Economia

Funcionários dos Correios não chegam a acordo salarial em audiência no TST

Publicados

em


source
Agora, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST vai julgar o dissídio coletivo da categoria
Sophia Bernardes

Agora, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST vai julgar o dissídio coletivo da categoria

Empregados dos Correios, representados por entidades sindicais, não conseguiram chegar a um acordo sobre reajuste salarial com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), em audiência de conciliação realizada nesta segunda-feira (13 de setembro) no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Agora, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST vai julgar o dissídio coletivo da categoria. A sessão ordinária ficou marcada para a próxima segunda-feira (20), informou o TST.

Na audiência de conciliação anterior, ocorrida na sexta-feira (10), o ministro Agra Belmonte, relator do caso, apresentou proposta de reajuste salarial de 100% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) a partir de agosto, com a aplicação do mesmo índice para funções gratificadas.

A sugestão da ECT, para implementação do reajuste em três parcelas – 50% em agosto, 25% em outubro e 25% em dezembro – foi acolhida por Agra Belmonte nesta segunda-feira.

A ECT, no entanto, rejeitou as cláusulas da proposta sobre acesso de dirigentes sindicais aos trabalhadores por 30 minutos em horário de almoço, em dias pré-estabelecidos; participação do sindicato em processos administrativos disciplinares; e liberação com ônus de dirigentes sindicais.

Já os trabalhadores não concordaram com o reajuste linear para funções gratificadas. Com a impossibilidade do acordo, a audiência foi encerrada pelo ministro.

A categoria questionou ainda a disparidade salarial na ECT: enquanto a remuneração de um carteiro é de R$ 2 mil, em média, advogados ganham cerca de R$ 20 mil. Segundo os empregados, o presidente da empresa recebe R$ 55 mil.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro diz que economia vai “muito bem” e descarta trocas no ministério

Publicados

em


source
Bolsonaro em evento da Roda da Fruticultura
Reprodução/redes sociais

Bolsonaro em evento da Roda da Fruticultura

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste sábado (18) que economia do país vai “muito bem” e afastou a ideia de trocar peças no Ministério. A fala foi feita durante o Fórum da Rota da Fruticultura da RIDE/DF (Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno), em Brasília.

“Nossa economia não pode e não vai parar. [Quero] dizer a vocês, a gente faz analogia com futebol, quando um time não está indo bem, a gente pensa logo em trocar o técnico. O meu time está indo muito bem”, disse o chefe do Executivo. 

Além de Bolsonaro, o evento contou com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes; o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; da ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda; a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF); o deputado Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF); o advogado-geral da União, Bruno Bianco e o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães;

A Rota da Fruticultura é responsável pela cadeia produtiva da fruta no Distrito Federal e em 33 municípios de Goiás e Minas Gerais. 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA