Esportes

Fluminense terá patrocínio do Grupo SIKA

Publicados

em

Fluminense Football Club anuncia o Grupo SIKA (que inclui a marca Portokoll) como o novo patrocinador. As duas marcas estarão estampadas, de forma alternada, na parte de trás do calção dos uniformes do clube. O contrato vai até o início de 2021. A empresa é líder mundial no mercado da construção e indústria, com as melhores tecnologias no setor de impermeabilização, vedação, colagem, isolamento acústico, reforço e proteção estrutural.

Negociado pela agência de marketing esportivo Wolff Sports, o acordo prevê que a empresa terá o direito ao uso do rótulo “Patrocinador Oficial” em todas as suas comunicações. As contrapartidas do patrocínio garantem a exposição da marca nas placas dos Centros de Treinamento do time na Barra da Tijuca e Xerém, na Sede do Clube, no bairro de Laranjeiras, e nos backdrops de entrevistas coletivas de imprensa. Para o ambiente digital, a SIKA marcará presença nas redes sociais, no site oficial do clube e em e-mails marketing a serem enviados ao mailing de sócios do time.

“Essa será uma importante parceria e mostra que estamos no caminho certo. O mercado reconhece o poder do clube e o que podemos agregar às marcas que estão conosco. O Grupo Sika tem padrão internacional e é grande como o Fluminense. Estamos felizes com essa parceria”, afirmou o presidente Mário Bittencourt.

Leia Também:  Venda Nova do Imigrante vai ganhar pista de bicicross

Para o gerente de marketing da Sika, Rodrigo Silva, a parceria é uma estratégia para expandir a divulgação, criar maior aproximação com o público e aumentar o reconhecimento de marca. “O futebol é uma paixão nacional, que conversa diretamente com o nosso público-alvo, que vai de um aplicador de nossos produtos até um consumidor que precisa solucionar um problema de umidade em sua residência. Vemos a importância de abrir o leque para uma comunicação eficiente, e queremos passar a mensagem que impermeabilização deve ser levada a sério. A Sika tem um carinho especial pelo mercado do Rio de Janeiro, além de ter recebido a primeira fábrica no Brasil, em 1934, a marca lidera o mercado no estado”, explica o executivo.

“Construímos um grande case com a Sika no futebol há uma década. É um imenso prazer voltar a atendê-los, desta vez com uma parceria com um dos clubes tantas vezes campeão, o Fluminense”, considera Fábio Wolff, da Wolff Sports.

SOBRE O GRUPO SIKA

A Sika é uma multinacional Suíça, com uma posição de liderança no desenvolvimento e produção de sistemas e produtos para colagem, selagem, impermeabilização, reforço e proteção estrutural nos segmentos da construção e indústria em geral. Possui filiais em 101 países e mais de 200 plantas no mundo. Com mais de 24.000 funcionários, gerou vendas anuais de CHF 8,11 bilhões em 2019. Recentemente a companhia adquiriu a Parex, fabricante líder no ramo de argamassas e rejuntes para revestimento cerâmico. A aquisição fortalecerá a plataforma de crescimento do grupo e apresentam uma excelente plataforma de crescimento para ambas as organizações pois possuem portfólio de produtos totalmente complementares.

Leia Também:  Cuba tem melhor desempenho da América Latina nas Olimpíadas

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Papel do Flamengo é liderar e não ser lobo de outros clubes

Publicados

em

“Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” – Marcos 8:36

A vocação para a glória que faz do Flamengo um dos maiores clubes do mundo não pode ser confundida com arrogância e prepotência.

Este outro patamar onde o clube se encontra em relação a demais agremiações deve servir não apenas para levantar taças, mas também novos conceitos que atendam ao Flamengo e a todo futebol brasileiro.

De que serve ser uma superpotência futebolística e financeira se ao seu redor outros clubes de iguais tradições e histórias morrem com os cofres vazios?

A história linda do rubro-negro carioca não foi construída apenas de épicos embates contra Liverpool ou Boca Júnior. Nosso caminho de campeão foi trilhado ao longo do tempo contra o América, contra o Bangu, o Olaria, o Volta Redonda… e, claro, contra os três grandes do Rio de Janeiro.

É preciso que esses clubes, ou a maioria pelo menos, continuem vivos, e é tarefa do Flamengo ajudar nisso, colocando-se como um líder e facilitador de novos entendimentos comerciais que favoreçam a todos. Não igualmente, claro, mas proporcionalmente ao tamanho de cada um.

Leia Também:  Cuba tem melhor desempenho da América Latina nas Olimpíadas

Não com a soberba do presidente Rodolfo Landim, que a cada atitude que tem se coloca para o futebol brasileiro como um novo Eurico Miranda, mas com a humildade e seriedade do ex-presidente Bandeira de Mello que mostrou para nós que administrar é muito mais que apenas levantar taças.

Na gestão passada o rubro-negro deu exemplo pagando suas dívidas, limpando seu nome,  construindo uma nova relação com o torcedor e fazendo gestão honesta e transparente para criar confiança em investidores, estabelecendo assim patamares sólidos para que hoje chegasse aonde chegou.

Ao estabelecer uma nova relação com a Rede Globo, peitando seus interesses que nem sempre são favoráveis aos clubes, o Flamengo de agora ensina um novo caminho que pode gerar muitas coisas boas, não só do ponto de vista financeiro.

Uma delas é colocar fim ao nefasto horário estabelecido pela emissora para transmitir jogos durante a semana: religiosamente após suas telenovelas, lá para quase 22hs, horário em que pobres mortais trabalhadores já estão sonhando com o trânsito das 4hs da madrugada. Uma transmissão feita pelo próprio canal do clube, quando este for mandante, pode ter um novo horário mais adequado à realidade de um trabalhador e sem a ditadura televisiva.

Leia Também:  Britânicos desembarcam segunda-feira (19) no ES para conhecer centros de treinamento

São pequenos passos a serem conquistados ao longo dos anos, mas não há dúvida de que o Flamengo se coloca como grande artífice desse novo momento pela grandeza de clube que se tornou. Pode-se, e deve-se, estar em um patamar acima dos demais, mas é bom para todos que os clubes tradicionais estejam igualmente fortes para que a velha rivalidade sobreviva.

Por isso cabe ao Clube Regatas Flamengo liderar esse processo pela força que tem. O rubro-negro será decisivo no novo formato do Campeonato Carioca do ano que vem. É preciso pensar em si, mas sobretudo ajudar agremiações menores.

O papel do Flamengo é ajudar a estabelecer um novo patamar para o futebol Carioca e Brasileiro, sem deixar de ser forte, mas sem se tornar o lobo de outros clubes. De que adianta ganhar o mundo e ver rivais próximos morrerem e levarem para seus túmulos as tradições e as histórias  que tão bem fazem ao futebol…. e ao Flamengo?

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA