérito das fake news e ação da PF que mirou apoiadores

“Foi uma nota completamente neutra colocando o problema em si, sem citar nomes”, disse Heleno em frente ao Palácio do Planalto na manhã desta quinta-feira (28). “Não falei em Forças Armadas , não falei em intervenção militar”, defendeu.

O ministro disse que uma possível intervenção militar só existe na “cabeça da imprensa” e que este fato não resolveria nada. Segundo Heleno, nem o presidente da República nem os ministros pensam em invocar as Forças Armadas.

Leia Também:  Maia diz que plataformas querem evitar lei das fake news

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Gabinete de Bolsonaro tinha vaivem suspeito de dinheiro e cargos, revela jornal

Publicados

em


source
Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR

Movimentações analisadas são do tempo em que o presidente era deputado federal

Uma intensa e incomum rotatividade salarial de assessores e exonerações “de fachada”. Assim pode ser explicada a análise realizada em documentos relativos aos anos em que o  presidente Jair Bolsonaro era deputado federal e tinha grande movimentação, tanto de pessoal quanto de dinheiro, dentro de seu gabinete.

Segundo denúncia da Folha de S.Paulo, as movimentações atingem cerca de um terço das mais de 100 pessoas que passaram pelo gabinete de Bolsonaro entre os anos de 1991 e 2018. Tal modelo de gestão incluiu ainda a exoneração de auxiliares que eram recontratados no mesmo dia, prática que acabou proibida pela Câmara dos Deputados sob o argumento de ser lesiva aos cofres públicos.

Leia Também:  Eduardo Bolsonaro posta ultrassom da filha e brinca: "já tenta fazer arminha"

Entre os exemplos de movimentações, estão inclusive alguns assessores que deixaram o gabinete do pai Jair para assumir função ao lado de Flávio Bolsonaro , atualmente senador pelo Republicanos-RJ, quando ele ocupava cargo na Alerj e que hoje são investigados pelo s uposto esquema de rachadinha .

A reportagem aponta ainda que a filha de Fabrício Queiroz , ex-assessor do Flávio que foi preso no último mês em uma casa na cidade de Atibaia, Nathália Queiroz , também consta na lista de movimentações suspeitas, tendo diversas “oscilações salariais” até ser demitida em 2018, mesmo dia em que o pai foi exonerado.

Sobre as “demissões de fachada”, o levantamento mostra que o gabinete de Bolsonaro registrou nada menos do que 18 exonerações de assessores nos 12 meses anteriores ao ato da Câmara que proibiu tal ação, sendo que todos foram recontratados sempre no mesmo dia da demissão.

Vale ressaltar que a Câmara dos Deputados tem uma grande verba para gastos dos parlamentares. Atualmente, cada um dos deputados recebe uma conta de mais de R$ 111 mil para contratações, que devem ser de um mínimo de 5 e um máximo de 25. As remunerações também variam, indo de R$ 1.025 para as funções mais simples até R$ 15.698 para os chefes de gabinete.

Leia Também:  Avó de Michelle Bolsonaro testa positivo para a Covid-19

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA