Carros e Motos

Ford irá ampliar produção de baterias  para atingir metas ousadas

Publicado em

Estratégia da Ford passa por Mach-E e modelos utilitários. Veja mais detalhes sobre o que está envolvido
Divulgação

Estratégia da Ford passa por Mach-E e modelos utilitários. Veja mais detalhes sobre o que está envolvido

A demanda por veículos elétricos cresce cada vez mais em países da Europa e nos Estados Unidos. Cada vez mais os clientes estão dispostos a experimentar carros elétricos. Visando esse crescimento de interesse, a Ford prepara a ampliação de sua produção de baterias elétricas.

A fabricante anunciou uma série de iniciativas para garantir a fabricação de baterias e matérias primas, com a intenção de alcançar o objetivo de produzir de 600 mil veículos elétricos anualmente até o fim de 2023, bem como 2 milhões até o fim de 2026.

Para efeito de comparação, no último ano, a Tesla ficou bem próxima de alcançar 1 milhão de carros elétricos vendidos.

Para alcançar as metas, o plano Ford+ também passa por ampliação da linha de veículos elétricos , e a fabricante espera um crescimento de mais de 90% anualmente nesse nicho específico.

 “A nova linha de veículos elétricos da Ford gerou enorme entusiasmo e demanda, e agora estamos colocando o sistema industrial em funcionamento para ganhar escala rapidamente”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford.

A marca acredita que a garantia de matéria-prima para a produção de baterias reafirma seu compromisso com sustentabilidade e pavimenta o caminho para que metade de sua produção global seja elétrica até 2030. As metas englobam, também, a neutralização de emissões de carbono até 2050.

Leia Também:  Fiat Pulse e Toro encarecem e têm alteração de itens na linha 2023

O plano da Ford de 600 mil carros elétricos anuais em 2023 passa pelos seguintes modelos: 270 mil unidades do Mustang Mach-E, 150 mil de F-150 Lighting na América do Norte, 150 mil de E-Transits e 30 mil unidades de um SUV completamente novo, que será lançado na Europa.

Atualmente, as baterias elétricas da Ford são de níquel cobalto manganês (NCM). A empresa irá substituí-las por células de fosfato de ferro-lítio (LFP), o que permite uma economia nos custos de produção de 10 a 15%, por não contar com um material caro e escasso como o níquel.

A Ford afirmou acordos com a CATL, uma das maiores fabricantes de baterias do mundo, para o fornecimento de células LFP para a F-150 Lightning , a partir de 2024.

As baterias de NCM ainda serão produzidas em Atlanta, nos Estados Unidos e na Hungria, e um acordo com a LG Energy Solution e SK On para a produção células NCM para o Mustang Mach-E e E-transit, com aumento de produção em sua planta em Wroclaw, a Polônia.

Além desses acordos, a Ford criou uma Joint-venture com a SK On, chamada de BlueOval SK, para ampliação da fábricas de baterias. Além disso, irá criar uma outra parceria, também com a SK On e com a Koç Holdings, para produzir baterias também na Turquia.

Leia Também:  Brasil registra 30 infrações de trânsito por uso do celular por hora

“Nosso time tem se envolvido ativamente com parceiros nos Estados Unidos e em todo o mundo. Vamos nos mover rapidamente nos principais mercados e regiões onde suprimentos críticos estão disponíveis, nos reunindo com funcionários do governo, empresas de mineração e assinando memorandos de entendimento e acordos”, disse Lisa Drake, vice-presidente da Ford Model e.

A Ford Model e , vale lembrar, é uma divisão da Ford desenvolvida estrategicamente para carros elétricos, que trabalha para garantir agilidade em tomada de decisões relacionadas à carros elétricos.

Uma das principais funções dessa divisão é explorar acordos com empresas que possam beneficiar a Ford, e já possuem pelo menos 7 acordos com empresas de mineração, visando garantir matéria-prima para a produção de baterias elétricas da Ford.

Ford Mustang Mach-E estreou recentemente na Europa, e é prometido para o Brasil também
Divulgação

Ford Mustang Mach-E estreou recentemente na Europa, e é prometido para o Brasil também

 “É um cenário muito competitivo. Esses parceiros veem valor na forte demanda que criamos com produtos excepcionais como o Mustang Mach-E e a F-150 Lightning e a estabilidade que podemos trazer para esses relacionamentos”, disse Drake.

O interesse da Ford nesse mercado é justificado por pesquisas recentes, que apontam que 60% de clientes da divisão de frotas da Ford nos Estados Unidos planeja utilizar um modelo elétrico em sua operação nos próximos dois anos.

Outro fator que estimula a Ford nesse sentido é o sucesso do Mustang Mach-E e da F-150 Lightning. 

Apicape foi tão bem recebida na América do Norte que a fabricante teve que dobrar sua produção mais de uma vez, e mesmo assim, teve que encerrar os pedidos do modelo 2022 antes mesmo de iniciar a fabricação, devido ao alto índice de procura.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros e Motos

Fim de uma era: Dodge aposenta Challenger e Charger a combustão

Published

on


Dodge Charger e Challenger serão aposentados e a marca focará apenas em modelos eletrificados
Reprodução

Dodge Charger e Challenger serão aposentados e a marca focará apenas em modelos eletrificados

“O Dodge Charger e o Dodge Challenger, na forma atual, estão chegando ao fim”, diz o comunicado de imprensa em anexo. “Estamos comemorando o fim de uma era – e o início de um novo e brilhante futuro eletrificado – permanecendo fiéis à nossa marca”, disse Tim Kuniskis, CEO da marca Dodge.

Aos fãs dos icônicos muscle cars norte-americanos só resta se conformar até a Dodge fabricar outros modelos que estarão cada vez mais íntimos na era da eletrificação.   E seus modelos 100% a combustão farão parte de uma era gloriosa para puristas e fãs da marca.

A empresa revelou que vai mostrar um muscle car totalmente elétrico em 2024 e para “servir de consolo” aos puristas ou “reforçar o espírito Dodge”, a empresa vai retornar com o estilo tradicional da grade retangular do Charger de 1968 a 1970 , juntamente com o l ogotipo triangular que estampava os seus carros até o início do anos 80.

Leia Também:  Edição 2022 do Festival Interlagos terá exposição de carros

Desenvolvido para aplicações de seis e oito cilindros com tração traseira ou nas quatro rodas, a plataforma LX serviu de base também ao Demon , um muscle car surgido em 2018 e marcou a era com o Challenger com seus mais de 800 cv de potência e que serviu a frota da polícia local.

A fábrica de Brampton, onde o Challenger e o Charger são fabricados atualmente, “será reequipada e totalmente modernizada” em 2024.

A instalação adotará uma arquitetura de veículo ainda não divulgada que apoiará os planos de eletrificação da Dodge . A produção deve ser retomada até 2025, e até agora não foi revelado quais veículos que serão produzidos na unidade de Brampton.

A plataforma LX é a plataforma automóvel de tração traseira em tamanho real da Chrysler , introduzida em 2004 para o modelo de 2005 e em breve, vai celebrar seu 20º aniversário marcando o fim de mais um capítulo da história da Dodge.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA